NOTÍCIAS

Artigo: O carvão no drama da energia

21 de janeiro de 2013

rnPor Elifas Simas, Presidente da Companhia Riograndense de Mineração (CRM)Que a energia elétrica é o assunto mais pautado dos últimos meses, todo mundo já sabe. De um lado, o governo federal garante que n&at

rn

Por Elifas Simas, Presidente da Companhia Riograndense de Mineração (CRM)

Que a energia elétrica é o assunto mais pautado dos últimos meses, todo mundo já sabe. De um lado, o governo federal garante que não há risco de apagão, afirmando que são apenas problemas pontuais de transmissão. Por outro lado, os níveis de água dos reservatórios continuam baixos e quedas de energia se tornaram constantes em diversos Estados do país.

rn

Com este cenário, a geração térmica volta a ser pautada como salvação. No entanto, os debates sobre esse sistema de geração e sua ampliação na matriz nacional estão voltados somente para as térmicas a gás natural.

rn

Gás este que importamos de países como Argentina e Bolívia, entre outros, o que eleva os custos de energia, que, por sua vez, serão pagos pelo consumidor brasileiro.

rn

Enquanto isso, o carvão mineral, que existe abundante em diversas regiões do país, permanece com apenas 1,5% de participação na matriz energética nacional. Desde 2009, nenhum grande empreendimento deste tipo de termelétrica pôde ser realizado, em decorrência de o carvão mineral não ter sido incluído nos últimos leilões de energia, por conta de compromissos ambientais assumidos pelo Brasil.

rn

De fato, ainda há, embora em escala reduzida, emissão de poluentes na atividade das termoelétricas a carvão. Entretanto, levantamos a questão: em vez de desconsiderar o carvão mineral como alternativa, não seria mais coerente, levando em conta os problemas energéticos, investir em tecnologias e pesquisas para tornar esta fonte energética cada vez mais sustentável?

rn

Países como a Alemanha e os Estados Unidos, em que o carvão ocupa mais de 40% da geração de energia, já possuem tecnologias avançadas no controle de emissão de gases das usinas térmicas.

rn

Além disso, devemos lembrar que no Brasil a pecuária e o setor de transportes emitem bem mais CO2 do que o setor energético, e nem por isso deixamos de comer carne e usar nossos veículos. O importante não é deixar de utilizar os recursos, mas usá-los com responsabilidade.

rn

O Rio Grande do Sul, que depende de mais de 60% do fornecimento de energia de outros Estados, disponibiliza 90% das reservas de carvão identificadas do Brasil. Por que então temos que continuar importando gás, importando energia e deixando esta riqueza enterrada? Uma riqueza que, além de energia, geraria empregos e renda para os gaúchos.

rn

 

rn

 

rn

 

Fonte: Zero Hora

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Desenvolvimento de Normas Internacionais da ISO em debate

12 de novembro de 2018

Produtores, consumidores, clientes e prestadores de serviços relacionados ao Setor Mineral Brasileiro reuniram esforços para desenvolver e atualizar normas técnicas…

LEIA MAIS

Nota Técnica do Ministério do Trabalho esclarece o uso de “Robôs Colaborativos” frente à NR 12

3 de dezembro de 2018

A Nota Técnica nº 31/2018/CGNORDSST/SIT/MTb, expedida pelo Ministério do Trabalho, esclarece o uso de “Robôs Colaborativos” e de robôs tradicionais…

LEIA MAIS

Serabi aumenta reservas de ouro em 31%

12 de dezembro de 2017

A Serabi Gold disse ontem (11) que a nova estimativa de reservas minerais provadas e prováveis para as minas de…

LEIA MAIS