NOTÍCIAS

Ciclone se forma na Austrália e coloca portos de minério em alerta

9 de janeiro de 2013

rnO primeiro ciclone da temporada de tempestades da Autrália se formou no noroeste do país, mas não deve afetar as áreas costeiras pelo menos nas próximas 48 horas, afirmou o Escritório Australiano de Meteoro

rn

O primeiro ciclone da temporada de tempestades da Autrália se formou no noroeste do país, mas não deve afetar as áreas costeiras pelo menos nas próximas 48 horas, afirmou o Escritório Australiano de Meteorologia nesta quarta-feira.

rn

As águas quentes da costa australiana são propícias para o registro de ciclones entre dezembro e abril, que tendem a prejudicar a produção de minério de ferro e petróleo.

rn

O porto Hedland, na costa norte de Pilbara, atende a BHP Billiton, Fortescue e Atlas Iron no embarque de milhões de toneladas de minério por ano. Os portos de Dampier e Cape Lambert, próximos ao Hedland, atendem à Rio Tinto, que no ano passado escoou mais de 200 milhões de toneladas de minério.

rn

Representantes dos portos de Dampier e Port Hedland disseram que estão acompanhando o avanço do ciclone Narelle com atenção. O minério de ferro teve a última cotação a US$ 158,50 a tonelada, maior preço desde outubro de 2011, em parte devido às compras antes de qualquer atraso nos embarques da Austrália potencialmente provocado por ciclones.

rn

 

Fonte: Terra Notícias – Mundo

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Vale anuncia a venda dos seus ativos de nitrogenados e fosfatado em Cubatão à Yara

21 de novembro de 2017

A Vale informa que celebrou um acordo de compra de cotas com Yara International ASA, empresa listada na Bolsa de…

LEIA MAIS

Projeto de terras-raras vai produzir 5 mil toneladas por ano em Goiás

13 de novembro de 2017

A Mineração Serra Verde (MSV) trabalha para produzir anualmente 5 mil toneladas de concentrado de terras-raras no projeto que possui…

LEIA MAIS

Produção da Vale bate recorde no trimestre

20 de outubro de 2017

O complexo atingiu recorde trimestral de 45 Mt no terceiro trimestre, ao produzir 8,5% a mais do que no segundo trimestre.

LEIA MAIS