NOTÍCIAS

Mineração de asteroides pode ser corrida ao ouro deste século

14 de fevereiro de 2013

rnA exploração do espaço sempre fascinou o homem e os primeiros passos para esta aventura gloriosa podem muito bem estar a caminho. Duas jovens empresas pioneiras – a Planetary Resources Inc. e a Deep Space Industries &ndas

rn

A exploração do espaço sempre fascinou o homem e os primeiros passos para esta aventura gloriosa podem muito bem estar a caminho. Duas jovens empresas pioneiras – a Planetary Resources Inc. e a Deep Space Industries – elaboraram planos para começar a mineração de asteroides.

rn

A mineração de asteroides refere-se a explorar e utilizar asteroides que voam próximos da Terra em busca de metais raros e preciosos e água. Estes poderiam ser extraídos e trazidos à Terra para uso como matéria-prima ou ajudariam na sustentação de outras operações espaciais.

rn

“A Planetary Resources revolucionará a forma como o espaço é explorado, permitindo a criação de uma rede de depósitos de combustível pelo sistema solar. A razão da exploração espacial ter permanecido tão cara até agora é que cada quilograma de combustível, ar e consumíveis que temos de levar ao espaço é trazido da superfície da Terra. Utilizando os recursos do espaço para explorar o espaço é o que permitirá o futuro brilhante que sonhamos”, disse Eric Anderson, cofundador e copresidente da Planetary Resources, num comunicado.

rn

As duas empresas afirmam que a mineração destas rochas espaciais é mais fácil do que a mineração da crosta terrestre. E parece que há muitos metais preciosos lá em cima à espera de serem explorados. Uma única rocha espacial de 500 metros de largura e rica em platina conteria o equivalente a todos os metais do grupo platina já minerados na história humana, disseram as autoridades da Planetary Resources.

rn

Há também muitos asteroides com água. A água pode ser dividida em hidrogênio e oxigênio, os principais componentes do combustível de foguetes e que também pode ser consumido por astronautas e engenheiros que trabalhem nas estações espaciais e para cultivar vegetais. Atualmente, esses recursos precisam ser levados da Terra e esses custos poderiam ser reduzidos quase inteiramente por meio da mineração de asteroides.

rn

Inicialmente haveria missões de reconhecimento para verificar os asteroides com disponibilidade de recursos. Estes seriam feitos por sondas pequenas. A Deep Space Industries planeja enviar sondas, chamadas “vaga-lumes”, feitas de componentes “CubeSat” de baixo custo que viajarão ao espaço em foguetes. Então, com base em seus resultados, naves maiores, chamadas “libélulas”, serão enviadas para coletar amostras que possam ser vendidas a pesquisadores e colecionadores e para estabelecer metas de mineração.

rn

Esses grandes projetos precisam de patrocinadores que estão bem atrelados com fundos. Os principais financiadores da Planetary Resources são o cineasta James Cameron e o fundador do Google, Larry Page, e o ex-CEO Eric Schimdt.

rn

Os projetos ainda estão em fase de elaboração e há muito trabalho a ser feito, com muitas tecnologias ainda em estágio inicial. Mas o espírito de descoberta e exploração que a humanidade depende principalmente para se estabelecer como espécie dominante está vivo e vigoroso nessas empresas, indicando que o futuro da mineração de asteroides será realmente muito interessante.

rn

 

rn

 

rn

 

Fonte: The Epoch Times

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



ArcelorMittal Tubarão lança projeto para dessalinizar água do mar

21 de janeiro de 2019

O projeto demandará investimentos em torno de R$ 50 milhões, gerará cerca de 220 vagas de emprego (no pico da…

LEIA MAIS

Participe do I Seminário de Extensionismo Técnico Mineral

15 de outubro de 2018

Estão abertas as inscrições para o I Seminário de Extensionismo Técnico Mineral. O evento, promovido pela Agência Nacional de Mineração (ANM),…

LEIA MAIS

Votorantim Cimentos mobiliza população de Nobres (MT) a incentivar a leitura

5 de novembro de 2018

O programa Parceria Votorantim pela Educação (PVE) chega ao quarto ciclo de atividades em Nobres (MT). A iniciativa, inédita no…

LEIA MAIS