NOTÍCIAS

Instituto baiano estuda como aproveitar molibdenita

17 de maio de 2017

Proposta entre o Instituto Federal da Bahia e a empresa do setor mineral Watva é de dar uso comercial à molibdenita, minério que se origina da produção de esmeraldas no estado

O Instituto Federal da Bahia (IFBA) e a Watva, empresa que busca gerar valor aos resíduos de mineração, estudam uma parceria para possibilitar a transformação e o uso comercial da molibdenita, mineral que se origina da produção de esmeraldas na Serra da Carnaíba, em Pindobaçu (BA). O molibdênio tem uso, entre outros, na produção de aditivos para óleos lubrificantes de motores de carros.
 
"Nosso objetivo é identificar oportunidades no setor de mineração para gerar valor. Seja através da recuperação de componentes, seja através de uma destinação adequada desses resíduos. A parceria com o IFBA é justamente para fazermos o aproveitamento de espécies químicas que são perdidas no processo mineral", disse Alexandre Machado, diretor da Watva, em contato por telefone na manhã de terça-feira (16).
 
Segundo ele, a proposta da Watva tem sido bem aceita pela indústria, pois a valorização dos resíduos está ligada ao meio ambiente, assunto cada vez mais importante. "Nossa proposta é valorizar os recursos naturais através da potencialização do uso", afirmou.
 
A reunião com o IFBA aconteceu no dia 27 de abril, no Polo de Inovação Salvador (PIS). A possível parceria, ainda não fechada segundo representantes da Watva e do IFBA, envolve também uma associação de garimpeiros local. Além de Machado, estiveram presentes no encontro Handerson Leite, do PIS, Epaminondas Macedo, do IFBA campus Jacobina, e os professores do curso técnico em mineração de Jacobina, Jonei Marques e Talita Gentil.
 
De acordo com Marques, atualmente a molibdenita é descartada durante o processo produtivo apesar de possuir valor comercial. Ele diz que, quando o acordo for efetivado, a associação vai fornecer o mineral e a empresa Watva venderá a molibdenita.
 
Segundo Macedo, além de fomentar pesquisa e tecnologia na região, a parceria será responsável pela geração de estágios e empregos para a população local.
 
A realização da possível parceria entre o IFBA, a Watva e a associação de garimpeiros poderá originar novos projetos, segundo nota divulgada pelo IFBA. Macedo diz que um dos exemplos é o uso de resíduos descartados na mineração para confeccionar blocos de construção que podem ser doados para comunidades carentes. O diretor do campus afirma que "para colocar essa ideia em prática, o ideal é contar também  com a parceria do município de Jacobina".
 
Notícias de Mineração Brasil
Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Alcoa comemora 9 anos ajudando a transformar a vida das pessoas em Juruti

24 de setembro de 2018

Desde a chegada em Juruti, a empresa já investiu mais de R$ 9,5 milhões em iniciativas voluntárias em comunidades e…

LEIA MAIS

Instagram reúne informações para estudantes e profissionais ligados à geologia

19 de setembro de 2018

Com mais de 26 mil seguidores, o perfil @igeologico apresenta, de forma leve e didática, informações sobre o setor mineral…

LEIA MAIS

Instituto Alcoa promove formação de professores em escolas públicas de Juruti

10 de setembro de 2018

Em busca de conhecimentos, experiências e avanços nas atividades escolares, cerca de 40 professores de escolas públicas de Juruti e…

LEIA MAIS