NOTÍCIAS

Glencore adquire 28,5% da Caraíba por US$ 118 milhões

14 de maio de 2012

rnA Glencore, gigante mundial do mercado de commodities agrícolas e industriais, fechou acordo para adquirir participação de 28,5% na Mineração Caraíba por US$ 118,5 milhões.rnA empresa é uma mi

rn

A Glencore, gigante mundial do mercado de commodities agrícolas e industriais, fechou acordo para adquirir participação de 28,5% na Mineração Caraíba por US$ 118,5 milhões.

rn

A empresa é uma mineradora de cobre situada na Bahia, com jazidas e mina do metal não ferroso em Jaguarari.

rn

Conforme os termos da operação, a Glencore comprou os 71,2 milhões de ações que pertenciam à Branford RJ Participações. Esta, por sua vez, é controlada pelo fundo de investimento em participações Atenas, cujo único cotista é a Aurizônia.

rn

Com a aquisição, a Glencore passa a ser o maior acionista da Caraíba, ao lado do grupo Anaconda, que também tem 28,25% do capital da empresa. Os demais acionistas são a Zinia Participações (25,75%) e os empregados, com 17,75%.

rn

A Branford vinha buscando um comprador para suas ações desde o ano passado. O Banco Fator assessorou a companhia nas negociações.

rn

O objetivo da Glencore é obter participação estratégica na Caraíba, empresa que foi fundada em 1969 e que fatura em torno de US$ 200 milhões por ano.

rn

Em 2010, a companhia teve receita líquida de R$ 401 milhões e lucro líquido de R$ 104,4 milhões. As demonstrações financeiras do ano passado ainda não foram divulgadas.

rn

Segundo fontes de mercado, a Glencore estaria conversando com os demais acionistas da Caraíba para adquirir uma fatia maior da empresa. A Caraíba confirmou ao que está negociando uma nova cota de ações com a Glencore. Segundo o Valor apurou, a estratégia da gigante multinacional é se tornar acionista majoritária na empresa brasileira.

rn

Embora as minas de cobre da Caraíba sejam de grande profundidade, a alta da commodity torna a empresa atrativa, disse um interlocutor a par das negociações, porque o preço do metal no mercado internacional – na faixa de US$ 8 mil a tonelada – torna a extração economicamente viável. A China é o maior consumidor mundial.

rn

No fim do ano passado, a Caraíba anunciou que planeja investir R$ 730 milhões em suas minas de cobre até 2025. A companhia também tem planos para diversificar sua produção e se tornar uma empresa polimetálica.

rn

A companhia começou as atividades em mina a céu aberto em 1980. Seis anos depois, passou para uma operação subterrânea, segundo informações da revista “Brasil Mineral”. Em 2007, inaugurou uma planta de oxidado.

rn

A produção da empresa gira em torno de 30 mil toneladas de cobre contido em concentrado – pouco mais de 25 mil do tipo sulfetado e quase 5 mil de oxidado.

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Guia de boas práticas aborda etapas de ciclo de vida de barragens e outras estruturas de disposição de rejeitos

8 de agosto de 2019

A minuta do ‘Guia de Boas Práticas de Gestão de Barragens e Estruturas de Disposição de Rejeitos’, que está em fase…

LEIA MAIS

AngloGold Ashanti aprimora frota de subsolo

14 de janeiro de 2019

Dois novos jumbos, com investimento de R$ 10 milhões, foram adquiridos para operações de Minas Gerais Cerca de R$ 10…

LEIA MAIS

Participe do I Seminário de Extensionismo Técnico Mineral

15 de outubro de 2018

Estão abertas as inscrições para o I Seminário de Extensionismo Técnico Mineral. O evento, promovido pela Agência Nacional de Mineração (ANM),…

LEIA MAIS