NOTÍCIAS

Austrália diminui número de firmas que pagarão taxa de carbono

18 de junho de 2012

rnA Austrália cortou quase pela metade a quantidade de empresas que precisarão pagar uma controversa taxa carbono, mostrou uma lista do governo lançada nesta sexta-feira (15), o que pode limitar o impacto econômico e pol&ia

rn

A Austrália cortou quase pela metade a quantidade de empresas que precisarão pagar uma controversa taxa carbono, mostrou uma lista do governo lançada nesta sexta-feira (15), o que pode limitar o impacto econômico e político da taxa, que começa em 1º de julho.

rn

 

rn

O Regulador de Energia Limpa da Austrália nomeou 294 firmas para a taxa de carbono de A$23/tonelada (US$ 22,96), com os produtores de eletricidade, fabricantes de aço e companhias de mineração entre os maiores emissores. A lista foi baseada na geração de emissões.

rn

 

rn

A lista é bem menor do que a estimativa inicial do governo de que cerca de 500 companhias seriam forçadas a pagar o preço do carbono para poluir, esquema criado para cortar as emissões de carbono australianas em 5% até 2020 em relação aos níveis de 2000.

rn

 

rn

“É um número pequeno de entidades dentro de nossa economia que terá a responsabilidade do preço do carbono”, falou o ministro de Mudanças Climáticas, Greg Combet, a repórteres.

rn

 

rn

Sob o plano, o preço do carbono será estabelecido em A$23/tonelada por três anos, antes de se transformar em um esquema de comércio integral, com um preço variável, a partir de julho de 2015.

rn

 

rn

O governo já começou a implantar um programa de desconto de bilhões de dólares para residências para compensar o impacto inflacionário modesto de 0,7% do esquema, com os preços da eletricidade devendo ser os mais afetados.

rn

 

rn

Uma pesquisa do respeitado Instituto Lowy revelou que 63% dos eleitores se opõem ao preço do carbono, enquanto 57% apoiam a promessa do líder da oposição, Tony Abbott, de abandonar o esquema se Abbott ganhar a próxima eleição, prevista para o final de 2013.

rn

 

rn

A primeira-ministra, Julia Gillard, espera uma mudança na reação dos eleitores para neutralizar o persistente ataque da oposição sobre os preços mais altos, perda de empregos e fechamentos de fábricas.

rn

 

rn

Para amortecer o impacto econômico, o governo oferecerá uma compensação generosa às grandes indústrias poluidoras e oferecerá permissões grátis para as maiores indústrias de exportação expostas ao esquema.

rn

 

rn

A Austrália, a maior nação exportadora de carvão do mundo, é uma das maiores emissoras de carbono per capita do mundo devido à grande dependência do carvão para a geração de 85% da eletricidade, embora o país seja responsável por apenas 1,5% das emissões globais.

rn

rn

 

Fonte: Carbono Brasil

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Apesar de queda da cotação do ferro, receita do Brasil deve ser estável

27 de novembro de 2018

Cotação internacional do minério de ferro recuou de mais de 8% A cotação da tonelada de minério de ferro caiu…

LEIA MAIS

ArcelorMittal Tubarão lança projeto para dessalinizar água do mar

21 de janeiro de 2019

O projeto demandará investimentos em torno de R$ 50 milhões, gerará cerca de 220 vagas de emprego (no pico da…

LEIA MAIS

Programação da EXPOSIBRAM 2019 é construída de forma colaborativa

12 de novembro de 2018

Em pesquisa realizada pela internet, interessados em participar da próxima edição da Expo & Congresso Brasileiro de Mineração indicaram os…

LEIA MAIS