NOTÍCIAS

BMC-Hyundai mostra como fazer gestão eficiente dos custos da máquina

11 de maio de 2017

A fabricante desenvolve um sistema para ajudar os clientes na gestão dos custos de operação e de propriedade da frota, analisando seu impacto sobre o negóciorn

Para proporcionar maior retorno aos clientes sobre os investimentos realizados em suas respectivas frotas, a BMC-Hyundai está desenvolvendo um sistema voltado ao acompanhamento dos custos de propriedade e de operação dos equipamentos. “Se analisamos as máquinas em função da relação custo benefício que elas proporcionam à operação, então precisamos acompanhar todo o seu ciclo de vida para um acompanhamento mais preciso, desde a seleção do modelo mais adequado até o ponto certo para sua substituição”, justifica Alcides Guimarães, consultor da BMC-Hyundai.
 
“Em geral, um equipamento da linha amarela, como uma  carregadeira ou escavadeira hidráulica, poderão ter seu período de substituição ajustado para o melhor custo beneficio, considerando horimetro, custo de manutenção, disponibilidade mecânica, valor de revenda e tempo de investimento.  Dessa forma e possível avaliar o melhor momento de troca dentro do negócio do cliente, respeitando suas atividades e necessidades de produção.
 
Este limite é definido em função das intervenções realizadas na máquina, já que até as duas mil horas, ela requer apenas manutenções preventivas. Ao atingir quatro mil horas, o equipamento já começa a demandar ações proativas e, com seis mil horas, geralmente precisa de alguma intervenção corretiva. Com 12 mil horas, as reformas mais pesadas já se tornam necessárias.
 
Guimarães ressalta que cada cliente adota uma filosofia ao analisar o retorno sobre os investimentos, mas que não custa fazer um acompanhamento criterioso para ver o impacto dos custos de operação da máquina sobre o negócio, pois redução de custo garante melhores margens de vendas. “Algumas empresas preferem trabalhar com o equipamento no limite de sua capacidade e outras optam por super dimensionar a frota para não submetê-la a esforços exagerados; tudo depende de um levantamento dos custos e de como ele interfere no resultado da operação.”
 
O especialista afirma que o desenvolvimento desse sistema reforça a vocação da BMC-Hyundai no suporte aos clientes. “Além de oferecermos um equipamento premium em termos de performance, somos o único player do mercado em que o dealer é sócio da fábrica no negócio; e isto se reflete na filosofia da empresa em termos de apoio aos clientes em pós-venda”, diz Guimarães.
 
O novo sistema da empresa, para acompanhamento dos custos de equipamentos, foi apresentado pelo especialista durante o Fórum InfaRoi de Concretagem Produtiva, que reuniu toda a cadeia do concreto para um debate sobre a maior eficiência nesse processo. Entretanto, Guimarães explica que o sistema pode ser aplicado não apenas na gestão da frota de concreteiras ou de produtores de agregados, mas também na de construtoras, locadoras e demais empresas que operam com equipamentos de escavação e movimentação de materiais. 
 
Assessoria
Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Projeto de terras-raras vai produzir 5 mil toneladas por ano em Goiás

13 de novembro de 2017

A Mineração Serra Verde (MSV) trabalha para produzir anualmente 5 mil toneladas de concentrado de terras-raras no projeto que possui…

LEIA MAIS

Royalty: mineradoras recolhem mais CFEM em 2018

5 de abril de 2018

A arrecadação da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), considerada o royalty da mineração, totalizou R$ 211 milhões no mês…

LEIA MAIS

Produção da Vale bate recorde no trimestre

20 de outubro de 2017

O complexo atingiu recorde trimestral de 45 Mt no terceiro trimestre, ao produzir 8,5% a mais do que no segundo trimestre.

LEIA MAIS