NOTÍCIAS

Empresa (CSN) poderá transferir usina de aço para outra cidad

4 de maio de 2012

rnA CSN diz que poderá transferir a siderúrgica planejada para Congonhas para outro município se o projeto de lei que tomba a área desejada por ela for aprovado. Não há ainda, no entanto, um plano B desenhado

rn

A CSN diz que poderá transferir a siderúrgica planejada para Congonhas para outro município se o projeto de lei que tomba a área desejada por ela for aprovado. Não há ainda, no entanto, um plano B desenhado, diz a companhia.

rn

A intenção, reafirma a CSN, é investir em Congonhas. Mas acrescenta que se de fato o tombamento impedir que esse investimento aconteça, começará a pensar em outros municípios.

rn

Entre os executivos da empresa não há dúvidas de que os planos de expansão são um tema delicado em Congonhas e que deve causar ainda muita discussão na cidade. Por isso, a ideia é tentar ser transparente e esclarecer dúvidas nas audiências públicas, com autoridades e com a população.

rn

A CSN tem promovido encontros com grupos de moradores em diversos bairros de Congonhas para tirar dúvidas pontuais sobre o projeto de expansão.

rn

Juntamente com a Namisa, a CSN produz hoje 25 milhões de toneladas por ano de minério de ferro em Congonhas. E diz que, independentemente do tombamento, a ser decidido pelos vereadores, há investimentos em curso para ampliar a produção para 89 milhões nos próximos anos. O que o tombamento poderá afetar é a expansão maior da produção. É essa a limitação que ela tenta evitar.

rn

Não há uma definição por parte da CSN sobre quais impactos a ampliação da mineração poderia trazer à silhueta da Serra da Casa de Pedra. Hoje não existe um projeto, afirma a empresa. O que seus executivos querem garantir, neste momento, é que a área a ser protegida não afete a possibilidade de projetos futuros.

rn

Se o tombamento não comprometer a área que a CSN quer pesquisar, os estudos terão então de ser submetidos a todo um processo de licenciamento estadual, que poder levar anos.

rn

Quanto às nascentes localizadas na Serra da Casa de Pedra, a CSN diz que em nenhum projeto há previsão de impacto em mananciais. E acrescenta que se tiver algum problema em manancial decorrente de suas atividades, ela se compromete a repor a água em volume.

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Instagram reúne informações para estudantes e profissionais ligados à geologia

19 de setembro de 2018

Com mais de 26 mil seguidores, o perfil @igeologico apresenta, de forma leve e didática, informações sobre o setor mineral…

LEIA MAIS

Alubar prioriza fornecedores do Pará

10 de abril de 2018

Em 2017, a maior parte dos investimentos da Alubar com compras e serviços foi aplicada no Pará. A fábrica, líder…

LEIA MAIS

Exportação de pelotas aumenta 14,2% de janeiro a setembro

23 de novembro de 2017

Foram exportadas 22,5 milhões de toneladas de pelotas nos nove meses deste ano A exportação de pelotas, feita pela Vale,…

LEIA MAIS