NOTÍCIAS

Deutsche Bank elege Gerdau como a melhor relação risco-retorno do setor

19 de fevereiro de 2013

rnRessaltando temas tidos como importantes para o setor de mineração e siderurgia no Brasil em 2013, o Deutsche Bank destacou as ações de companhias do segmento que devem apresentar melhor desempenho e aquelas que n&atilde

rn

Ressaltando temas tidos como importantes para o setor de mineração e siderurgia no Brasil em 2013, o Deutsche Bank destacou as ações de companhias do segmento que devem apresentar melhor desempenho e aquelas que não apresentam tanta atratividade.

Os analistas Rodrigo Barros e Leandro Cappa elegeram as ações da Gerdau (GGBR4) como a de melhor relação entre risco e retorno, considerando as teses da Vale (VALE3;VALE5) e da Usiminas (USIM5) também interessantes. Neste cenário, as expectativas se apresentam menos favoráveis para a CSN (CSNA3), uma vez que a companhia pode seguir uma abordagem um pouco menos disciplinada para a alocação de capital. 

Por outro lado, a produção de minério de ferro da CSN pode decepcionar os investidores nos primeiros três meses de 2013, acreditam Barros e Cappa, enquanto tanto a Usiminas como a Gerdau devem ter melhoras de suas receitas durante todo o ano.

rn

Tese da Vale e da Usiminas também é interessante, apontam analistas (Agência Vale)
No caso da Vale, por sua vez, os analistas avaliam que “a nova gestão está realizando um ótimo trabalho ao melhorar os resultados e a alocação de capital”. No entanto, apontam, alguns investidores podem preferir ficar à margem da companhia até que a proposta do novo código de mineração seja publicado.

Questões importantes para o ano
O novo código do setor é um dos temas importantes dos analistas, com a possibilidade de que ele seja publicado em meados do ano. Aliás, na última sexta-feira a Carta Capital publicou que o governo irá editar uma Medida Provisória até março estabelecendo as novas regras do setor.
A maior preocupação é o chamado imposto de participação especial, além do aumento da alíquota de royalties dos minérios. A realização de leilões para outorga de áreas de mineração e a criação de uma nova agência para regular o setor também são temas a serem debatidos. 
Contudo, embora os investidores estejam preocupados com a possibilidade da nova alíquota ser imposta a novas minas, muitos relatórios sugerem que o novo código só deve ser válido para novas concessões. 

O segundo tema bastante importante é o volume de negócios de ativos. A maioria das empresas deve aumentar seus esforços para obter maiores receitas de ativos já existentes, em vez de realizar novos investimentos em capital.

Os analistas avaliam que a Usiminas pode se beneficiar com o uso da rede de distribuição da Ternium na América Latina. Já a Gerdau deve melhorar seus resultados a partir do segundo trimestre, transformando semilaminados em chapas laminadas para serem vendidas no mercado interno.

O terceiro e último tema importante é a expectativa por novas parcerias no setor. “Acreditamos que, com a necessidade de manter índices de alavancagem sob controle, combinado com uma perspectiva de crescimento mais moderado para a economia mundial, é provável que algumas empresas desenvolvam parcerias para atuar no mercado”, avaliam. 

Dentre elas, está a expectativa de que a Usiminas encontre uma parceira para a segunda fase do seu projeto de minério de ferro e que a MMX Mineração (MMXM3) possa se tornar uma parceira de empresas de mineração júnior, de modo a reduzir a percepção de risco para a empresa e melhorar seus resultados financeiros.

rn

 

rn

 

rn

 

Fonte: InfoMoney

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Fabio Schvartsman participa de evento corporativo em São Paulo

16 de abril de 2018

O diretor-presidente da Vale, Fabio Schvartsman, participou, no dia 10 de abril, do Itaú Macro Vision, evento voltado para o…

LEIA MAIS

Samarco: os três anos do rompimento de Fundão

5 de novembro de 2018

O rompimento da barragem de Fundão completa 3 anos. Uma realidade que faz parte da jornada da Samarco. O dia…

LEIA MAIS

Centro de Operações Integradas completa um ano de funcionamento

24 de setembro de 2018

A integração da cadeia de valor de Ferrosos, por meio do Centro de Operações Integradas (COI), é uma realidade na…

LEIA MAIS