NOTÍCIAS

Analistas consideram positiva produção da Vale no segundo trimestre

19 de julho de 2012

rnAnalistas consideraram positivos os dados de produção divulgados ontem pela Vale. A mineradora fechou o segundo trimestre com produção de 80,5 milhões de toneladas de minério de ferro, uma alta de 0,4% em r

rn

Analistas consideraram positivos os dados de produção divulgados ontem pela Vale. A mineradora fechou o segundo trimestre com produção de 80,5 milhões de toneladas de minério de ferro, uma alta de 0,4% em relação ao período abril-junho de 2011.

rn

O volume produzido, recorde para um segundo trimestre, recuperou em parte as perdas do primeiro trimestre, quando as operações no Brasil foram duramente afetadas pelas chuvas.

rn

Houve recorde também na produção de pelotas e aumento no volume extraído de carvão. Na área de níquel, mesmo com problemas nas operações de Sudbury, Onça Puma e Nova Caledônia, houve alta de 8,4% em comparação com o segundo trimestre do ano passado.

rn

Para Pedro Galdi, analista da corretora SLW, a produção da Vale no segundo trimestre veio acima do que o mercado esperava. “Estimamos que a Vale tenha vendido 62 milhões de toneladas de minério de ferro [no segundo trimestre]”, disse Galdi.

rn

Segundo o analista, a expectativa é que a mineradora continue aumentando a produção, apesar de ponderar que a crise econômica atrapalha o desenvolvimento dos negócios. “A Vale investe US$ 20 bilhões por ano em expansão”, afirmou Galdi.  “É claro que a crise econômica atrapalha, mas os investimentos estão sendo feitos para ampliar as atividades”, completou.

rn

Galdi destacou que a China, maior compradora dos produtos da Vale, tem um crescimento econômico menor, em função da crise econômica, mas continua com sua economia avançando a um ritmo alto.

rn

Sobre a produção de níquel, Galdi afirmou que a Vale sofreu com problemas pontuais. A produção total de níquel refinado foi de 60.900 toneladas no segundo trimestre deste ano, 3,6% menor do que no trimestre anterior. A suspensão das atividades para avaliação da segurança nas operações de mineração em Sudbury durou mais tempo do que o esperado e prejudicou a produção de níquel refinado, segundo o relatório da Vale divulgado ontem.

rn

“Os problemas com a produção de níquel foram pontuais”, disse Galdi, explicando que não terão impactos maiores. Galdi afirmou que o preço do níquel, cobrado pela Vale, está em trajetória decrescente. O valor do produto passou de US$ 25 mil a tonelada, no segundo trimestre de 2011, para US$ 16 mil a tonelada, atualmente. “Houve uma queda grande no preço [do níquel] e essa queda está associada à crise”, disse Galdi.

rn

Galdi destacou também que o impasse sobre o pagamento de royalties cobrados pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) da empresa está prestes a ser resolvido. Segundo o analista, o mercado estima que o valor cobrado, de R$ 4,5 bilhões, pode ser reduzido para R$ 1,2 bilhão na negociação.

rn

O Barclays ressaltou, em relatório, que a produção da companhia, sem considerar a  Samarco, cresceu para 77,8 milhões de toneladas, uma alta de 15% frente ao primeiro trimestre, com destaque para Carajás, onde houve alta de 26%.

rn

“Estamos positivamente impressionados com a recuperação da produção em Carajás, que entrega o minério da Vale com maior qualidade e com o menor custo”, diz o relatório do Barclays.

rn

Do lado negativo no minério de ferro, o banco ressaltou a continuação do declínio na produção no Sistema Sudeste, principalmente em Itabira e Minas Centrais, com queda de 7% no primeiro semestre.

rn

Para a corretora Ativa, o aumento de produção da Vale — de todas as commodities e não apenas do minério de ferro — deverá ser “o principal impulso para a melhora dos resultados” no segundo trimestre.

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Alcoa apoia desenvolvimento em Inglês para alunos do Senai Juruti

10 de dezembro de 2018

Estudantes do Programa de Formação de Operadores e Operadoras (PFO) e de cursos técnicos do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial…

LEIA MAIS

Gerdau apoia workshop do projeto Gustavo Penna 73/23

19 de novembro de 2018

Hoje e amanhã (19 e 20 de novembro), a Escola de Arquitetura e Urbanismo da PUC Minas – Poços de…

LEIA MAIS

Projeto de terras-raras vai produzir 5 mil toneladas por ano em Goiás

13 de novembro de 2017

A Mineração Serra Verde (MSV) trabalha para produzir anualmente 5 mil toneladas de concentrado de terras-raras no projeto que possui…

LEIA MAIS