NOTÍCIAS

Empresas esperam por ferrovia e terminal portuário

14 de maio de 2012

rnA Bahia Mineração (Bamin), que prevê investimentos de US$ 2,5 bilhões no projeto Pedra de Ferro, demonstra contrariedade com os atrasos na construção do Porto Sul e da Ferrovia de Integração Oe

rn

A Bahia Mineração (Bamin), que prevê investimentos de US$ 2,5 bilhões no projeto Pedra de Ferro, demonstra contrariedade com os atrasos na construção do Porto Sul e da Ferrovia de Integração Oeste-Leste. “À medida que damos passos e o processo parece estar caminhando para a frente, surgem novas situações e temos a sensação de retrocedermos novamente”, diz o presidente da Bamin, José Francisco Viveiros. Ele dá um exemplo: depois de uma audiência pública com 15 horas de duração e quatro mil participantes, o Tribunal Regional Federal (TRF) determinou a realização de mais seis reuniões, acatando recurso do Ministério Público. “O nosso sentimento é de perplexidade”, reage Viveiros.

rn

A exploração da mina em Caetité, a 541 quilômetros de Ilhéus, tornará a Bahia o terceiro maior Estado produtor de minério de ferro do país. A produção deverá atingir 20 milhões de toneladas por ano. Mas, para isso, depende da implantação da ferrovia e do terminal de uso privativo (TUP) no futuro porto. A estimativa de investimento no terminal é de R$ 1 bilhão. Para a Bamin, o tempo de construção pode ser acelerado dos 48 meses previstos no estudo de impactos ambientais para cerca de 36 meses. Já a ferrovia, a cargo da estatal Valec, está dois anos atrasada e deve ter esse trecho pronto em junho de 2014.

rn

O descompasso de cronograma leva a mineradora, controlada pela Eurasian Natural Resources Corporation (ENRC), a pensar em um “plano B” que está longe de lhe agradar. A alternativa logística prevê escoar o minério de ferro pela Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) e pelo porto de Aratu, mas os gargalos existentes – os trilhos da FCA têm bitola estreita e o terminal portuário está saturado – limitam a produção em 1 milhão de toneladas por ano até o plano original sair do papel.

rn

“Estamos tendo todo o apoio do governo da Bahia, das prefeituras, das bancadas de deputados estaduais e federais”, afirma o presidente da Bamin. “Mas só existe uma maneira [de viabilizar o porto]: mostrar que o projeto é benéfico à população. Mais do que a oposição, as atitudes protelatórias que venham a ocorrer são uma crueldade para uma massa de trabalhadores que aguardam o empreendimento para ter uma vida melhor”, diz.

rn

Os estoques de minério da jazida em Caetité duram 20 anos, segundo o executivo, mas ele antecipa que “há reservas adicionais ainda não consideradas nos estudos de viabilidade”. A ENRC, controlada por uma multinacional com origem no Cazaquistão, não fala em desistir do projeto por causa do atraso. Mas demonstra insatisfação: “O nosso plano de negócios foi feito para estar concluído no fim de 2014”.

rn

Apesar da liderança da Bamin, outros projetos importantes estão sendo atraídos. O governo baiano espera 15 empresas, no dia 21 de maio, para a manifestação de interesse no uso das futuras instalações do Porto Sul. Espera-se fazer o escoamento para exportação, pelo novo complexo portuário em Ilhéus, de parte do óleo de soja produzido pela Cargill e pela Bioclean nos municípios de Barreiras e de Luís Eduardo Magalhães, região do oeste do Estado onde a ferrovia também deverá chegar até o fim de 2015.

rn

De acordo com o governo estadual, a Sul Americana de Metais – empresa do grupo Votorantim – construirá um mineroduto de 491 quilômetros entre Salinas (MG) e Ilhéus. A previsão é escoar 12,5 milhões de toneladas de minério de ferro em 2013, pelo novo porto, e duplicar esse volume no ano seguinte. Outras cargas, como clínquer e alumina, poderão usar as instalações. Espera-se ainda atrair uma siderúrgica à região, transformando o complexo portuário numa área de indústrias, alimentando os sonhos – e angústias – da população local. 

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Produção da Vale bate recorde no trimestre

20 de outubro de 2017

O complexo atingiu recorde trimestral de 45 Mt no terceiro trimestre, ao produzir 8,5% a mais do que no segundo trimestre.

LEIA MAIS

CBPM e IBRAM firmam parceria para organização de eventos com empresários da mineração baiana

28 de janeiro de 2020

O CBPM Convida, evento mensal promovido pela Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM), recebeu um reforço de peso para as próximas…

LEIA MAIS

Belo Horizonte receberá seminário sobre Barragens de Rejeitos

22 de outubro de 2018

As barragens de rejeito estarão em foco na segunda edição do Seminário UK-Brazil Mining Forum. O evento será realizado em Belo…

LEIA MAIS