NOTÍCIAS

Contrato com a Vale vai tirar Hidrovias do Brasil do papel

18 de julho de 2012

rnAté agora uma companhia em estágio pré-operacional, a Hidrovias do Brasil conquistou neste mês seu primeiro cliente e, com isso, entra definitivamente na disputa pelo mercado de operação logística. Cr

rn

Até agora uma companhia em estágio pré-operacional, a Hidrovias do Brasil conquistou neste mês seu primeiro cliente e, com isso, entra definitivamente na disputa pelo mercado de operação logística. Criada pela P2 Brasil, joint venture entre Pátria Investimentos e grupo Promon, a companhia agora tem o desafio de atrair mais interessados ao transporte aquaviário – hoje responsável por apenas 11% da movimentação de cargas no país.

rn

O contrato firmado com a Vale tem duração de 25 anos e prevê o transporte de 3,25 milhões de toneladas de minério anualmente. A carga é proveniente das operações da mineradora em Corumbá, no Mato Grosso do Sul. A Hidrovias se comprometeu com investimentos de US$ 400 milhões para atender a Vale, em regime de take or pay – modalidade de contrato em que o cliente é obrigado a pagar uma certa penalidade caso não use os serviços solicitados.

rn

O contrato firmado prevê construção e operação de barcaças e empurradores por parte da Hidrovias. Os comboios, que medem 285 metros de comprimento e 60 metros de largura (equivalentes a dois campos de futebol), navegarão por cerca de 2 mil quilômetros pela hidrovia Paraná-Paraguai (de Corumbá até a Bacia do Prata), atravessando quatro países: Brasil, Paraguai, Argentina e Uruguai.

rn

Antes de firmar o contrato, a Hidrovias ainda assinou um acordo para compra da uruguaia Limday, de transporte fluvial de celulose. Firmado em março, o acordo prevê pagamento de US$ 6,25 milhões.

rn

As novas operações da Hidrovias foram precedidas pela entrada de dois novos sócios: em fevereiro, a companhia firmou acordos que preveem aportes da canadense Alberta Investment Management Corporation (AIMCo) e da Temasek Holdings, de Cingapura. Cada uma (AIMCo e Temasek) terá, ao fim do aporte, 22,73% da Hidrovias – de acordo com relatório da Secretaria de Direito Econômico disponível na internet. O aporte dos novos sócios e do controlador chegará a US$ 220 milhões em três anos.

rn

Embora não tenha passado por uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), a Hidrovias é uma sociedade com registro de companhia aberta, constituída em agosto de 2010.

rn

Atualmente, a Hidrovias é controlada pela P2 Brasil, que tem 67,54% do capital total. Temasek e AIMCo têm 16,23% cada uma.

rn

Sua controladora, a P2 Brasil, é um fundo de private equity criado em 2008 e cujo capital é detido por Promon, com 40%, e Pátria, com 60%. No último ano, o fundo concluiu suas captações no mercado, que totalizaram US$ 1,15 bilhão. Com esse montante, os executivos da companhia dizem ser possível alavancar aportes de US$ 4 bilhões a US$ 5 bilhões no país em projetos nos próximos anos. O fundo atuará em logística e transporte, óleo e gás e saneamento.

rn

A Hidrovias do Brasil foi a segunda empresa a receber investimentos da P2 Brasil. A primeira foi a NovaAgri (que teve 97% das ações compradas pelo fundo), especializada em logística de commodities agrícolas.

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Vale cria Diretoria de Investimento Social

10 de dezembro de 2018

Hugo Barreto, ex-secretário-geral da Fundação Roberto Marinho, será o responsável pelos projetos sócio-culturais da empresa e pela Fundação Vale A…

LEIA MAIS

Abertas inscrições do Programa Aprendiz da AngloGold Ashanti em Nova Lima (MG)

8 de agosto de 2019

São 60 vagas, das quais 20 exclusivas para pessoas com deficiência (PCD). Os cursos disponíveis são de operador de mina…

LEIA MAIS

III Semana de Engenharia de Minas da Universidade Federal da Bahia ocorre em novembro

29 de outubro de 2018

A Universidade Federal da Bahia (UFBA) promove em novembro, entre os dias 12 a 14, a III Semana de Engenharia de Minas…

LEIA MAIS