NOTÍCIAS

AngloGold dobra investimentos em pesquisa para atingir meta

3 de julho de 2012

rnPara se manter entre os líderes da produção de ouro no Brasil, a sul-africana AngloGold Ashanti planeja dobrar seus investimentos em pesquisa mineral, abrindo novas fronteiras de exploração no Estado do Mato Gross

rn

Para se manter entre os líderes da produção de ouro no Brasil, a sul-africana AngloGold Ashanti planeja dobrar seus investimentos em pesquisa mineral, abrindo novas fronteiras de exploração no Estado do Mato Grosso e na região Norte do país. Com metas agressivas de expansão, a multinacional traçou um plano que inclui associações com empresas menores em atividades de pesquisa mineral. Apesar das dificuldades em se encontrar novas reservas viáveis do metal, a empresa tem ao seu favor um ponto crucial que sustenta os investimentos do setor globalmente: o avanço dos preços do ouro.

rn

“Estamos priorizando os programas de exploração de novas áreas. Crescer organicamente é a melhor forma para atingirmos nossas metas de produção no Brasil”, afirmou ao Valor o diretor financeiro da AngloGold Ashanti, Agostinho Tibério Marques.

rn

A empresa anunciou há um ano a meta de atingir o patamar de 880 mil onças-troy (cerca de 28 toneladas) de produção até 2020. Isso significaria dobrar o volume da subsidiária, que foi de 426 mil onças-troy em 2011.

rn

Para alcançar esse objetivo, a AngloGold se volta para novas descobertas. No ano passado, os investimentos em pesquisa mineral somaram US$ 35 milhões, sendo que a maior parte desses recursos foi voltada para pesquisas na região do Quadrilátero Ferrífero (MG). Mas, a média de investimentos da empresa na busca por novas reservas nos últimos anos foi de US$ 20 milhões e esse número será, no mínimo, dobrado a partir do ano que vem.

rn

Os recursos desembolsados no ano passado incluíram a expansão do complexo mineiro Córrego do Sítio, em Santa Bárbara (MG). A área – que antes operava apenas com uma mina a céu aberto, com produção de 20 mil onças-troy – ganhou uma mina subterrânea. Com as pesquisas, o complexo passará a produzir neste ano 90 mil onças-troy. “Para aumentar essa produção, estamos realizando mais estudos na área. Estimamos que teremos uma produção de 130 mil onças-troy até 2015”, afirmou o executivo. Mas a ideia é dobrar a produção em Córrego do Sítio, projeto para o qual serão necessários investimentos US$ 200 milhões.

rn

Ainda com foco no crescimento orgânico, a multinacional avança em novas áreas de exploração no Estado do Mato Grosso, onde já tem o alvará de pesquisa concedido pelo governo. Uma outra fronteira que a empresa espera abrir é a região Norte do Brasil. “Alí, poderíamos entrar em associação com alguma empresa que já tenha direitos minerários”, explicou Marques.

rn

Isso implicaria expansão geográfica importante para a companhia, que hoje atua apenas em Minas Gerais – onde tem, além de Córrego do Sítio, as minas de Cuiabá e Lamego, em Sabará (MG) – e em Goiás. Neste último Estado, a empresa tinha uma joint-venture 50% a 50% com a concorrente Kinross na Mineração Serra Grande, em Crixás. Em maio, a sul-africana anunciou a compra da totalidade do complexo, composto por três minas subterrâneas e uma a céu aberto. O valor da operação, de US$ 220 milhões, teve recursos, segundo o executivo, vindos do caixa da matriz. Hoje, Serra Grande produz 140 mil onças e vai receber neste ano e em 2013 US$ 10 milhões por ano para pesquisas no entorno da operação.

rn

Os investimentos são estimulados pelo bom momento do setor. No acumulado deste ano, a cotação do ouro em Nova York avançou 4,27%, fechando a sessão de ontem aos US$ 1.597,48 por onça-troy. “Em situação de crise, o ouro é usado como reserva de valor. Acreditamos que ainda há mais espaço para alta”, afirmou o executivo. Hoje, cerca de 40% da demanda por ouro vem do mercado financeiro, enquanto 50% vem da indústria (incluindo a área de joias). No Brasil, a sul-africana concorre com outras multinacionais, que também têm anunciado investimentos, como as canadenses Kinross e Yamana Gold.

rn

Assim, a companhia prevê produzir 520 mil onças-troy este ano. No ano passado, a subsidiária faturou US$ 900 milhões, sendo que, globalmente, apresentou receita de US$ 6,6 bilhões. Já a produção total do grupo AngloGold somou 4,33 milhões de onças.

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



CADE aprova compra da Ferrous pela Vale

3 de junho de 2019

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a aquisição do controle acionário da mineradora Ferrous…

LEIA MAIS

III Semana de Engenharia de Minas da Universidade Federal da Bahia ocorre em novembro

29 de outubro de 2018

A Universidade Federal da Bahia (UFBA) promove em novembro, entre os dias 12 a 14, a III Semana de Engenharia de Minas…

LEIA MAIS

Programa de melhorias eleva produtividade e reduz custos operacionais

15 de outubro de 2018

Engajamento dos colaboradores, aumento da produtividade e otimização de custos. Esses são os diferenciais que a Imerys, detentora da maior…

LEIA MAIS