NOTÍCIAS

Indústria está otimista para 2013

9 de janeiro de 2013

rnEnquanto o PIB deve ficar em 0,9%, a indústria deve ter queda de 0,6%rnA indústria inicia 2013 tentando esquecer 2012. O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, concorda qu

rn

Enquanto o PIB deve ficar em 0,9%, a indústria deve ter queda de 0,6%

rn

A indústria inicia 2013 tentando esquecer 2012. O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, concorda que, infelizmente, 2012 foi um ano perdido para a indústria. “Nossa previsão é de que, para um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) estimado em apenas 0,9%, em 2012, a indústria registre uma queda de 0,6%. Nosso segmento de maior dinamismo, a indústria de transformação, deve recuar 2%”, informa.

rn

Contudo, Robson Braga espera tempos bem melhores em 2013, com os efeitos mais amplos de medidas como o novo modelo de concessões à iniciativa privada em infraestrutura, a desoneração da folha de pessoal e a redução da tarifa de energia elétrica. A CNI estima que a indústria cresça 4,1% em 2013.

rn

Em Minas Gerais, a indústria também teve um ano sofrido, difícil, de persistência e de aprendizado, nas palavras do presidente da Federação das Indústrias do Estado (Fiemg), Olavo Machado Júnior, que já viu anos piores.

rn

Tentando amenizar a sensação de terror na indústria, Olavo Machado diz que, em Minas Gerais, o setor de commodities vai razoavelmente bem, dentro das condições do mundo. A mineração responde por quase 45% das exportações totais do Estado, seguida pelos agroalimentos, com 21% de participação.

rn

Mas os dados da Fiemg apontam uma sangria em setores cruciais para a economia mineira. Até o terceiro trimestre de 2012, o PIB industrial de Minas Gerais recuou nos setores de extração (-1,7%) e transformação (-1,1%). No acumulado do ano até outubro, a indústria de transformação mineira apresentou expansão de apenas 0,2% no faturamento real, enquanto a indústria brasileira cresceu 3,4%, no mesmo período.

rn

Olavo Machado diz que a indústria precisa de mais capital de giro para fazer resultados, sem maiores apertos. “Se nós tivermos mais algum apoio, disponibilidade, principalmente de capital de giro, a indústria nacional é competente e vai ser cada vez mais produtiva”, reivindica o empresário.

rn

O presidente da Fiemg diz que, no mercado globalizado, a indústria mineira e nacional têm que concorrer com empresas em condições mais favoráveis de recursos à disposição.

rn

 

Fonte: O Tempo

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



AngloGold Ashanti realiza simulado de emergência de barragem na comunidade de Barra Feliz

19 de novembro de 2018

Terceiro evento em Santa Bárbara mobiliza moradores. Mais de 240 se envolveram na ação, 60% do público-alvo. Próximo treinamento ocorrerá…

LEIA MAIS

Brasil terá 1º hub de inovação para a indústria mineral

19 de novembro de 2018

Inédita no setor em nível global, iniciativa de mineradoras brasileiras em parceria com a WeWork pretende impactar positivamente a competitividade…

LEIA MAIS

Desenvolvimento de Normas Internacionais da ISO em debate

12 de novembro de 2018

Produtores, consumidores, clientes e prestadores de serviços relacionados ao Setor Mineral Brasileiro reuniram esforços para desenvolver e atualizar normas técnicas…

LEIA MAIS