NOTÍCIAS

Depósito de cobre no Congo se torna 5º maior do mundo

22 de maio de 2017

O recurso indicado no depósito Kakula cresceu 75%, para 116 milhões de toneladas (Mt), com 6,09% de cobre, e mais 12 Mt adicionais com 4,45% de cobre na categoria de recurso inferido

Fundador da mineradora canadense Ivanhoe Mines, Robert Friedland, descreve o depósito Kakula, no Congo, como a “descoberta do século”.
 
Considerando um teor de corte de 3% de cobre, o recurso indicado no depósito Kakula cresceu 75%, para 116 milhões de toneladas (Mt), com 6,09% de cobre, e mais 12 Mt adicionais com 4,45% de cobre na categoria de recurso inferido.
 
Descoberto em janeiro do ano passado, o depósito agora é estimado para conter 15,6 bilhões de libras-peso de cobre nos recursos indicados, mais 1,1 bilhões de libras de recursos inferidos. Usando um teor de corte de 1%, o depósito contém quase 28 bilhões de libras de cobre.
 
O recurso atualizado cobre uma camada mineralizada com 7,7 km de extensão, o que pode chegar a 12 km, uma vez que a mineralização permanece aberta em várias direções.
 
"Com 12 plataformas atualmente sondando em Kakula e Kakula West e outras duas plataformas prestes a começar a testar novos alvos importantes na área de licença, Kakula é uma descoberta que conquistou a atenção do mundo mineiro", disse Friedland.
 
"Para manter o processo de planejamento de minas avançando, precisamos fornecer aos engenheiros de minas o número de recursos atualizados para uma versão expandida da avaliação econômica preliminar que será emitida no terceiro trimestre", diz o executivo.
 
O novo recurso eleva o total global para o projeto Kamoa-Kakula, na República Democrática do Congo (RDC), para cerca de 1 bilhão de toneladas, com 3,02% de cobre no indicado e 191 Mt com 2,37% de cobre inferido, usando um corte de 1,4%. Kamoa-Kakula é uma joint venture entre a Ivanhoe e a Zijin Mining da China.
 
O CEO Lars-Eric Johansson, da Ivanhoe, afirma que os teores em Kakula são muito maiores do que em Kamoa, descoberto em 2009. "Estamos altamente confiantes de que o rápido desenvolvimento de minas em Kakula terá um impacto profundo e positivo na economicidade do projeto global Kamoa-Kakula", disse ele.
 
"Kakula sozinho já tem recursos suficientes, classificando 6% de cobre ou mais, para manter cerca de 20 anos de mineração a uma taxa de 6 milhões de toneladas por ano. Também estamos confiantes de que Kakula West tem potencial semelhante", declarou o CEO.
 
A empresa agora está planejando sondagens iniciais no depósito Kakula West, a 3 quilômetros de Kakula. O furo de descoberta de Kakula West, divulgado em março, mostrou 5,83% de cobre sobre 8,86 metros em um corte de 2,5%, incluindo 6,14 metros com 6,84% de cobre.
 
A Ivanhoe diz que quase metade da área do projeto Kamoa-Kakula, de 400 quilômetros quadrados, de ainda não foi testada, mas os geólogos identificaram pelo menos nove alvos de alta prioridade para perfuração este ano. "Existe potencial para encontrar outro Kakula. Ou talvez algo ainda melhor", disse Friedland.
 
Citando números da consultoria Wood Mackenzie, Ivanhoe afirma que Kamoa-Kakula é agora o quinto maior depósito de cobre do mundo depois de Escondida, Olympic Dam, Collahuasi e Grasberg. É o maior depósito de alto teor do mundo e ultrapassou Pebble, no Alasca, para ser o maior depósito de cobre não desenvolvido do mundo.
 
Notícias de Mineração Brasil
Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Royalty: mineradoras recolhem mais CFEM em 2018

5 de abril de 2018

A arrecadação da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), considerada o royalty da mineração, totalizou R$ 211 milhões no mês…

LEIA MAIS

Alcoa comemora 9 anos ajudando a transformar a vida das pessoas em Juruti

24 de setembro de 2018

Desde a chegada em Juruti, a empresa já investiu mais de R$ 9,5 milhões em iniciativas voluntárias em comunidades e…

LEIA MAIS

LITOTECA DA CBPM É REABERTA

5 de outubro de 2015

Os interessados em fazer consultas em amostras de testemunhos de sondagem de projetos pesquisados pela Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM) já podem programar visitas à Litoteca da empresa.

LEIA MAIS