NOTÍCIAS

Operação da Anglo American substitui óleo por eucalipto

26 de setembro de 2017

Batizada de Projeto Fornalha, iniciativa permite o uso do cavaco de eucalipto para geração de gás quente no forno de secagem do minério

A substituição de um óleo derivado do petróleo por uma matéria-prima renovável e não poluente é o grande trunfo do Projeto Fornalha, da Codemin, operação da Anglo American que produz níquel na cidade de Niquelândia (GO). No mês de agosto, entrou em operação a nova fornalha para geração de gás quente no forno de secagem do minério. Como combustível para aquecimento, ela permite utilizar cavaco de eucalipto no lugar do óleo.
 
A nova fornalha, que tem cerca de 3 metros de largura, 6 metros de comprimento e 4 metros de altura, possui capacidade de geração de 4,5 gigacalorias por hora (Gcal/hora), provenientes da queima do cavaco de eucalipto, um combustível renovável. “Levamos cerca de 18 meses para implantar a nova fornalha, com um investimento de R$ 9 milhões”, recorda José Antônio Rodrigues Júnior, gerente de Processos.
 
Para aquecer o secador de minério, são utilizadas 750 toneladas de cavacos de madeira por mês. O novo combustível vem das florestas de eucalipto mantidas pela empresa também em Niquelândia, em um processo constantemente renovável. A queima do eucalipto no lugar do óleo mineral reduz significativamente a emissão de gás carbônico e seu impacto na atmosfera.
 
A ideia surgiu no setor de Processos da Codemin, que levantou a possibilidade de se utilizar o cavaco de eucalipto – já usado como agente redutor de minério – para geração de gás quente no forno secador de minério, substituindo o óleo 1A, um combustível viscoso proveniente da destilação das frações do petróleo.
 
Os cálculos de viabilidade técnica e econômica foram realizados e, em seguida, aprovados pela empresa. “A partir daí, a equipe de engenharia entrou em ação, detalhando todo o projeto, fazendo as aquisições necessárias, montagem e início do novo sistema ”, explica Marcelo Ito, coordenador de Projetos.
 
A nova fornalha é uma caixa refratária com uma grelha inferior, onde há a queima do cavaco e a geração de gases quentes. Esses gases são insuflados no forno secador de minério. Entre as principais peças que compõem a fornalha e seus acessórios estão ventiladores, dutos de ar e de gases e uma câmara de equalização dos gases, que tem a função de garantir a temperatura desejada. “Com exceção do próprio forno secador, todo o restante do sistema de geração de calor é novo, desenvolvido para essa finalidade”, comenta Marcelo Ito.
 
O novo sistema representa, ainda, uma considerável redução de custo para a companhia. Segundo José Antônio Rodrigues, a economia gerada pelo uso do cavaco de eucalipto no lugar do óleo 1A é da ordem de R$ 3 milhões por ano.
 
Redução na emissão de gases do efeito estufa

A eficiência operacional, aliada ao desenvolvimento sustentável e ao respeito ao meio ambiente, é um dos pilares da operação níquel da Anglo American. O Projeto Fornalha tem como objetivo a redução do consumo de combustíveis fósseis e, consequentemente, a emissão de gases do efeito estufa e de poluentes. Também no mês de agosto, a Anglo American recebeu o Selo Ouro do Programa Brasileiro GHG Protocol, pela total transparência dos programas de controle de emissão e gases do efeito estufa. Tanto na operação do Minas-Rio, que produz minério de ferro, quanto nas operações para produção de níquel, em Niquelândia, houve redução na emissão de gases do efeito estufa.
 
Sobre a Anglo American

O Grupo Anglo American está presente no Brasil com a produção de níquel e minério de ferro, negócios que foram integrados em uma estrutura única em 2017. Com as operações de Barro Alto e Codemin, localizadas nas cidades de Barro Alto e Niquelândia (GO), produzimos ferroníquel. Por meio de um sistema integrado de logística, no Minas-Rio, produzimos minério de ferro a partir da mina e da usina localizadas em Alvorada de Minas e Conceição do Mato Dentro (MG). O minério é transportado por mineroduto até o terminal de minério de ferro do Porto de Açu, em São João da Barra (RJ), empreendimento que tem 50% de participação da Anglo American. Atualmente, o Minas-Rio está em processo de licenciamento ambiental da Etapa 3, que permitirá à empresa alcançar a produção de 26,5 milhões de toneladas por ano.
 
A companhia conta com 3,3 mil empregados próprios no Brasil e outros 4 mil terceirizados. Juntos, eles formam uma força de trabalho que utiliza tecnologia de ponta para encontrar novos recursos, planejar e operar as minas. Esses profissionais também mineram, processam, transportam e comercializam os produtos para nossos clientes ao redor do mundo.
 
A Anglo American é uma mineradora global diversificada. Nosso portfólio tem alta competitividade e os recursos em desenvolvimento fornecem as matérias-primas para atender às crescentes demandas voltadas para o consumidor das economias desenvolvidas e em fase de desenvolvimento
 
Como uma mineradora responsável, que tem em seu portfólio – diamantes (De Beers), cobre, platina e outros metais preciosos, além de, minério de ferro, carvão e níquel, somos guardiães de recursos naturais valiosos. Trabalhamos em conjunto com nossos parceiros e públicos de relacionamento para trazer valor de longo prazo para acionistas e também para os países onde operamos, gerando valor sustentável e fazendo a diferença real.
 
Mais informações sobre a empresa estão disponíveis no site www.angloamerican.com.br
Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



IBRAM realiza pesquisa sobre o que o público gostaria de ver na EXPOSIBRAM 2020

28 de outubro de 2019

O que você gostaria de sugerir para a próxima edição da  Expo & Congresso Brasileiro de Mineração (EXPOSIBRAM)? Considerada a…

LEIA MAIS

Alubar prioriza fornecedores do Pará

10 de abril de 2018

Em 2017, a maior parte dos investimentos da Alubar com compras e serviços foi aplicada no Pará. A fábrica, líder…

LEIA MAIS

AngloGold Ashanti realiza simulado de emergência de barragem na comunidade de Barra Feliz

19 de novembro de 2018

Terceiro evento em Santa Bárbara mobiliza moradores. Mais de 240 se envolveram na ação, 60% do público-alvo. Próximo treinamento ocorrerá…

LEIA MAIS