NOTÍCIAS

Artigo | Confúcio e o Carvão

1 de agosto de 2017

Fernando L. Zancan – Presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral

“Uma imagem vale mais que mil palavras”, é um dito popular de autoria do filósofo chinês Confúcio, que mostra o poder da comunicação via imagens. Isso se aplica ao caso do carvão. Estamos há 15 anos sem que um ministro de Minas e Energia visite o setor carbonífero catarinense. A última visita foi do ministro Rodolfo Tourinho, no início do século 21.
 
A imagem de um parque termelétrico de 857 MW, inserido no meio da cidade de Capivari de Baixo, ao lado da cidade de Tubarão, ligado pela Ferrovia Teresa Cristina a uma região produtora de carvão com cerca de 10 municípios, envolvendo na cadeia uma população de cerca de meio milhão de pessoas no sul de Santa Catarina, traz a reflexão do impacto econômico envolvido na cadeia econômica gerada pela mineração de carvão.
 
A indústria do carvão, ao movimentar a economia, traz consigo a melhora das condições de vida. Como exemplo, temos a cidade de Treviso que é o quarto melhor índice de desenvolvimento sustentável municipal do estado, isso fruto de boas gestões públicas na aplicação dos recursos advindos da economia do carvão que representam 64% do valor adicionado da economia da cidade. Os royalties do carvão representam 31% dos CFEM arrecadados pela mineração em Santa Catarina e contribuem para o desenvolvimento tecnológico da indústria do carvão, via uma Lei Estadual criada pelo governador Luiz Henrique da Silveira.
 
A indústria do carvão nacional, em especial em Santa Catarina, tem um enorme potencial de crescer e trazer desenvolvimento e renda, mas está estagnada, pois carece de uma política industrial. O estigma ambiental, veiculado atualmente não permite que uma discussão pragmática e técnica seja feita sobre como desenvolver o maior recurso energético que o Brasil tem.
 
A visita do Ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, a indústria carbonífera dos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, reveste-se de grande importância, pois ele poderá ver uma indústria que atende os requisitos de eficiência econômica, compromisso ambiental, visão de futuro e compromisso social.
 
Esperamos que, assim como o Governo Federal promoveu ações para estruturar políticas públicas para o gás natural, biocombustíveis, petróleoe setor elétrico, possa fazê-lo para o carvão mineral.
 
Existem projetos termelétricos e carboquímicos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná em diversos estágios de desenvolvimento que podem atrair cerca de 10 bilhões de dólares de investimentos para a indústria do carvão.
 
Para que isso ocorra, torna-se necessário uma política industrial para o carvão. Esperamos que as poderosas imagens se transformem em ações concretas para o desenvolvimento do Sul do Brasil.
 
 
Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Entidades buscam resolução para demanda represada no embarque de rochas ornamentais

5 de novembro de 2018

Com apoio do Governo do Espírito Santo, Sindicato das Indústrias de Rochas Ornamentais, Cal e Calcário do Estado do Espírito…

LEIA MAIS

Serabi aumenta reservas de ouro em 31%

12 de dezembro de 2017

A Serabi Gold disse ontem (11) que a nova estimativa de reservas minerais provadas e prováveis para as minas de…

LEIA MAIS

Exportação de pelotas aumenta 14,2% de janeiro a setembro

23 de novembro de 2017

Foram exportadas 22,5 milhões de toneladas de pelotas nos nove meses deste ano A exportação de pelotas, feita pela Vale,…

LEIA MAIS