NOTÍCIAS

Expectativa 2013: Novo marco da mineração será prioridade do MME

4 de janeiro de 2013

rnHá mais de um ano o setor de mineração espera a divulgação do novo marco regulatório do setor. O ano de 2012 passou com promessas de envio breve ao Congresso das novas regras, que devem mudar as alíq

rn

Há mais de um ano o setor de mineração espera a divulgação do novo marco regulatório do setor. O ano de 2012 passou com promessas de envio breve ao Congresso das novas regras, que devem mudar as alíquotas de royalties da mineração e as regras de exploração. Segundo informou uma fonte do Ministério de Minas e Energia, o projeto será prioridade do ministério em 2013.

rn

A proposta foi e voltou três vezes do Ministério para a Casa Civil para ajustes no texto. A última versão enviada ainda espera análise da presidente Dilma Rousseff para ser enviada para o Congresso Nacional. No fim do ano passadoo presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), José Fernando Coura, afirmou após reunião com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, que o ministro havia dito que o projeto seria enviado ao Congresso no início do ano legislativo de 2013.

rn

Além de alterar valores das alíquotas de royalties, dar prazo para a exploração de jazidas, o novo código vai ajudar a resolver um problema antigo no cálculo da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), os royalties da mineração. O projeto vai permitir que o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) use valores de referência caso tenha dúvidas com relação ao valor do minério escrito na nota fiscal entregue pela mineradora.

rn

Segundo outra fonte do Ministério, o uso do preço de referência vai fechar uma das brechas existentes no decreto que trata da CFEM. Atualmente, algumas empresas que vendem minério para subsidiárias acabam vendendo o produto a um preço abaixo do preço de mercado, o que reduz lucro e assim a base para o cálculo da CFEM. Outra brecha que o código deve fechar é colocar o lucro bruto como base para o cálculo do royalty. Atualmente, a taxa é calculada por base no lucro líquido, mas há divergências entre o que as empresas entendem que pode ser deduzido e o que o DNPM acha certo.

rn

 

Fonte: Agência CMA

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Apesar de queda da cotação do ferro, receita do Brasil deve ser estável

27 de novembro de 2018

Cotação internacional do minério de ferro recuou de mais de 8% A cotação da tonelada de minério de ferro caiu…

LEIA MAIS

Alcoa comemora 9 anos ajudando a transformar a vida das pessoas em Juruti

24 de setembro de 2018

Desde a chegada em Juruti, a empresa já investiu mais de R$ 9,5 milhões em iniciativas voluntárias em comunidades e…

LEIA MAIS

MCTIC lança consulta pública sobre Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação para Minerais Estratégicos

1 de outubro de 2018

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) lançou na última quinta-feira (27) consulta pública sobre o Plano de…

LEIA MAIS