NOTÍCIAS

DIRETOR DO BANCO MUNDIAL AFIRMA QUE TAXA MINERAL É TENDÊNCIA ENTRE OS PAÍSES

5 de abril de 2012

rnFuturas parcerias entre o governo do Pará e o Banco Mundial, visando a criação de cursos e programas de formação, investimentos no setor mineral e de produção de energia, além da iniciati

rn

Futuras parcerias entre o governo do Pará e o Banco Mundial, visando a criação de cursos e programas de formação, investimentos no setor mineral e de produção de energia, além da iniciativa da taxa da mineração instituída pelo Executivo, que já entrou em vigor, foram assuntos abordados na reunião entre o governador do Estado em exercício, Helenilson Pontes, e Paulo de Sá, diretor de Petróleo, Gás e Minérios do Banco Mundial, na manhã desta quinta-feira (5), no Centro Integrado de Governo (CIG).

rn

Paulo de Sá está em Belém, acompanhado de sua equipe, para estudar o potencial econômico do Estado. Sobre a iniciativa do Executivo em taxar a extração do minério, Paulo de Sá afirmou que está é uma tendência mundial. “Há um movimento mundial para aumentar a carga fiscal do sistema mineral, porque a maior parte dos regimes fiscais não estava preparada para captar esses lucros extraordinários que foram gerados pelo grande aumento dos preços das commodities. Este movimento é generalizado em todos os grandes países, para ter uma maior partilha das receitas fiscais entre a Federação e os Estados”, frisou.

rn

Sobre as possíveis parcerias entre o governo do Estado e o Banco Mundial em projetos e programas de formação, Paulo de Sá afirmou que o Pará é um dos focos de estudo da instituição internacional, devido ao grande potencial mineral.

rn

“O Pará é uma grande potência mineral, sem dúvida. O desafio é fazer com que a população se beneficie deste desenvolvimento mineral”, afirmou o diretor, destacando ainda que “temos apoio em  quase  50  países  do  mundo,  e  será  um  grande  prazer  também  estabelecer  uma  parceria duradoura com o Estado do Pará”.

rn

Formação

rn

Para Helenilson Pontes, o Pará está no caminho certo para futuros investimentos e parcerias com  o  Banco  Mundial.  “Estamos interessados numa  parceria  com  o  Banco  para  desenvolver e reforçar políticas públicas que possam beneficiar a sociedade local. Nesta audiência, fizemos um convite ao Banco para, em parceria com o governo, elaborar um programa de formação para discussão da mineração e energia no Estado”, informou o governador em exercício.

rn

Também participaram da audiência os secretários Especial de Desenvolvimento Econômico e Incentivo à Produção,Sidney Rosa; de Estado de Indústria, Comércio e Mineração, Davi Leal; a secretária adjunta de Indústria, Comércio e Mineração, Maria Amélia Enríquez; o reitor da Universidade Federal do Pará, Carlos Maneschy, e Gonzalo Enriquez, assessor da Secretaria Especial de Desenvolvimento Econômico e Incentivo à Produção (Sedip).

rn

 

Fonte: Agência Pará de Notícias

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



NLMK participa da M&T Expo 2018

29 de outubro de 2018

A siderúrgica NLMK vai participar da edição de 2018 da MT&Expo, Feira Internacional de Equipamentos para Mineração e Construção, que…

LEIA MAIS

IBRAM promove em agosto a 9ªedição do CBMINA

28 de fevereiro de 2018

As inscrições para submissão de trabalhos podem ser feitas até o dia 13 de abril O Instituto Brasileiro de Mineração…

LEIA MAIS

Belo Horizonte é o terceiro mercado de coworking no Brasil

27 de novembro de 2018

Maior empresa do setor no mundo lança espaço de seis andares na cidade Terceiro maior mercado de coworkings do Brasil…

LEIA MAIS