NOTÍCIAS

DESTAQUE: Mineradoras criticam código do setor

19 de fevereiro de 2010

rnMinistro Lobão sugere que houve acordo, mas empresas dizem que há pontos ‘extremamente preocupantes’rn rnAntes mesmo de ser anunciado oficialmente, o novo Código de Mineração colocou as empresas d

rn

Ministro Lobão sugere que houve acordo, mas empresas dizem que há pontos ‘extremamente preocupantes’

rn

 

rn

Antes mesmo de ser anunciado oficialmente, o novo Código de Mineração colocou as empresas do setor em rota de colisão com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. Nas últimas semanas, o ministério divulgou partes do projeto, sugerindo que já havia sido fechado um acordo com os empresários, o que permitiu que a minuta do texto seja enviada ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na semana passada, porém, o presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Paulo Camillo Penna, enviou uma carta ao ministro demonstrando surpresa e alertando que o setor não considerava o assunto esgotado.

“De maneira alguma, de nossa parte o assunto pode ser considerado como encerrado”, diz a carta, que aponta a existência de pendências no projeto. “Cremos ser nosso dever alertar quanto a vários pontos da proposta, como a conhecemos até agora, que são extremamente preocupantes e merecedores de exame mais acurado.” Um dos pontos é a futura relação entre a mineração e o meio ambiente, um dos pontos mais sensíveis da proposta. Para tapar essa brecha, em janeiro foi criado um grupo entre o Ministério de Minas e Energia (MME) e o setor produtivo para aprofundar a questão. O grupo ainda não se reuniu.

Sem incluir a polêmica proposta de aumentos de royalties para o setor mineral (de 2% sobre o faturamento líquido das mineradoras para até 4% do faturamento bruto), o novo marco regulatório do setor modifica as regras para produzir minério no Brasil. O modelo vai investir contra “procedimentos especulativos de direitos minerários, por meio de controles mais efetivos de fiscalização”, de acordo com nota técnica do MME.

rn

Ministro quer criar agência reguladora para o setor Entre as novidades está o prazo do contrato de concessão de 35 anos, prorrogáveis por mais 35 anos. A lei atual não estabelece qualquer período de vigência.

A exploração da lavra será regida por um contrato de concessão, o que hoje não ocorre.

A cessão e transferência de títulos minerários só pode ser feita com prévia autorização do governo. Pelas regras em vigor, essa permissão pode ser obtida depois de fechado o negócio.

Em áreas consideradas estratégicas, as regras de outorga serão modificadas. Nelas, o acesso à pesquisa ou lavra se dará somente por licitação pública.

Segundo Lobão, o texto está praticamente concluído.

— A grande novidade é acabar com a farra de pessoas, que ficam especulando. Vendem esses alvarás a preço de ouro para outros interessados.

O presidente receberá (o texto) logo depois do carnaval — afirmou ao GLOBO.

O ministro também quer fechar, até abril, a proposta de criação da agência reguladora do setor mineral. Só assim haverá tempo para incluir a previsão de verbas para seu funcionamento na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2011. Lobão negocia detalhes burocráticos sobre criação de cargos com o Ministério do Planejamento, a tempo de incluir a proposta como anexo do projeto de lei.

— Estou pedindo urgência da parte deles. Será uma agência enxuta, com cerca de cem pessoas, por aí — disse ele.

Em relação à cobrança de royalties, o ministro não admite ter desistido de sua proposta de elevá-los dos atuais 2%. Mas deixa claro que a discussão está emperrada com a Fazenda, que precisará concordar em reduzir a atual tributação do setor, para compensar o aumento das participações governamentais. Lobão lembra que os estados e os municípios se queixam de receberem pouco em royalties.

rn

 

Fonte: O GLOBO

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Produção da Vale bate recorde no trimestre

20 de outubro de 2017

O complexo atingiu recorde trimestral de 45 Mt no terceiro trimestre, ao produzir 8,5% a mais do que no segundo trimestre.

LEIA MAIS

Produção de minério de ferro da BHP cai 4% no trimestre

20 de outubro de 2017

Os números levam em consideração o minério de ferro produzido pela BHP e em parcerias em joint ventures

LEIA MAIS

Projeto de terras-raras vai produzir 5 mil toneladas por ano em Goiás

13 de novembro de 2017

A Mineração Serra Verde (MSV) trabalha para produzir anualmente 5 mil toneladas de concentrado de terras-raras no projeto que possui…

LEIA MAIS