NOTÍCIAS

Esforço da indústria inclui tecnologias e reciclagem

18 de junho de 2012

rnHirose: “A indústria está fazendo a lição de casa, mas sabemos que temos muito que fazer para essa travessia”rn rnA economia no uso da água, com ênfase na reutilização, e investimentos e

rn

Hirose: “A indústria está fazendo a lição de casa, mas sabemos que temos muito que fazer para essa travessia”

rn

 

rn

A economia no uso da água, com ênfase na reutilização, e investimentos em novas tecnologias para reduzir emissões são os aspectos mais evidentes dos esforços da indústria brasileira em busca da sustentabilidade da produção, mas o setor reconhece que ainda há muito por fazer. “A indústria está fazendo a lição de casa desde 1972 (quando foi criado o Departamento de Meio Ambiente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – Fiesp), mas sabemos que temos muito que fazer para essa nova travessia”, disse Mario Hirose, diretor da área ambiental da Fiesp, durante o painel “Diálogos sobre Mudança do Clima” realizado na quarta-feira, no evento Humanidade 2012, realizado paralelamente à Conferência Rio+20.

rn

 

rn

Segundo Luiz Augusto Carneiro, gerente de meio ambiente da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), pesquisa feita pelo Ibope para a Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostrou que 70% das empresas industriais do país já possuem metas de redução do consumo da água e 65% fazem o chamado reúso do líquido. O diretor de assuntos ambientais do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Rinaldo Mancin, disse que cerca de 85% da água utilizada pelo setor é reciclada, apesar da sua imagem negativa, e de ele ser visto como um dos vilões da degradação ambiental.

rn

 

rn

No setor siderúrgico, responsável pela transformação da maior parcela da produção mineral e também associado à baixa sustentabilidade, o esforço é pela busca de tecnologias que permitam utilizar nessa transformação fontes de energia menos poluentes. Segundo Marcelo Behar, diretor corporativo da CSN, especializada na produção de aços planos e que se prepara para entrar no segmento de aços longos, a empresa vem estudando utilizar carvão vegetal, produzido a partir de florestas plantadas, como fonte de energia para sua futura usina de vergalhões, fios e similares. O carvão vegetal entra como substituto das tecnologias de carvão mineral e de fornos elétricos (mini-mills).

rn

 

rn

Segundo Behar, o problema é que o custo da floresta plantada ainda é maior do que o da energia elétrica usada nas chamadas mini-mills. “O importante é haver a convergência de fatores que torne viável a mudança da rota tecnológica”, disse. O diretor da CSN acrescentou que havendo “vontade do governo” e recursos no setor privado para investir, em sete a oito anos, que é o prazo necessário ao amadurecimento de uma floresta plantada, a nova tecnologia estará em condições de ser posta em prática comercial no país.

rn

 

rn

Paralelamente, de acordo com o executivo, a CSN trabalha para ampliar cada vez mais a cogeração de energia elétrica a partir de fontes renováveis. Ele ressaltou que a maior fonte de emissões da siderurgia vem da energia utilizada. Sobre a legislação brasileira, Behar disse que o melhor seria ter um “modelo nacional que não seja punitivo e nem restritivo à competitividade”, ressaltando que a construção de um mercado de carbono no país precisa ser “uma construção conjunta” e não imposta às empresas.

rn

 

rn

Hirose, da Fiesp, ressaltou a necessidade da criação de mecanismos de redução das emissões “por meio de novas tecnologias” e citou o exemplo da indústria automobilística a partir da introdução do catalisador como equipamento obrigatório nos veículos para a redução das emissões poluentes.

rn

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Belo Horizonte é o terceiro mercado de coworking no Brasil

27 de novembro de 2018

Maior empresa do setor no mundo lança espaço de seis andares na cidade Terceiro maior mercado de coworkings do Brasil…

LEIA MAIS

5 dicas para manutenção eficaz em mineradoras

3 de dezembro de 2018

Manter o maquinário em bom estado de funcionamento é um dos maiores desafios das mineradoras. Instalados em ambientes extremos e…

LEIA MAIS

Mineração Usiminas adota nova tecnologia para dispor rejeitos

26 de junho de 2018

A Mineração Usiminas (Musa) protocolou na Superintendência Regional de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Supram) o pedido de licenciamento ambiental…

LEIA MAIS