NOTÍCIAS

Instituto baiano estuda como aproveitar molibdenita

17 de maio de 2017

Proposta entre o Instituto Federal da Bahia e a empresa do setor mineral Watva é de dar uso comercial à molibdenita, minério que se origina da produção de esmeraldas no estado

O Instituto Federal da Bahia (IFBA) e a Watva, empresa que busca gerar valor aos resíduos de mineração, estudam uma parceria para possibilitar a transformação e o uso comercial da molibdenita, mineral que se origina da produção de esmeraldas na Serra da Carnaíba, em Pindobaçu (BA). O molibdênio tem uso, entre outros, na produção de aditivos para óleos lubrificantes de motores de carros.
 
"Nosso objetivo é identificar oportunidades no setor de mineração para gerar valor. Seja através da recuperação de componentes, seja através de uma destinação adequada desses resíduos. A parceria com o IFBA é justamente para fazermos o aproveitamento de espécies químicas que são perdidas no processo mineral", disse Alexandre Machado, diretor da Watva, em contato por telefone na manhã de terça-feira (16).
 
Segundo ele, a proposta da Watva tem sido bem aceita pela indústria, pois a valorização dos resíduos está ligada ao meio ambiente, assunto cada vez mais importante. "Nossa proposta é valorizar os recursos naturais através da potencialização do uso", afirmou.
 
A reunião com o IFBA aconteceu no dia 27 de abril, no Polo de Inovação Salvador (PIS). A possível parceria, ainda não fechada segundo representantes da Watva e do IFBA, envolve também uma associação de garimpeiros local. Além de Machado, estiveram presentes no encontro Handerson Leite, do PIS, Epaminondas Macedo, do IFBA campus Jacobina, e os professores do curso técnico em mineração de Jacobina, Jonei Marques e Talita Gentil.
 
De acordo com Marques, atualmente a molibdenita é descartada durante o processo produtivo apesar de possuir valor comercial. Ele diz que, quando o acordo for efetivado, a associação vai fornecer o mineral e a empresa Watva venderá a molibdenita.
 
Segundo Macedo, além de fomentar pesquisa e tecnologia na região, a parceria será responsável pela geração de estágios e empregos para a população local.
 
A realização da possível parceria entre o IFBA, a Watva e a associação de garimpeiros poderá originar novos projetos, segundo nota divulgada pelo IFBA. Macedo diz que um dos exemplos é o uso de resíduos descartados na mineração para confeccionar blocos de construção que podem ser doados para comunidades carentes. O diretor do campus afirma que "para colocar essa ideia em prática, o ideal é contar também  com a parceria do município de Jacobina".
 
Notícias de Mineração Brasil
Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Estão abertas inscrições para treinamento sobre Apreciação de Risco em Máquinas da Schmersal

22 de outubro de 2018

Multinacional alemã líder mundial em sistemas de segurança para máquinas industriais, a Schmersal divulga o inicio das inscrições para o…

LEIA MAIS

Votorantim Cimentos apoia projeto de resgate histórico-cultural em Corumbá (MS)

17 de dezembro de 2018

Projeto “Todo Lugar tem uma História para Contar”, do Museu da Pessoa, reuniu histórias de vida dos moradores que impulsionou…

LEIA MAIS

Fabio Schvartsman participa de evento corporativo em São Paulo

16 de abril de 2018

O diretor-presidente da Vale, Fabio Schvartsman, participou, no dia 10 de abril, do Itaú Macro Vision, evento voltado para o…

LEIA MAIS