NOTÍCIAS

Energia mais barata pode sair em agosto

18 de julho de 2012

 rnPreocupada com o fraco desempenho da economia, a presidente Dilma Rousseff prepara novos movimentos para impulsionar o crescimento e evitar que a evolução do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas) de seu gover

 

rn

Preocupada com o fraco desempenho da economia, a presidente Dilma Rousseff prepara novos movimentos para impulsionar o crescimento e evitar que a evolução do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas) de seu governo seja rotulada de “voo de galinha”. Em agosto, quando deve promover o terceiro encontro do ano com o grupo de 30 empresários que ficou conhecido como G-30, Dilma pode anunciar medidas para estimular os investimentos e fazer a economia avançar a taxas mais robustas. O empresariado está confiante de que a presidente divulgue, na ocasião, a redução do PIS/Cofins cobrado sobre a energia, que deve deixar as contas do setor produtivo até 10% mais baratas. Eles esperam ainda que seja apresentado um plano para agilizar as concessões à iniciativa privada na área de infraestrutura de transportes, além de uma política horizontal de benefícios e desonerações para todos os setores da economia.

rn

Depois de apostar no consumo como bote salva-vidas do PIB, mas ver naufragarem os números de atividade, a presidente diagnosticou que o problema está na fraqueza dos investimentos e tentará remediar a situação. Para muitos analistas, no entanto, apesar de acertada, a decisão de mudar o foco da política econômica veio muito tarde, ao menos para salvar 2012. “O problema do PIB deste ano está no fraco desempenho do primeiro e do segundo trimestre. Como esse período foi modesto, é difícil uma recuperação mais forte e que leve a um resultado acima de 2%”, observou Flávio Serrano, economista do Espírito Santo Investment Bank.

rn

PERIGO RESPINGA EM OUTROS ANOS

rn

As projeções do mercado para o PIB de 2012, que giram em torno de 1,90%, já levam em conta que a economia apresentará números mais robustos na segunda metade do ano, com a taxa de expansão anualizada alcançando entre 4% e 6%. “Crescer em 2013 vai ser tranquilo, mas é preciso criar um ambiente para que em 2014 e 2015 não tenhamos novamente um PIB fraco”, alertou Serrano. A mudança de foco do Palácio do Planalto, segundo analistas, mostra preocupação com o futuro. Economistas do próprio governo têm alertado a presidente quanto ao perigo do excesso de estímulos ao consumo. Como a indústria está em recessão desde o fim do ano passado, o temor é de que a oferta não consiga atender a uma demanda muito intensa, o que pode trazer a inflação de volta e obrigar o BC a aumentar os juros já no ano que vem.  André Perfeito, economista-chefe da corretora Gradual Investimentos, está otimista com todas as medidas adotas pelo governo até agora. “É um conjunto amplo que atinge diversos setores e terá um efeito importante no tecido econômico”, disse. Ele está tão otimista que aposta em uma alta de 2,3% do PIB este ano, acima da previsão da maioria. Mas faz ressalvas. “Esse resultado depende de um ritmo de crescimento agressivo, uma velocidade que só será alcançada se o Banco Central jogar os juros para patamares mais baixos que os atuais 7,5% projetados pelo mercado”, argumentou.

rn

 

 

Fonte: Estado de Minas

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Comitiva Brasileira marcará presença na edição de 2019 do PDAC

19 de setembro de 2018

Considerado um dos mais tradicionais eventos de mineração mundial, o Prospectors and Developers Association of Canada será realizado em Toronto…

LEIA MAIS

IBRAM promove em agosto a 9ªedição do CBMINA

28 de fevereiro de 2018

As inscrições para submissão de trabalhos podem ser feitas até o dia 13 de abril O Instituto Brasileiro de Mineração…

LEIA MAIS

Apesar de queda da cotação do ferro, receita do Brasil deve ser estável

27 de novembro de 2018

Cotação internacional do minério de ferro recuou de mais de 8% A cotação da tonelada de minério de ferro caiu…

LEIA MAIS