NOTÍCIAS

Incerteza externa faz governo evitar meta de exportação

2 de janeiro de 2013

rnO governo começa 2013 sem meta para exportações e cogita seguir assim por todo ano, devido às incertezas do mercado internacional, com fatores que escapam totalmente ao controle das autoridades, segundo informou um integ

rn

O governo começa 2013 sem meta para exportações e cogita seguir assim por todo ano, devido às incertezas do mercado internacional, com fatores que escapam totalmente ao controle das autoridades, segundo informou um integrante da equipe econômica ao Valor.

rn

Hoje, o Ministério do Desenvolvimento divulgará os resultados do comércio exterior brasileiro em 2012, que devem apontar uma queda em torno de 5% nas exportações e ligeiro aumento, de até 1%, nas importações em relação a 2011. O saldo entre exportações e importações ficou próximo a US$ 19 bilhões, bem aquém dos US$ 29,8 bilhões de 2011.

rn

Na avaliação dos técnicos do governo, a melhoria na taxa de câmbio, com o dólar oscilando em torno de R$ 2,05 desde junho, começará a exercer maior efeito sobre o desempenho das exportações neste ano, mas deve ser compensado negativamente pela retração em mercados importantes, especialmente na Europa.

rn

O cenário para os preços do minério de ferro é incerto, mas mais positivo que o de 2012. As medidas de desoneração da folha de pagamentos devem ter efeito positivo para a redução de preços dos produtos industriais de exportação, mas as melhorias em logística provavelmente não serão sentidas a tempo de influenciar o resultado do ano.

rn

“As empresas estão mais confortáveis com o câmbio, para fazer apostas na exportação”, avalia o secretário-executivo da Confederação Nacional da Indústria (CNI), José Augusto Fernandes. “Em 2012, ainda houve muita incerteza em relação à manutenção do novo patamar de câmbio.”

rn

Para Fernandes, as perspectivas dos mercados para exportação são positivas nos EUA e China, apesar da desaceleração da economia chinesa, e o principal desafio é tomar medidas para enfrentar a perda dos mercados para as exportações brasileiras na América Latina, região que absorve 44% das manufaturas vendidas pelo Brasil.

rn

Nos últimos meses, o Itamaraty se somou ao grupo, no governo, que pressiona a equipe econômica para se engajar mais fortemente em uma estratégia de promoção de exportações. Para o ministro de Relações Exteriores, Antônio Patriota, a inércia nas negociações de livre comércio com outros países significará, na prática, um retrocesso, já que vários países, inclusive latino-americanos, têm fechado acordos do gênero e, em 2014, o Brasil perderá descontos nas tarifas concedidos pela União Europeia a diversos produtos, no chamado Sistema Geral de Preferências.

rn

A habitual resistência do Ministério da Fazenda em avançar na redução de tributos para exportadores é um dos principais alvos dos que defendem uma política mais ativa para conquista do mercado externo. “Só na última hora decidiram prorrogar o Reintegra”, queixa-se o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro. O Reintegra, que devolve aos exportadores o equivalente a 3% do faturamento com exportações, para compensar impostos pagos no processo produtivo, foi prorrogado até o fim de 2013, depois de intervenção da presidente Dilma Rousseff.

rn

Castro critica a intenção do governo de evitar uma meta de exportações. “Sabemos que é difícil, mas as empresas precisam de uma referência”, diz.

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Exportação de pelotas aumenta 14,2% de janeiro a setembro

23 de novembro de 2017

Foram exportadas 22,5 milhões de toneladas de pelotas nos nove meses deste ano A exportação de pelotas, feita pela Vale,…

LEIA MAIS

IBRAM promove em agosto a 9ªedição do CBMINA

28 de fevereiro de 2018

As inscrições para submissão de trabalhos podem ser feitas até o dia 13 de abril O Instituto Brasileiro de Mineração…

LEIA MAIS

Produção da Vale bate recorde no trimestre

20 de outubro de 2017

O complexo atingiu recorde trimestral de 45 Mt no terceiro trimestre, ao produzir 8,5% a mais do que no segundo trimestre.

LEIA MAIS