NOTÍCIAS

Governo de MG será sócio da CBMM em terras-raras

25 de maio de 2012

rnO governo de Minas Gerais pretende fazer novos investimentos na produção de terras-raras numa operação conjunta com a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM). A empresa anunciou na terç

rn

O governo de Minas Gerais pretende fazer novos investimentos na produção de terras-raras numa operação conjunta com a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM). A empresa anunciou na terça-feira que começou a produzir concentrados refinados de terras-raras em Araxá por meio de uma tecnologia própria. O Estado investiu R$ 12,5 milhões nas pesquisas e nessa fase de produção inicial. A empresa aportou a maior parte de um total de R$ 50 milhões. Esses produtos têm grande demanda em indústrias de ponto pelo mundo.

rn

 

rn

“Já está nos nossos planos e no nosso fluxo de caixa uma nova participação com mais investimentos”, disse o presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), Oswaldo Borges da Costa Filho. Os valores necessários para as próximas fases do projeto ainda estão em estudo pela CBMM.

rn

 

rn

A Codemig, que é uma empresa pública de Minas, e a CBMM, da família Moreira Salles, são sócias desde os anos 70 em uma empresa criada para extrair nióbio na mina em Araxá. A Codemig detém a concessão federal para explorar parte da mina; a CBMM a outra parte. Mas como o Estado não tinha know-how nem recursos para entrar no negócio, definiu que venderia toda sua parte na produção para a CBMM. Pelo contrato, o Estado não investe no negócio mas recebe 25% dos resultados. No ano passado, a receita da Codemig com o nióbio foi da ordem de R$ 400 milhões. O contrato também estabelecia que, em quaisquer outros minerais que viessem a ser explorados na mina, o Estado teria a opção de participar do investimento até o limite de 25% – e consequentemente receber a mesma proporção dos resultados.

rn

 

rn

Quando a CBMM começou, há cerca de um ano e meio, a intensificar as pesquisas com terras-raras, a Codemig decidiu entrar na aposta. “A gente não pode deixar passar as oportunidades com tudo o que as terras-raras podem representar. A gente já sabe o tamanho que isso pode chegar”, disse Costa.

rn

 

rn

“Pelos estudos feitos e pelos indicativos, com as terras-raras poderá haver um incremento significativo da nossa receita já oriunda do nióbio”, acredita Costa. “Foi exatamente essa perspectivas de ganhos que fez com que a gente decidisse investir nesse novo projeto. Não tem sentido termos uma fortuna debaixo da terra e não a tirá-la de lá.” A China domina o fornecimento de terras -raras no mundo.

rn

 

rn

Desde que a sociedade para participação na mina em Araxá foi constituída, essa é a primeira vez que a Codemig faz um investimento no empreendimento.

rn

 

rn

A Vale e a canadense Mbac são algumas das empresas que realizam pesquisas e têm projetos de desenvolvimento de terras-raras em Minas Gerais. A CBMM e o Estado saíram na frente.

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Samarco: os três anos do rompimento de Fundão

5 de novembro de 2018

O rompimento da barragem de Fundão completa 3 anos. Uma realidade que faz parte da jornada da Samarco. O dia…

LEIA MAIS

Instagram reúne informações para estudantes e profissionais ligados à geologia

19 de setembro de 2018

Com mais de 26 mil seguidores, o perfil @igeologico apresenta, de forma leve e didática, informações sobre o setor mineral…

LEIA MAIS

Redes e Imerys capacitam fornecedores em projetos sociais

8 de outubro de 2018

Com o objetivo de fomentar a capacitação de fornecedores locais, as indústrias paraenses têm buscado, cada vez mais, a parceria…

LEIA MAIS