NOTÍCIAS

Indústria está otimista para 2013

9 de janeiro de 2013

rnEnquanto o PIB deve ficar em 0,9%, a indústria deve ter queda de 0,6%rnA indústria inicia 2013 tentando esquecer 2012. O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, concorda qu

rn

Enquanto o PIB deve ficar em 0,9%, a indústria deve ter queda de 0,6%

rn

A indústria inicia 2013 tentando esquecer 2012. O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, concorda que, infelizmente, 2012 foi um ano perdido para a indústria. “Nossa previsão é de que, para um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) estimado em apenas 0,9%, em 2012, a indústria registre uma queda de 0,6%. Nosso segmento de maior dinamismo, a indústria de transformação, deve recuar 2%”, informa.

rn

Contudo, Robson Braga espera tempos bem melhores em 2013, com os efeitos mais amplos de medidas como o novo modelo de concessões à iniciativa privada em infraestrutura, a desoneração da folha de pessoal e a redução da tarifa de energia elétrica. A CNI estima que a indústria cresça 4,1% em 2013.

rn

Em Minas Gerais, a indústria também teve um ano sofrido, difícil, de persistência e de aprendizado, nas palavras do presidente da Federação das Indústrias do Estado (Fiemg), Olavo Machado Júnior, que já viu anos piores.

rn

Tentando amenizar a sensação de terror na indústria, Olavo Machado diz que, em Minas Gerais, o setor de commodities vai razoavelmente bem, dentro das condições do mundo. A mineração responde por quase 45% das exportações totais do Estado, seguida pelos agroalimentos, com 21% de participação.

rn

Mas os dados da Fiemg apontam uma sangria em setores cruciais para a economia mineira. Até o terceiro trimestre de 2012, o PIB industrial de Minas Gerais recuou nos setores de extração (-1,7%) e transformação (-1,1%). No acumulado do ano até outubro, a indústria de transformação mineira apresentou expansão de apenas 0,2% no faturamento real, enquanto a indústria brasileira cresceu 3,4%, no mesmo período.

rn

Olavo Machado diz que a indústria precisa de mais capital de giro para fazer resultados, sem maiores apertos. “Se nós tivermos mais algum apoio, disponibilidade, principalmente de capital de giro, a indústria nacional é competente e vai ser cada vez mais produtiva”, reivindica o empresário.

rn

O presidente da Fiemg diz que, no mercado globalizado, a indústria mineira e nacional têm que concorrer com empresas em condições mais favoráveis de recursos à disposição.

rn

 

Fonte: O Tempo

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Produção de minério de ferro da BHP cai 4% no trimestre

20 de outubro de 2017

Os números levam em consideração o minério de ferro produzido pela BHP e em parcerias em joint ventures

LEIA MAIS

Exportação de pelotas aumenta 14,2% de janeiro a setembro

23 de novembro de 2017

Foram exportadas 22,5 milhões de toneladas de pelotas nos nove meses deste ano A exportação de pelotas, feita pela Vale,…

LEIA MAIS

LITOTECA DA CBPM É REABERTA

5 de outubro de 2015

Os interessados em fazer consultas em amostras de testemunhos de sondagem de projetos pesquisados pela Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM) já podem programar visitas à Litoteca da empresa.

LEIA MAIS