NOTÍCIAS

Alcoa estreita relações com a comunidade em visitas à mina de Juruti

18 de março de 2019

Em um ano e meio, mais de 20 grupos participaram das visitas de campo e acompanharam o sistema de operações da empresa.

“Antes eu só sabia de fora como era a operação da Alcoa. Com a visita, pude ver de perto os trabalhos que são feitos aqui em Juruti. Não tem risco nas lagoas. É muito bom ver que a empresa tem informado a população. Vou levar o que aprendi para as comunidades que visitar”. A fala do vice-presidente da Câmara de Juruti, Lucemir Pereira, simplifica a impressão que ficou após uma visita às operações da mina de bauxita no município.

Ele é uma das 141 pessoas, entre lideranças comunitárias, autoridades e representantes de organizações civis e de ensino que participaram do Programa Visita da Comunidade somente neste primeiro trimestre de 2019. O programa já existe desde a época da implantação do projeto de mineração e recentemente registrou maior procura após os acidentes com barragens de rejeito de minério ocorridos em Minas Gerais.

Até agora, foram mais de 3200 visitantes que conheceram de perto o processo de lavra, reflorestamento, beneficiamento, transporte ferroviário e embarque portuário da bauxita, assim como o sistema de disposição de rejeitos em lagoas. A próxima visita será no dia 22 deste mês, com os membros da Associação das Comunidades da Região de Juruti Velho (Acorjuve).

A professora de Engenharia de Minas da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), Amanda Oliveira, que também participou de uma das visitas à empresa, considera positivo a Alcoa mostrar para a comunidade a sua atuação. “Foi bastante esclarecedora a visita, poder ver as lagoas e que a empresa tem cumprido o seu papel. Foi muito bom saber que a Alcoa vem adotando novos métodos para utilizar os materiais de rejeitos das lagoas. Que tem investido em tecnologia. A mineração é necessária e a maioria dos produtos que fazemos uso, vem dela. É uma atividade importante e fundamental para a sociedade”, declara.

Operações

A Alcoa opera em Juruti desde 2009 e está completando dez anos de operações este ano. No seu processo, o minério lavrado passa por beneficiamento simples, que inclui a lavagem da bauxita somente com água – sem nenhum produto químico – e um sistema de lagoas que garante a disposição do rejeito da lavagem e a reutilização de pelo menos metade da água do processo.

O sistema é formado por uma lagoa de espessamento, com função de armazenar água para atender o processo de lavagem, e cinco lagoas de disposição, que são depósitos definitivos do material, feitas em áreas já mineradas, onde, após secagem natural, o material volta a ter característica de solo e no futuro devem ser reabilitadas e reflorestadas com espécies catalogadas antes da mineração.

Segurança

Diferentemente das barragens, que possuem conceito construtivo de represamento entre vales, com pressão única do rejeito sobre o barramento, o sistema de lagoas da Alcoa distribui a pressão por toda a estrutura. Além disso, desde 2013, as lagoas da Alcoa são construídas utilizando as cavas remanescentes da lavra, com diques para regularizar o terreno próximo a sua estrutura natural, ou seja, o represamento é feito para baixo.

Segundo Genesis Costa, gerente de Produção da Alcoa Juruti, as lagoas da empresa possuem capacidade de armazenamento suficiente para manter operações seguras e de acordo com a classificação da Agência Nacional de Mineração (ANM). “Nossas estruturas são consideradas de baixo risco, armazenam somente argila bauxítica, que é um material classificado como inerte e não-perigoso, pois nenhum produto químico é usado no nosso processo de lavagem do minério”, explica.

O sistema possui monitoramento permanente e recebe inspeções, vistorias e fiscalizações das equipes operacionais, órgãos reguladores e auditores independentes, não apresentando qualquer sintoma de insegurança. “Mesmo não estando obrigada pela legislação, a Alcoa Juruti possui um plano de emergência que rege diversas atividades de monitoramento e mitigação para gerenciar os riscos, reduzindo ou eliminando o impacto externo”, comenta o Gerente de Produção, que também destaca que o sistema conta com bacia de contenção de emergência preparada para chuvas intensas com ocorrência a cada 10 mil anos.

Comunidade

Anualmente a Alcoa realiza simulado de emergência com o objetivo de preparar as equipes de atendimento, com base na cultura de prevenção da empresa. “Estamos nos preparando para muito em breve desenvolver as capacitações e simulados com as autoridades públicas e a comunidade também. Entendemos que é de suma importância, porém deve ser realizado com planejamento adequado para que o simulado ocorra de forma controlada e tranquila”, declara Rogerio Ribas, gerente de Relações Institucionais da Alcoa Juruti.

Além do Programa Visita da Comunidade e as ações de comunicação, a Alcoa mantém variados canais de diálogo e aproximação com a sociedade de Juruti com o objetivo de sempre manter transparência às suas operações, a exemplo do Diálogo Social, onde profissionais da empresa realizam apresentação e esclarecimentos na sede das instituições e comunidades do município. “Estamos abertos a mostrar como operamos de forma segura e transparente. Nosso comprometimento é com as pessoas”, declara Rogério Ribas.

Para o prefeito de Juruti, Henrique Costa, entender a experiência da mineração que é feita no município é muito importante, sobretudo no que se refere a segurança das operações. “A empresa tem tratado a segurança com maior preocupação. A Alcoa tem trabalhado bem e, pelo que vi durante a visita, sem risco nenhum. Em Juruti são lagoas e não barragens, e não há perigo de transbordar, mas de qualquer forma, junto com a Câmara, estaremos monitorando, atendendo assim um anseio da população”, destaca.

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Abertas inscrições do Programa Aprendiz da AngloGold Ashanti em Nova Lima (MG)

8 de agosto de 2019

São 60 vagas, das quais 20 exclusivas para pessoas com deficiência (PCD). Os cursos disponíveis são de operador de mina…

LEIA MAIS

Exportação de pelotas aumenta 14,2% de janeiro a setembro

23 de novembro de 2017

Foram exportadas 22,5 milhões de toneladas de pelotas nos nove meses deste ano A exportação de pelotas, feita pela Vale,…

LEIA MAIS

Votorantim Cimentos apoia projeto de resgate histórico-cultural em Corumbá (MS)

17 de dezembro de 2018

Projeto “Todo Lugar tem uma História para Contar”, do Museu da Pessoa, reuniu histórias de vida dos moradores que impulsionou…

LEIA MAIS