NOTÍCIAS

Brasil deve manter o crescimento do fluxo comercial, prevê OMC

13 de abril de 2012

rnProjeções de saldo comercial brasileiro vão de US$ 3 bilhões a US$ 10 bilhõesrn rn rnApesar do cenário negativo traçado pela Organização Mundial do Comércio (OMC) para

rn

Projeções de saldo comercial brasileiro vão de US$ 3 bilhões a US$ 10 bilhões

rn

 

rn

 

rn

Apesar do cenário negativo traçado pela Organização Mundial do Comércio (OMC) para as transações internacionais em 2012, o Brasil deve manter o crescimento do fluxo comercial (soma de importações e exportações) e também o superávit na balança comercial este ano. Em ambos os casos, porém, os avanços devem ser bem menores que em 2011.

rn

As projeções para o saldo da balança comercial, por exemplo, vão de US$ 3 bilhões, segundo a Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), até US$ 10 bilhões, nas contas Associação Brasileira das Empresas de Comércio Exterior (Abece) — ambas muito distantes do superávit de US$ 29,79 bilhões do ano passado.

rn

— Mantida a tendência do primeiro trimestre (as exportações brasileiras cresceram 5,8% sobre o ano passado), a corrente de comércio deve passar de US$ 500 bilhões, o que é muito positivo diante do cenário traçado pela OMC — diz Ramalho, presidente da Abece e ex-secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento.

rn

Como em 2011 a corrente de comércio somou US$ 480 bilhões, a Abece espera um avanço de 4,2% no fluxo comercial do país este ano. A crise que se arrasta na Europa deve afetar mais os exportadores brasileiros de commodities, do que que os de produtos industrializados.

rn

— O crescimento será mais modesto, sim, mas seria ruim se houvesse queda — diz.

rn

Elaboradas no fim de 2011, em meio às fortes quedas nos preços das commodities e ao enorme pessimismo que rondava a crise europeia, as projeções da AEB apontam para queda de 7% nas exportações e de 2,5% na corrente de comércio para 2012. Para a Abece, as exportações brasileiras devem ter expansão de 10% este ano, bem menor que os 26,8% de alta em 2011, enquanto as importações avançarão em ritmo semelhante.

rn

José Augusto Castro, presidente da AEB, observa que o cenário hoje está melhor. Os preços da soja, por exemplo, já subiram 25% em relação a dezembro, o que levou os produtores brasileiros antecipar as exportações. O minério de ferro também se recuperou e está num patamar bom. Por isso Castro vê o quadro apresentado pela OMC ontem como excessivamente pessimista.

rn

— Não vejo motivo para pessimismo tão grande, porque com tudo que está acontecendo o mundo continua crescendo — diz ele.

rn

A AEB só vai revisar suas projeções em julho, mas se fosse hoje o cenário o comércio exterior brasileiro seria melhor que as traçadas em dezembro, com um superávit de balança entre US$ 10 bilhões e US$ 15 bilhões.

rn

rn

 

Fonte: O Globo

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Desenvolvimento de Normas Internacionais da ISO em debate

12 de novembro de 2018

Produtores, consumidores, clientes e prestadores de serviços relacionados ao Setor Mineral Brasileiro reuniram esforços para desenvolver e atualizar normas técnicas…

LEIA MAIS

Belo Horizonte receberá seminário sobre Barragens de Rejeitos

22 de outubro de 2018

As barragens de rejeito estarão em foco na segunda edição do Seminário UK-Brazil Mining Forum. O evento será realizado em Belo…

LEIA MAIS

Centro de Operações Integradas completa um ano de funcionamento

24 de setembro de 2018

A integração da cadeia de valor de Ferrosos, por meio do Centro de Operações Integradas (COI), é uma realidade na…

LEIA MAIS