NOTÍCIAS

Economia mundial melhora e Brasil estabiliza, diz OCDE

15 de janeiro de 2013

rnEstados Unidos e Reino Unido estão à frente, mas na Zona do Euro também há sinais de que o pior já passournHá alguns meses, poucos analistas diriam que grandes economias ainda emfase de recuperaç&ati

rn

Estados Unidos e Reino Unido estão à frente, mas na Zona do Euro também há sinais de que o pior já passou

rn

Há alguns meses, poucos analistas diriam que grandes economias ainda emfase de recuperação pós-crise começariam 2013 com perspectivas mais otimistas do que a brasileira para seus dados de crescimento neste ano. Pois uma pesquisa mensal da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgado ontem aponta que o cenário econômico global tem expectativas positivas para o período graças à melhora no desempenho dos Estados Unidos e do Reino Unido.

rn

Para o Brasil, a entidade sinaliza que há o início de um processo de estabilização em curso. O Indicador Composto Avançado (LCI, da sigla em inglês) da OCDE mostra que o desempenho brasileiro em novembro só não foi pior que os do Canadá, do Japão e da Rússia, entre os países avaliados.

rn

Mas, se a perspectiva externa se confirmar, mesmo que o desempenho do Brasil não surpreenda, há estimativa de aquecimento no comércio global e consequentemente, de recuperação do comércio exterior brasileiro. “Essa expectativa de melhora para o cenário externo tem um efeito importante para a balança comercial e também pode impulsionar os investimentos”, prevê Antônio Madeira, economista da LCA. Nos cálculos da consultoria, neste ano o investimento no Brasil deve ter alta de 9%, ante a queda estimada empouco mais de 4% para o resultado de 2012.

rn

Relatório global da consultoria PwC divulgado neste mês calcula que, em 2013, China, Índia e Brasil juntos irão movimentar cerca de US$ 1 trilhão, em termos nominais, na economia mundial.

rn

Se a estimativa for confirmada, irá significar uma reversão do cenário registrado em 2012. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), no ano passado o Brasil amargou queda de 34,8% no superávit da balança comercial, em relação ao desempenho de 2011. Na mesma comparação, houve retração de 5,3% das exportações e 1,4% das importações.

rn

E a perspectiva positiva para o cenário externo vai além de Estados Unidos e Reino Unido. Na análise da OCDE, o crescimento na Zona do Euro começou a se estabilizar. No geral, o indicador para os 33 países membros da OCDE (o Brasil não émembro) ficou estável em novembro sobre outubro em 100,2 pontos, levemente acima da média de longo prazo de 100. A leitura para os EUA subiu para 101,0 ante 100,8, enquanto para a Grã-Bretanha subiu para 100,7 ante 100,5, o que segundo a OCDE é umindicador de “aceleração do crescimento”.

rn

Em reforço à essa avaliação, o FED (Federal Reserve, Banco Central americano) confirmou ontem a continuidade de suas ações—especialmente o programa de compra de ativos — em prol da recuperação da economia e da retomada do emprego.

rn

Dados também divulgados ontem sobre a produção industrial na Zona do Euro confirmam a previsão otimista. O indicador apontou queda em novembro pelo terceiro mês consecutivo e contra expectativas de um aumento, mas reforçou a perspectiva de que o pior momento da recessão do bloco passou.

rn

Em novembro, o indicador da OCDE para o Brasil cresceu 0,01%, em relação a outubro, para 99,34 pontos. O desempenho ficou abaixo do registrado por outros países emergentes como China (0,21%) e Índia (0,14%). O ritmo brasileiro é pior até do que o das economias centrais. A Zona do Euro, por exemplo, registrou expansão de 0,06% em novembro, tendo alta de 0,07% na Alemanha e 0,09% na Itália.

rn

O LCI é calculado mensalmente para tentar antecipar o comportamento dos ciclos econômicos dos países. O dado é ponderado com uma série de indicadores, como compras de empresas, estoques, confiança de empresários e consumidores e preço de ações, entre outros. Em geral, as perspectivas apresentadas pela pesquisa são confirmadas de seis a nove meses à frente.

rn

 

rn

 

rn

 

Fonte: Brasil Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Brasil inaugura 1º hub de inovação para a indústria mineral

21 de janeiro de 2019

Inovação na prática, ao vivo, voltada exclusivamente para a indústria da mineração. É o que os participantes do Hub da…

LEIA MAIS

Inscrições abertas para submissão de trabalhos na Minexcellence 2019

10 de setembro de 2018

O 4º Seminário Internacional de Excelência Operacional em Mineração (Minexcellence 2019) será realizado em Santiago, no Chile, entre os dias…

LEIA MAIS

Mining Hub recebe visita de produtores da indústria do açúcar

18 de fevereiro de 2020

O setor mineral brasileiro e suas inovações foram amplamente debatidos durante a manhã desta sexta-feira (14/2) no Mining Hub, único hub…

LEIA MAIS