NOTÍCIAS

ALUMÍNIO SUPERFORTE PODE SUPERAR AÇO INOXIDÁVEL

30 de janeiro de 2018

Resistência do alumínio

Depois de alcançar os extremos em termos de densidade – um alumínio superdenso e outro alumínio tão leve que flutua na água – agora os metalurgistas obtiveram uma liga de alumínio tão forte que rivaliza com a resistência do aço inoxidável.

“Ligas de alumínio leves e de alta resistência, com força comparável aos aços inoxidáveis, vão revolucionar as indústrias automobilística e aeroespacial,” disse o professor Xinghang Zhang, da Universidade Purdue, nos EUA.

Normalmente as ligas de alumínio são leves e macias – em termos metálicos – e apresentam uma resistência mecânica baixa. Mas a equipe de Zhang descobriu duas técnicas capazes de alterar a microestrutura do alumínio para conferir-lhe maior resistência e ductilidade.

Falhas de empilhamento e fase 9R

O novo alumínio de alta resistência tornou-se possível pela introdução de “falhas de empilhamento”, que são distorções na estrutura do cristal – e essas distorções influenciam fortemente as características mecânicas dos metais e ligas.

A rede cristalina de um metal é constituída por sequências repetitivas de camadas atômicas. Se faltar uma camada, diz que há uma falha de empilhamento. Além disso, podem ocorrer as chamadas “fronteiras gêmeas”, consistindo em duas camadas de falhas de empilhamento.

Embora sejam fáceis de serem produzidas em metais como cobre e prata, essas distorções são difíceis de serem introduzidas no alumínio devido à sua alta “energia de falha de empilhamento”. A equipe apostou então em um tipo específico de falha de empilhamento, chamada de fase 9R.

“Você precisa introduzir nanofronteiras gêmeas e fases 9R no alumínio nano granulado para aumentar a força e a ductilidade e melhorar a estabilidade térmica,” disse o professor Zhang.

E foi exatamente isto o que ele e sua equipe descobriram como fazer – e de duas maneiras diferentes.

 

Pulverização com metal

A primeira técnica consiste na indução de fases 9R no alumínio – simples ou gêmeas – por choque, o que foi feita bombardeando filmes de alumínio ultrafinos com micro projéteis minúsculos de dióxido de silício.

Na segunda técnica, a fase 9R e as fronteiras gêmeas foram induzidas no alumínio não por choque, mas pela introdução de átomos de ferro na estrutura do cristal de alumínio através de um processo chamado pulverização magnetrônica, ou pulverização catódica.

Esta última abordagem é particularmente promissora porque, como o ferro também pode ser introduzido no alumínio usando outras técnicas, como a fundição, ela poderá ser ampliada do laboratório para aplicações industriais.

“Estes resultados mostram como fabricar ligas de alumínio que são comparáveis, ou mesmo mais resistentes, do que os aços inoxidáveis. Há um grande potencial de impacto comercial nesta descoberta,” finalizou Zhang.

Fonte: Inovação Tecnológica

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Alunorte e UFPA assinam novo acordo para pesquisas de uso do resíduo de bauxita, dessa vez na produção de agregado sintético

13 de outubro de 2020

A Alunorte anuncia novo acordo com a Universidade Federal do Pará (UFPA) para pesquisa sobre o uso do resíduo da bauxita na…

LEIA MAIS

Brasil terá 1º hub de inovação para a indústria mineral

19 de novembro de 2018

Inédita no setor em nível global, iniciativa de mineradoras brasileiras em parceria com a WeWork pretende impactar positivamente a competitividade…

LEIA MAIS

Instituto Tecnológico Vale abre inscrições para nova turma de Mestrado

22 de outubro de 2018

Instituto Tecnológico Vale (ITV), em Minas Gerais, acaba de abrir as inscrições para o processo seletivo 2019 do Mestrado Profissional…

LEIA MAIS