NOTÍCIAS

Com preços mais altos, Alcoa pode voltar a lucrar

8 de janeiro de 2013

rnA Alcoa inaugura hoje a temporada de balanços do quarto trimestre de 2012 possivelmente com a volta ao azul, depois do prejuízo no mesmo período do ano passado, graças à recuperação dos preços

rn

A Alcoa inaugura hoje a temporada de balanços do quarto trimestre de 2012 possivelmente com a volta ao azul, depois do prejuízo no mesmo período do ano passado, graças à recuperação dos preços do alumínio e a um eficiente programa de corte de custos.

rn

O consenso de mercado, compilado pela agência Dow Jones, estima ganhos de US$ 0,06 para a ação da fabricante americana de alumínio no quarto trimestre, ante as perdas de US$ 0,03 apuradas em igual período de 2011.

rn

A empresa é considerada um termômetro para a economia dos Estados Unidos, pois fornece matéria-prima para a fabricação de utensílios domésticos, automóveis, aviões e edifícios.

rn

A melhora dos preços do alumínio fez o Bank of America Merrill Lynch (BofA) e o Goldman Sachs trocarem a projeção de prejuízo de US$ 0,01 no trimestre por ganhos de US$ 0,03 e US$ 0,05, nesta ordem. Nos três meses anteriores, o movimento foi oposto, diante de um cenário de baixa demanda.

rn

O Goldman Sachs projeta que o segmento de produção de alumina e materiais primários se recupere em relação ao terceiro trimestre. Os elevados preços de venda tendem a superar a fraqueza das exportações que marca o período. Mas o segmento de produtos laminados e de engenharia, sazonalmente mais fraco, pode ofuscar a melhora.

rn

A expectativa é que a Alcoa encerre o ano com receita de US$ 23,39 bilhões e lucro por ação de 0,23, segundo o Goldman. O BofA projeta faturamento de US$ 23,46 bilhões e ganhos de US$ 0,22 por papel.

rn

O corte de custos e a demanda da China tendem a permear a expectativa de investidores para 2013. Apesar do recente fortalecimento do preço do alumínio, o excesso de oferta permanece uma preocupação, alertam os bancos.

rn

“Acreditamos que a Alcoa continuará a focar no corte de custos, no aumento de produtividade e no fortalecimento das operações do projeto Ma’aden, na Arábia Saudita”, afirmam os analistas Timna Tanners, Christopher Brown e Devin Corr, do BofA.

rn

Ma’aden, um empreendimento conjunto que deve ser o projeto de mais baixo custo para a produção de alumínio da empresa no mundo, prevê o início da produção de uma fundição e uma laminadora neste ano. Os investimentos aos poucos diminuirão, ao mesmo tempo em que a capacidade aumentará.

rn

Para o Goldman Sachs, a perspectiva de melhora da demanda na China e do mercado de commodities não justificam o a compra da ação no curto prazo. “Mesmo com altos níveis de consumo, a China somente poderia consumir 80% de sua capacidade, o menor patamar dos minérios de base. Além disso, os prêmios [do alumínio no mercado à vista] podem desaparecer rapidamente com a inflação e o aumento das taxas de juros”, afirmam os analistas Sal Tharani, Chelsea Bolton e David Wang, em relatório.

rn

O banco projeta crescimento de 11% no consumo de alumínio no país em 2013, ante a estimativa de alta de 8% em 2012. Para os analistas, é necessária a redução da capacidade em, ao menos, mais 10% fora da China, para equilibrar o mercado fora do país. Assim, as compras estratégicas de Pequim tendem a surtir pouco efeito sobre os fundamentos do setor.

rn

As duas instituições de análise adotam recomendação “neutra” para a Alcoa. O Goldman tem preço-alvo de US$ 9, o que implica em uma desvalorização de 2,8% ante o fechamento do pregão de sexta-feira. O BofA estima o valor da ação em US$ 10, com expectativa de alta de 8%.

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Fabio Schvartsman participa de evento corporativo em São Paulo

16 de abril de 2018

O diretor-presidente da Vale, Fabio Schvartsman, participou, no dia 10 de abril, do Itaú Macro Vision, evento voltado para o…

LEIA MAIS

Produção da Vale bate recorde no trimestre

20 de outubro de 2017

O complexo atingiu recorde trimestral de 45 Mt no terceiro trimestre, ao produzir 8,5% a mais do que no segundo trimestre.

LEIA MAIS

Minério mantém alta

5 de dezembro de 2017

Em sua quinta alta consecutiva, o minério de ferro atingiu o maior valor desde 14 de setembro no mercado à…

LEIA MAIS