NOTÍCIAS

Gigante da siderurgia encolhe com a crise

27 de julho de 2012

ArcelorMittal registra queda de 10% nas vendas e lucro 50% menor no 2º trimestrernrnA indústria siderúrgica é notoriamente volátil. Entretanto, o magnata de origem indiana Lakshmi Mittal parecia ter dominado o neg&oac

ArcelorMittal registra queda de 10% nas vendas e lucro 50% menor no 2º trimestre

rn

rn

A indústria siderúrgica é notoriamente volátil. Entretanto, o magnata de origem indiana Lakshmi Mittal parecia ter dominado o negócio. Ele venceu, em 2006, uma épica batalha pelo controle acionário de sua principal rival, a Arcelor, de Luxemburgo, fazendo da ArcelorMittal a maior companhia siderúrgica do mundo. Com a economia mundial faminta por aço, a gigante teve lucro operacional de quase US$ 12 bilhões em 2008.

rn

 

rn

As coisas são diferentes agora, com a Europa vivendo uma profunda crise econômica e os mercados de construção civil, que já estiveram muito aquecidos na China e na India, também se desacelerando. No ano passado, a companhia teve um lucro operacional de US$ 4,9 bilhões. E na quarta-feira reportou um resultado operacional de US$ 1,1 bilhão no segundo trimestre.

rn

Apesar de as vendas terem caído somente 10% sobre um ano atrás, o lucro teve retração de mais de 50% porque o custo da matéria-prima do minério de ferro subiu enquanto o valor do aço despencou. “Esse desempenho é absolutamente inaceitável, naturalmente”, disse Mittal.

rn

O valor das ações da ArcelorMittal vem caindo de maneira acentuada desde 2008, reduzindo o valor da participação controladora de 40% da família Mittal de estimados US$ 55 bilhões, em 2008, para US$ 9 bilhões.

rn

O preço básico do aço europeu em 2008 ficou em aproximadamente 850 por tonelada métrica. No mês passado, esse preço estava em 573. E quanto mais a cotação cai, mais relutantes os compradores ficam.

rn

O barato aço chinês, pesadamente subsidiado pelo governo, também tem sido um importante fator para baixar os preços globais. Enquanto a produção de aço na Europa ocidental e nos Estados Unidos recuou nos últimos cinco anos, a produção da China cresceu cerca de 60%.

rn

Mittal disse que quase todas as companhias chinesas perderam dinheiro no primeiro semestre do ano. No entanto,o apetite voraz da China por minério de ferro, a principal matéria-prima do setor, fez o preço do produto quadruplicar desde 2006.

rn

“Os fabricantes de aço como a ArcelorMittal estão pressionados”, disse Jeff Largey, um analista da Macquarie em Londres. “Por um lado, os mercados finais são fracos e eles não têm nenhum poder sobre o preço. Por outro, eles não podem fazer nada sobre os altos preços das matérias-primas puxados pela demanda chinesa.”

rn

Origem. A Mittal começou nos anos 1970 construindo e operando uma pequena unidade na Indonésia. Ele construiu sua fortuna nas três décadas seguintes comprando e reparando uma rede de usinas gigantescas, mas operacionalmente fracas em lugares como Casaquistão, Romênia e México.

rn

Agora, porém, ele se vê às voltas com uma dura luta para controlar custos e reduzir a dívida da companhia, estimada em US$ 22 bilhões no mais recente balanço. Na Europa, ele desativou nove de seus 25 altos-fornos, que transformam o minério de ferro em metal líquido.

rn

E, ao contrário de sua anterior investida de aquisições, ele agora está vendendo propriedades. No total, a Arcelor Mittal se desfez de US$ 2,7 bilhões em ativos desde setembro.

rn

Isso é possível somente por causa do alcance global do negócio. As usinas nos EUA estão em situação melhor que as na Europa, graças à demanda de fabricantes de equipamentos pesados e de tubulações para suprir o boom do gás de xisto norte-americano. E diferentemente de suas rivais, a ArcelorMittal tem operações próprias de minério de ferro, o que a ajuda a amortecer os preços altos.

rn

Cortes. A companhia já começou a reduzir a produção na Europa para se adequar à queda na demanda. E está enfrentando resistência de sindicatos e governos para outros cortes de despesa planejados. A empresa planeja fechar fábricas na Europa e cortar salários e benefícios em unidades nos Estados Unidos.

rn

No “velho continente”, onde a empresa enfrenta seus problemas mais profundos, a ArcelorMittal quer manter suas melhores unidades – como a de Ghent, na Bélgica, e de Dunquerque, na França – operando a todo vapor e deixar as de desempenho mais fraco de lado. Para isso, terá de enfrentar brigas com sindicatos e governos que pode durar anos.

rn

Questões trabalhistas também surgem nos EUA. A empresa e o sindicato United Steelworkers negociam um novo acordo para 12,5 mil trabalhadores. A ArcelorMittal quer custos mais baixos e regras trabalhistas mais flexíveis que, segundo o sindicato, implicariam reduções de salário e benefícios de US$ 28 por hora.

rn

A companhia diz que os trabalhadores ganham em média US$ 170.855 por ano. Um porta-voz do sindicato disse que a cifra é “inflada”, mas não forneceu uma estimativa do sindicato.

rn

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Votorantim Cimentos apoia projeto de resgate histórico-cultural em Corumbá (MS)

17 de dezembro de 2018

Projeto “Todo Lugar tem uma História para Contar”, do Museu da Pessoa, reuniu histórias de vida dos moradores que impulsionou…

LEIA MAIS

IBRAM realiza pesquisa sobre o que o público gostaria de ver na próxima edição da EXPOSIBRAM

8 de outubro de 2018

O que você gostaria de sugerir para a próxima edição da  Expo & Congresso Brasileiro de Mineração (EXPOSIBRAM)? Considerada a principal vitrine…

LEIA MAIS

Alcoa apoia desenvolvimento em Inglês para alunos do Senai Juruti

10 de dezembro de 2018

Estudantes do Programa de Formação de Operadores e Operadoras (PFO) e de cursos técnicos do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial…

LEIA MAIS