NOTÍCIAS

Austrália busca aproximação com América Latina

28 de maio de 2012

 rnEm meio a um ambiente econômico internacional difícil, exportações sob ameaça da desaceleração chinesa e das fortes mudanças climáticas que agridem a produção industr

 

rn

Em meio a um ambiente econômico internacional difícil, exportações sob ameaça da desaceleração chinesa e das fortes mudanças climáticas que agridem a produção industrial e agrícola, a Austrália busca diversificar suas relações comerciais. Com forte dependência do comércio com a Ásia, o país agora se volta para o vizinho mais distante: a América Latina.

rn

“Agora é o momento para a aproximação dos países latinos e a mineração é a nossa porta de entrada”, afirmou o ministro das Relações Exteriores da Austrália, Bob Carr, presente em conferência sobre as relações com a América Latina, em Sydney. “A Austrália enfrenta desafios e só podemos ultrapassá-los com multilateralismo”, completou, citando as fortes enchentes que assolaram a costa do país no ano passado.

rn

Para o ministro, uma aproximação da América Latina via a indústria de mineração permitiria uma maior diversificação das relações bilaterais do país, diminuindo os riscos e as consequências da crise internacional. As oportunidades de investimentos em países cujo setor de mineração está menos consolidado do que o australiano, também é um fator de atração da indústria.

rn

Hoje, apenas países asiáticos figuram entre os dez maiores parceiros comerciais da Austrália, com exceção dos EUA e do Reino Unido. A China, sozinha, representa 22,6% das exportações de bens e serviços do país que, em 2010, somaram US$ 284,6 bilhões, alta de 13% ante 2009. Juntos, China, Japão e Coreia – os três maiores destinos das exportações australianas – representam quase 50% das vendas do país. Para a América Latina, por sua vez, a Austrália exporta apenas cerca de US$ 3 bilhões em mercadorias por ano.

rn

A indústria mineradora é o que traz impulso às relações exteriores da Austrália. Com a liderança global na produção dos segmentos de bauxita e alumina, e a subliderança em ouro, minério de ferro, zinco e estanho, a Austrália tem 47% de suas exportações vindas do setor de mineração e combustíveis. Segundo dados do Departamento de Relações Exteriores e Comércio da Austrália, o valor bruto de produção dessa indústria somou US$ 117 bilhões em 2010, o que o fez ser responsável por 7,4% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

rn

“Agora, a América Latina está mais aberta (comercialmente) e nós vivemos um boom de commodities. Temos capital e experiência para investir na região”, disse Carr. Dentre os países latinos, o Chile é o que tem maior aproximação comercial com a Austrália. Os países têm um acordo de comércio, estratégia que está sendo utilizada agora também com a Colômbia.

rn

Com o Brasil, no entanto, as relações ainda são distantes. A Austrália ocupa a 17ª posição entre os principais parceiros do Brasil no grupo dos países desenvolvidos, representando apenas 1,3% dos fluxos com o bloco no ano passado. De acordo com dados do Ministério de Relações Exteriores do Brasil, o intercâmbio comercial entre os dois países totalizou US$ 2,8 bilhões em 2011. Enquanto as exportações do Brasil para o país somaram US$ 800 milhões – com foco nos minérios e concentrados e aviões, as importações ficaram em US$ 1,9 bilhão, sendo que os principais produtos adquiridos do mercado australiano foram os combustíveis minerais (hulha/carvão e petróleo).

rn

A regulação complexa, dificuldades com a infraestrutura e a falta de segurança foram citados pelos executivos durante a conferência como algumas barreiras que limitam os investimentos australianos e o comércio com o país. “É um desafio para os Australianos entender o Brasil, suas regulações, cultura de negócios”, disse o embaixador da Austrália no Brasil, Brett Hackett. Segundo ele, por outro lado, o país tem se destacado do restante da América Latina, principalmente pelo tamanho de seu mercado e pelas oportunidades que apresenta na área mineral. “Ter sucesso no Brasil é um desafio. O país atrai muitas empresas, de muitos países, e os australianos têm de saber como chamar a atenção”, completou. Segundo ele, hoje, há 35 companhias australianas que atuam no país na indústria de mineração.

rn

 

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Fabio Schvartsman participa de evento corporativo em São Paulo

16 de abril de 2018

O diretor-presidente da Vale, Fabio Schvartsman, participou, no dia 10 de abril, do Itaú Macro Vision, evento voltado para o…

LEIA MAIS

Inscrições abertas para submissão de trabalhos na Minexcellence 2019

10 de setembro de 2018

O 4º Seminário Internacional de Excelência Operacional em Mineração (Minexcellence 2019) será realizado em Santiago, no Chile, entre os dias…

LEIA MAIS

CBMINA: submissão de trabalhos pode ser feita até 13 de abril

5 de abril de 2018

Para reforçar a importância de mão de obra qualificada e garantir o crescimento responsável da atividade minerária no País, o…

LEIA MAIS