NOTÍCIAS

Exploração de ouro na Grécia pode custar caro

4 de fevereiro de 2013

rnEm uma floresta no nordeste rural da Grécia, tratores começaram a desmatar dezenas de hectares para a abertura de uma mina de ouro e de uma usina de processamento, que a canadense Eldorado Gold Corporation espera inaugurar nos pr&oacu

rn

Em uma floresta no nordeste rural da Grécia, tratores começaram a desmatar dezenas de hectares para a abertura de uma mina de ouro e de uma usina de processamento, que a canadense Eldorado Gold Corporation espera inaugurar nos próximos dois anos. A empresa também reabriu outras minas na região, extraindo ouro, cobre, zinco e chumbo nas montanhas.

rn

Para alguns habitantes, toda essa atividade, que promete criar 1,5 mil empregos até 2015, é uma benção que poderia trazer um pouco de vida à sombria economia dos vilarejos nas proximidades. Contudo, para centenas de outras pessoas, as minas não passam de um símbolo de como a Grécia está disposta a aceitar qualquer desenvolvimento, não importa quais sejam os custos ambientais. Essas pessoas lembram que, há apenas 10 anos, a suprema corte da Grécia julgou que os danos ambientais causados pela mineração na região eram maiores que os possíveis ganhos econômicos.

rn

“O negócio irá funcionar por 10 ou 15 anos e, então, a empresa vai simplesmente desaparecer, deixando para trás a poluição, como fizeram todas as outras” afirma Christos Adamidis, dono de hotel que teme que as novas operações acabem destruindo outros negócios locais. ? Se o preço do ouro cair, as minas podem nem durar tanto tempo. Enquanto isso, a poeira criada pelas minas irá matar as folhas da região, não haverá mais cabras, oliveiras, nem mel.

rn

Tensões em torno de novos esquemas de desenvolvimento estão ocorrendo em toda a Grécia, à medida que o país entra no sexto ano de recessão, ansioso para trazer indústrias que ajudem a gerar divisas e forçado pelos credores a simplificar os processos de aprovação. Ambientalistas são contrários aos planos para vender centenas de hectares para parques de energia solar, além de permitir a exploração de petróleo perto de ecossistemas delicados.

rn

“Vemos as leis e as políticas se transformando” entende Theodota Nantsou, coordenadora de políticas do World Wild Life (WWF) em Atenas. “Estamos vendo avanços serem revertidos sob a desculpa de eliminar impedimentos aos investimentos. Contudo, em longo prazo os custos serão altíssimos.”

rn

A entidade ambiental alerta que diretrizes estão sendo ignoradas, afetando o uso do ar, da água e da terra, causando a redução das revisões obrigatórias para os planos de impacto ambiental e o aumento do uso de carvão mineral, além da probabilidade de que 95% do fundo ambiental grego “mais de US$ 1 bilhão angariados para melhorar a eficiência energética do país e para sustentar as agências de conservação ambiental” sejam absorvidos pelo orçamento do país.

rn

governo diz que precisa modernizar legislação

rn

Em junho, o WWF “entidade global de preservação ao ambiente” publicou um relatório dizendo que estava testemunhando uma “avalanche de importantes perdas ambientais”. O fundo afirmou que a reversão de alguns progressos era uma tentativa de cumprir as demandas do trio de credores do país: Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia, que têm sustentado a Grécia nos últimos anos. O WWF afirmou que as perdas foram igualmente causadas pelas iniciativas colocadas em prática por diversos ministérios.

rn

Contudo, nenhum projeto parece ter causado mais reação do público que a retomada das operações de mineração nas montanhas ricas em minérios da região, onde reza a lenda que o próprio Alexandre, o Grande, procurou ouro. As antigas operações de mineração ascenderam e decaíram rapidamente e suas fortunas oscilaram de acordo com o preço dos metais, deixando atrás de si pilhas de dejetos acinzentados. Praticamente todas as pessoas da área contam histórias sobre como o escoamento das velhas minas deixava o mar amarelo de vez em quando.

rn

Contudo, o ressentimento em torno das minas parece refletir a desconfiança generalizada dos gregos em relação ao governo: a crença sincera de que a maior parte dos funcionários públicos está preocupada demais enchendo os bolsos de dinheiro à custa do país.

rn

Nick Malkoutzis, colunista do jornal conservador Kathimerini, escreveu que é difícil criticar os habitantes por sua desconfiança quando tantas empresas são autorizadas a ignorar regulamentos.

rn

“Talvez em algum outro país as pessoas se sentissem mais confortáveis com o projeto, uma vez que seus processos de concessão de contratos e certificados ambientais sejam transparentes e confiáveis” escreveu.

rn

Oponentes reclamam, por exemplo, que quando o governo grego fez o acordo com a Eldorado, não foi capaz de garantir que o país recebesse parte do faturamento, prática comum em contratos de mineração. Além disso, acreditam que a carta de crédito de 50 milhões de euros (cerca de R$ 135 milhões) dada ao governo como garantia não é suficiente, caso ocorra algum problema.

rn

Autoridades do Ministério do Meio Ambiente da Grécia estão revisando as regulamentações com o objetivo de “criar políticas ambientais mais modernas”, que se adaptem aos investimentos necessários. As autoridades também defendem a decisão de reintroduzir a mineração na área de Chalkidiki, afirmando que o norte da Grécia constitui um ?rico reservatório? de metais.

rn

A Eldorado tem planos para a região. A empresa pretende investir 1 bilhão de euros (cerca de R$ 2,7 bilhões) na mineração e espera que as atividades durem ao menos 15 anos.

rn

 

rn

 

rn

 

Fonte: Zero Hora

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



ArcelorMittal Tubarão lança projeto para dessalinizar água do mar

21 de janeiro de 2019

O projeto demandará investimentos em torno de R$ 50 milhões, gerará cerca de 220 vagas de emprego (no pico da…

LEIA MAIS

LITOTECA DA CBPM É REABERTA

5 de outubro de 2015

Os interessados em fazer consultas em amostras de testemunhos de sondagem de projetos pesquisados pela Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM) já podem programar visitas à Litoteca da empresa.

LEIA MAIS

Tecnologia leva mais segurança aos caminhões fora de estrada

1 de outubro de 2018

O que um sistema que alerta os motoristas de caminhões fora de estrada sobre a presença de objetos no trajeto…

LEIA MAIS