NOTÍCIAS

Mercado antecipa tempo melhor para minério de ferro

30 de janeiro de 2013

rnChina e bens de capital dão ânimo, diz diretor de relação com investidores. Diretor de finanças vê preço do minério em até US$ 180 no longo prazo.rn”O otimismo do mercado financeiro nos

rn

China e bens de capital dão ânimo, diz diretor de relação com investidores. Diretor de finanças vê preço do minério em até US$ 180 no longo prazo.

rn

“O otimismo do mercado financeiro nos últimos três meses significa que os mercados estão antecipando melhores tempos para o minério de ferro no mundo”, segundo o diretor de Relações com Investidores da Vale, Roberto Castello Branco, disse nesta terça-feira (29) em seminário na Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento de Mercado de Capitais (Apimec).

rn

O diretor-executivo de Finanças e de Relações com Investidores da Vale, Luciano Siani, prevê a médio e longo prazo o preço do minério de ferro no patamar de US$ 110 até US$ 180 por tonelada, enquanto o mercado projeta preços entre US$ 90 a US$ 130, com média de US$ 100.

rn

O diretor acredita num melhor cenário para o minério de ferro a partir de algumas incertezas da economia mundial que foram eliminadas como a possibilidade ruptura do euro, que geraria grande crise mundial, e a perspectiva da bolha de ativos imobiliários na China que poderia levar à recessão.

rn

“A economia chinesa desacelerou bastante, atingindo seu ponto mais baixo nos últimos 13 anos em 2012, mas no quarto trimestre mostrou recuperação. Não esperamos taxas fantásticas de 10% ou 12% ao ano, esperamos 6% a 7% daqui alguns anos, o que é fantástico, é como criar um Brasil em alguns anos”, disse o diretor sobre a China, maior importador de minério de ferro do Brasil.

rn

Para ele, o impacto do crescimento da economia chinesa atinge fortemente os países exportadores de commodities como o Brasil. Outro sinal de boas perspectivas para metais e minérios é o aumento de encomendas de bens de capital, segundo Castello Branco.

rn

“As vendas de varejo estão crescendo. Com a inflação em queda no mundo o poder de compra está aumentado e a produção industrial global dá sinal de recuperação” disse.

rn

Ele ressaltou que houve um período de consumo de estoques em que a produção indústria se retraiu e a demanda por minérios e metais foi menor. “Agora as encomendas de bens de capital aumentam e é um bom sinal para a demanda por minérios e metais”, completou.

rn

China e EUA

rn

Ainda sobre a China, o executivo explicou que a economia vem se recuperando porque houve aumento de oferta de crédito na segunda metade de 2012. “A China começa a desenvolver um mercado financeiro mais amplo de modo informal, não inteiramente dependente de bancos oficiais. Isso está injetando liquidez na economia”, disse.

rn

Ele explicou que os setores de infraestrutura e construção civil são responsáveis pelo consumo de 60% do aço na China, com grande impacto no minério de ferro. Os dois setores vêm crescendo na economia chinesa, disse Castello Branco.

rn

Também a economia americana pode representar boas perspectivas para o minério de ferro. Para o executivo da Vale, o setor privado dos EUA está passando pela revolução do gás natural, representando o renascimento da indústria americana.

rn

“O setor industrial americano com energia barata do gás natural tende a ser uma alavanca para recuperação da economia americana. Apenas a questão não resolvida da dívida cria incertezas”, disse.

rn

Preço do minério

rn

O diretor-executivo de Finanças e de Relações com Investidores da Vale, Luciano Siani, diz que a Vale quer “retomar a liderança em minério de ferro com operações eficientes de baixo custo”.
Falando a investidores, ele disse que o projeto Serra Sul, na Serra de Carajás, poderá entregar minério de ferro para embarque ao custo de US$ 15 dólares por tonelada. Serra Sul estará com capacidade plena em 2018, produzindo 450 milhões de toneladas.

rn

Siani disse que a Vale reconhece que tem um potencial latente que não vem se realizando, principalmente em expansões futuras de minério de ferro, que não cresce desde 2007.  A aposta maior da companhia é na expansão da produção de minério de ferro em Carajás, com investimento de US$ 2 milhões.

rn

“Estamos concentrados em fazer menos coisas para fazer melhor”, disse ele ainda sobre os ativos de que a companhia vêm se desfazendo, como duas minas de níquel de alto custo no Canadá.
Visão neutra do mercado

rn

Felipe Hirai, analista do Bank of America Merril Lynch, explicou que a visão do setor de mineração dos investidores, que era  negativa, hoje é mais neutra, “na medida em que a recuperação de preços se confirme com corte de custos e racionalização de processos das empresas mineradoras”.

rn

Segundo Felipe, as mineradoras desde 2010 vêm sofrendo grande pressão por parte de acionistas, governos e mercado, o que levou as empresas a fazerem ajustes importantes. “Hoje há uma nova realidade. O foco das empresas agora não é mais ser a maior, mas a mais lucrativa. Porém, acho que isso ainda não se refletiu nas ações”, disse o analista.

rn

O diretor da Vale Roberto Castello Branco disse que 2012 foi excelente para a companhia em termos de licenças ambientais. A Vale obteve cem licenças que permitiram a abertura de novas minas, principalmente em Carajás, que tem o maior teor de minério de ferro do mundo, explicou o diretor.

rn

“Em poucos anos poderemos ter um teor médio de ferro de 66% no  minério”, disse, explicando que o teor já teve baixa chegando a pouco mais de 64%.

rn

Sobre redução de custos e proteção ao meio ambiente, o diretor disse que em Carajás a empresa adotou a mineração sem caminhões. “Isso é revolucionário, reduz o consumo de combustível, a emissão de gases e os custos. Outro exemplo usado em maior escala desde algum tempo em Carajás é a mineração a seco. A Vale reutiliza 65% da água que consome”, explicou.

rn

 

rn

 

rn

 

Fonte: G1

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Votorantim Cimentos mobiliza população de Nobres (MT) a incentivar a leitura

5 de novembro de 2018

O programa Parceria Votorantim pela Educação (PVE) chega ao quarto ciclo de atividades em Nobres (MT). A iniciativa, inédita no…

LEIA MAIS

Produção de minério de ferro da BHP cai 4% no trimestre

20 de outubro de 2017

Os números levam em consideração o minério de ferro produzido pela BHP e em parcerias em joint ventures

LEIA MAIS

Estão abertas inscrições para treinamento sobre Apreciação de Risco em Máquinas da Schmersal

22 de outubro de 2018

Multinacional alemã líder mundial em sistemas de segurança para máquinas industriais, a Schmersal divulga o inicio das inscrições para o…

LEIA MAIS