NOTÍCIAS

Empresa (CSN) poderá transferir usina de aço para outra cidad

4 de maio de 2012

rnA CSN diz que poderá transferir a siderúrgica planejada para Congonhas para outro município se o projeto de lei que tomba a área desejada por ela for aprovado. Não há ainda, no entanto, um plano B desenhado

rn

A CSN diz que poderá transferir a siderúrgica planejada para Congonhas para outro município se o projeto de lei que tomba a área desejada por ela for aprovado. Não há ainda, no entanto, um plano B desenhado, diz a companhia.

rn

A intenção, reafirma a CSN, é investir em Congonhas. Mas acrescenta que se de fato o tombamento impedir que esse investimento aconteça, começará a pensar em outros municípios.

rn

Entre os executivos da empresa não há dúvidas de que os planos de expansão são um tema delicado em Congonhas e que deve causar ainda muita discussão na cidade. Por isso, a ideia é tentar ser transparente e esclarecer dúvidas nas audiências públicas, com autoridades e com a população.

rn

A CSN tem promovido encontros com grupos de moradores em diversos bairros de Congonhas para tirar dúvidas pontuais sobre o projeto de expansão.

rn

Juntamente com a Namisa, a CSN produz hoje 25 milhões de toneladas por ano de minério de ferro em Congonhas. E diz que, independentemente do tombamento, a ser decidido pelos vereadores, há investimentos em curso para ampliar a produção para 89 milhões nos próximos anos. O que o tombamento poderá afetar é a expansão maior da produção. É essa a limitação que ela tenta evitar.

rn

Não há uma definição por parte da CSN sobre quais impactos a ampliação da mineração poderia trazer à silhueta da Serra da Casa de Pedra. Hoje não existe um projeto, afirma a empresa. O que seus executivos querem garantir, neste momento, é que a área a ser protegida não afete a possibilidade de projetos futuros.

rn

Se o tombamento não comprometer a área que a CSN quer pesquisar, os estudos terão então de ser submetidos a todo um processo de licenciamento estadual, que poder levar anos.

rn

Quanto às nascentes localizadas na Serra da Casa de Pedra, a CSN diz que em nenhum projeto há previsão de impacto em mananciais. E acrescenta que se tiver algum problema em manancial decorrente de suas atividades, ela se compromete a repor a água em volume.

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



III Semana de Engenharia de Minas da Universidade Federal da Bahia ocorre em novembro

29 de outubro de 2018

A Universidade Federal da Bahia (UFBA) promove em novembro, entre os dias 12 a 14, a III Semana de Engenharia de Minas…

LEIA MAIS

Comitiva Brasileira marcará presença na edição de 2019 do PDAC

19 de setembro de 2018

Considerado um dos mais tradicionais eventos de mineração mundial, o Prospectors and Developers Association of Canada será realizado em Toronto…

LEIA MAIS

AngloGold Ashanti aprimora frota de subsolo

14 de janeiro de 2019

Dois novos jumbos, com investimento de R$ 10 milhões, foram adquiridos para operações de Minas Gerais Cerca de R$ 10…

LEIA MAIS