NOTÍCIAS

MG busca mais qualidade na produção de minério

11 de setembro de 2015

Num momento de recuo da mineração, com a oferta maior do que a demanda – sobretudo de minério de ferro – e a consequente redução de preços, empresas de Minas Gerais procuram se reinventar por meio d

Num momento de recuo da mineração, com a oferta maior do que a demanda – sobretudo de minério de ferro – e a consequente redução de preços, empresas de Minas Gerais procuram se reinventar por meio do aumento da qualidade. O Estado é responsável, entre outros itens, por 69% da produção de minério de ferro brasileira, por 100% da produção de chumbo, lítio e zinco, 90% da produção de nióbio, 63% da produção de ouro, 89% da produção de grafita e 50% da produção de calcário. 

Na última atualização do Produto Interno Bruto (PIB) mineiro, em 2012, a mineração foi responsável por 5,2% (US$ 21,142 bilhões) da riqueza produzida no Estado. Se considerada a indústria extrativa e a transformação mineral, a participação sobe para 17% (R$ 68,926 bilhões). “Vivemos agora um momento bastante sofrido para a produção mineral no cenário macroeconômico internacional, após anos de bonança”, diz o sub¬secretário estadual de Políticas Minerais e Energéticas de Minas Gerais, José Guilherme Ramos. “Assim, cada um tenta cumprir o dever de casa: as empresas reduzem custos e melhoram a produção e o governo reduzindo entraves para o setor, sobretudo em relação às questões ambientais”, diz.

“É necessário considerar não apenas a indústria extrativa, pois a mineração é a primeira etapa de uma complexa cadeia de valor”, afirma o sub-secretário. Minas Gerais registrou exportação no valor de US$ 18,23 bilhões em 2013, o que representa 54,5% de tudo que é exportado pelo Estado. Uma expansão superior a 600% nos últimos dez anos. Em 2004, esse valor alcançava US$ 2,50 bilhões, 24,5% das exportações mineiras. Ramos lembra ainda que, mesmo com uma redução de preços acentuada desde o ano passado, a mineração deverá manter o seu peso nas exportações de Minas Gerais. Ramos explica que, entre outras iniciativas, há uma tentativa de o governo estadual reduzir o período para obtenção de licença ambiental para novas lavras, atualmente em 30 meses. 

A expectativa da força tarefa do governo, criada para reduzir a burocracia, é de que as licenças ambientais sejam concedidas em quatro meses. A realização de um amplo diagnóstico geológico no Estado, para a descoberta de jazidas de alta qualidade, é outra iniciativa do governo estadual, diz o sub-secretário. “Há uma força tarefa no Estado para a redução do prazo para licenças ambientais. Já o mapeamento geológico possibilita a abertura de novos negócios no setor, principalmente com minério de alta qualidade”, diz. Para o economista do Ibmec Minas Gerais, Marcus Xavier, o fim do ciclo de bonança da mineração, com a redução do preço da commoditie e a oferta maior do produto do que a procura, pode representar uma mudança no eixo dos negócios do setor, com as empresas caminhando na direção de novas aquisições e projetos de fusão.

rn

 

rn

 

rn

 

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Anglo American divulga resultados de produção do terceiro trimestre

24 de outubro de 2017

A Anglo American reportou um aumento de 6% na produção total em base equivalente de cobre, em comparação com o mesmo período em 2016.

LEIA MAIS

Apesar de queda da cotação do ferro, receita do Brasil deve ser estável

27 de novembro de 2018

Cotação internacional do minério de ferro recuou de mais de 8% A cotação da tonelada de minério de ferro caiu…

LEIA MAIS

MINÉRIO DE FERRO: Preço tem leve alta no mercado futuro

1 de novembro de 2017

O contrato mais negociado no mercado futuro de minério de ferro, na China, com vencimento em janeiro de 2018, passou de 428 para 429,5 iuanes, ou US$ 65,09 a tonelada, de acordo com o câmbio.

LEIA MAIS