NOTÍCIAS

Fusões e Aquisições no setor de mineração crescem 33% em 2011, diz PwC

22 de maio de 2012

rnValor anunciado das transações foi de US$ 149 bilhões. Mercados emergentes representaram 17% das aquisições em volume no setor, somente no ano passado.rn rnEm 2011, o setor de mineração n&atilde

rn

Valor anunciado das transações foi de US$ 149 bilhões. Mercados emergentes representaram 17% das aquisições em volume no setor, somente no ano passado.

rn

 

rn

Em 2011, o setor de mineração não foi poupado da crise. O valor da maioria dos metais de base diminuiu em pelo menos 20% e o desempenho anual de metais preciosos também não foi representativo, com exceção do ouro. No entanto, desconsiderando as oscilações do mercado, 2011 foi um ano importante para o segmento de fusões e aquisições. No período, foram anunciadas 2.605 operações, o segundo ano mais movimentado da história deste nicho, segundo Pesquisa Global de Mineração, realizada pela PwC.

rn

 

rn

O valor anunciado das transações foi de US$ 149 bilhões, valor 33% superior ao alcançado em 2010 e quase o dobro de 2009. Além disso, o montante ficou apenas dois pontos percentuais abaixo do registrado em 2006, ano de maior movimento para o setor. 

rn

 

rn

Nas transações com valor acima de US$ 5 bilhões, houve um crescimento de 145% em relação a 2010 e 490% se comparado a 2009. Já nas operações entre US$ 1 bilhão e US$ 5 bilhões, foram anunciadas 23 transações que, mensuradas por valor, representaram um aumento de 14% em relação ao ano passado.

rn

 

rn

Abaixo de US$100 milhões, 1.355 operações no valor de US$36 bilhões foram anunciadas, montante recorde no setor.  Já as de médio porte contabilizaram 25 negócios de US$ 17 bilhões, uma redução de 6% em relação a 2010. Também no ano passado, apenas 107 operações de fusões e aquisições foram canceladas, o menor volume desde 2004.

rn

 

rn

Em linha com o que vem acontecendo em anos anteriores, compradores localizados nos Estados Unidos, Austrália e Canadá realizaram as operações de maior valor: as três regiões juntas representaram 53% dos valores anuais de aquisições, 7% a mais do que o registrado em 2010. Em termos de volume, os países também lideraram, com 57%, enquanto os mercados emergentes representaram apenas 17% das aquisições no setor no ano passado. 

rn

 

rn

Entre os países que compõem o BRIC, o Brasil foi o que menos realizou fusões e aquisições, com 20 transações. No entanto, comparado com 2006, quando foram realizadas oito operações, houve um crescimento de 150%, o maior registrado no grupo. A China lidera, com 205 operações, seguida da Rússia, 90, e índia, com 26.

rn

 

rn

“Uma faceta interessante na área de fusões e aquisições envolvendo os mercados emergentes é que muitos compradores preferiram projetos localizados em seus próprios mercados. No Brasil, esse índice foi de 75%, enquanto no México alcançou 100%”, destaca Ronaldo Valiño, sócio da PwC Brasil.

rn

 

rn

Nos mercados desenvolvidos, esta tendência também é observada: 72% das aquisições envolveram projetos em outras regiões desenvolvidas. Por outro lado, o estudo também aponta que muitos compradores nos países desenvolvidos sentem-se confortáveis em realizar operações na América Latina – no ano passado, a região representou 44% das negociações.

rn

 

rn

“A aglomeração geográfica é um sinal de que as empresas não estão sendo agressivas o bastante, especialmente se considerar que  as reservas minerais estão concentradas, principalmente, nos países em desenvolvimento – 73% das reservas de ouro, por exemplo, localizam-se nestes mercados. Isso levanta a questão:  qual é o custo de longo prazo de não fazer negócios nas regiões?”, questiona o especialista.

rn

 

rn

Metais

rn

 

rn

Ouro, carvão, cobre, minério de ferro e nióbio representaram 81% de valor agregado nas operações em 2011, com destaque para carvão e cobre, com ações de 26% e 23%, respectivamente. As transações envolvendo o ouro representaram 13% do valor– em 2010 foram 31%. Com relação ao volume, o ouro, cobre, ferro, prata e urânio representaram 57% de toda a atividade – em 2010 foram 79%.

rn

 

rn

Perspectivas 2012

rn

 

rn

A expectativa é que neste ano haverá recorde tanto em volume quanto em valores de fusões e aquisições no setor de mineração. “Com a demanda para novos projetos, aumento dos custos de produção e declínio das reservas mundiais,  as mineradoras buscarão escala e otimização de custos, acirrando o mercado de aquisições”, destaca Valiño.

rn

 

rn

Além disso, a perspectiva é que a África desponte como um dos mais importantes mercados em 2012, devido às fontes de recurso e o clima favorável aos investimentos. 

rn

 

rn

Metodologia de pesquisa

rn

 

rn

O estudo “On the Road again? – Pesquisa Global de Mineração” inclui anúncios de fusões e aquisições realizados em 2011. Acordos cancelados, expirados ou retirados foram excluídos do estudo. A principal origem dos dados é o S&P Capital IQ, que inclui bens e negócios imobiliários em seus dados. O relatório completo, com gráficos de apoio, está em http://www.pwc.com/gx/en/mining/publications/on-the-road-again-global-mining-2011-deals-review-and-2012-outlook.jhtml?WT.mc_id=email_4-12_GMH_On-the-r

rn

 

Fonte: Ultimo Instante

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Belo Horizonte é o terceiro mercado de coworking no Brasil

27 de novembro de 2018

Maior empresa do setor no mundo lança espaço de seis andares na cidade Terceiro maior mercado de coworkings do Brasil…

LEIA MAIS

Produção de minério de ferro da BHP cai 4% no trimestre

20 de outubro de 2017

Os números levam em consideração o minério de ferro produzido pela BHP e em parcerias em joint ventures

LEIA MAIS

Anglo American divulga resultados de produção do terceiro trimestre

24 de outubro de 2017

A Anglo American reportou um aumento de 6% na produção total em base equivalente de cobre, em comparação com o mesmo período em 2016.

LEIA MAIS