NOTÍCIAS

Para IBRAM, atualização do Código de Mineração anunciada hoje poderá atrair investimentos ao Brasil

12 de junho de 2018

Os decretos assinados hoje pelo Presidente da República, Michel Temer, atualizam o Código de Mineração, estabelecem novas regras para a Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM) e, se cumpridos à risca, poderão estimular mais investimentos na mineração brasileira. É o que espera o Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM – www.portaldamineracao.com.br/ibram), representante das mineradoras.

Na avaliação do IBRAM, as condições expostas no decreto que atualiza o Código poderão recuperar a segurança jurídica necessária para os negócios de longo prazo que caracterizam a indústria da mineração. O IBRAM anunciou que irá acompanhar a aplicação das novas medidas e avaliará os impactos no desempenho da indústria da mineração nos próximos anos.

Os textos dos dois decretos foram finalizados pelo Palácio do Planalto após o Executivo ter recebido contribuições da sociedade e do setor produtivo a partir de consultas e audiências púbicas.

Temer enaltece importância do setor mineral para o Brasil

O Presidente Michel Temer disse na solenidade de assinatura dos decretos que “a mineração ganha novo patamar na história brasileira” ao explicar a importância dos dois documentos. “Este é um ato reformista. Deu sentido, deu substância a um setor importantíssimo para nosso País”, afirmou.

Temer lembrou as muitas contribuições históricas da atividade para o Brasil: “vejam o quanto a mineração fez pelo desenvolvimento do País ao longo da história”. Ele afirmou que o governo e a sociedade querem “uma mineração competitiva, inovadora e sustentável” e isso será ainda mais facilitado após a edição dos decretos.

O ministro Moreira Franco, titular das Minas e Energia, discursou e citou números do setor mineral para justificar a atenção do governo em atualizar o Código Mineral.  O ministro enfatizou que a mineração responde por 4% do PIB; por 21% das exportações brasileiras; gera 200 mil empregos no segmento extrativo.  “Ninguém consegue viver sem um mineral ao seu lado”, afirmou para enaltecer a importância de o Brasil apoiar a mineração.

O Secretário Nacional de Mineração, do MME, Vicente Lobo, muito emocionado, discursou e disse que os dois decretos são um momento de “grandeza” para o setor mineral brasileiro. Os decretos, segundo ele, traduzem a necessidade histórica de um setor, responsável por 4% do PIB, que poderá impulsionar ainda mais a economia nacional.

O empresário Luciano Borges, da Serra Verde Pesquisa e Mineração, falou em nome do setor privado e celebrou o fato de a mineração ter voltado à agenda da Presidência da República.

As mudanças dos dois decretos

Até o encerramento desta matéria, não foi possível ter acesso à íntegra dos dois decretos, razão pela qual, reproduzimos, a seguir, informações presentes ao site do MME.

Um dos decretos altera a distribuição da CFEM

Nota do MME informa que a CFEM é uma participação monetária paga pelas mineradoras para compensar os efeitos das atividades de mineração. Com o decreto, os municípios não produtores, mas que são impactados pelo transporte, embarque e presença de instalações industriais em seu território, receberão 15% da CFEM. O percentual foi obtido a partir da redução nos valores que serão pagos aos outros entes federativos. Os municípios recebiam 65% e passarão a ter 60%; para os estados, a alteração é de 23% para 15%; para a União, a mudança é de 12% para 10%. Em 2017, o setor mineral pagou cerca de R$ 1,8 bilhão com a CFEM.

O outro decreto atualiza as normas do Código de Mineração, datado de 1967. Segundo a nota do MME, entre as mudanças estão exigências ambientais mais rígidas, como a previsão expressa da responsabilidade do minerador de recuperar áreas degradadas. Além disso, será obrigatória a execução adequada de um plano de fechamento de mina, que passa a integrar o conceito de atividade minerária.

Para possibilitar o desenvolvimento de novas tecnologias e a consequente redução de passivos ambientais, o decreto prevê que a Agência Nacional de Mineração (ANM) discipline em resolução o aproveitamento de rejeitos e resíduos da atividade mineradora.

Outro incentivo é a permissão do uso do título minerário (portaria de lavra) como garantia de financiamento. O objetivo é gerar linhas de crédito e estimular investimentos no setor. As áreas minerárias devolvidas ou retomadas pela União serão ofertadas ao mercado via processo de seleção e julgamento com critérios objetivos, em substituição ao atual procedimento, caracterizado como moroso.

Direito de propriedade e mais investimentos

O decreto, diz a nota do MME, mantém o direito de propriedade para pesquisa e passa a permitir ao titular a continuidade desse tipo de trabalho após a apresentação de um relatório final, com o objetivo de conversão de recursos em reservas. A mudança atende uma demanda do setor, que era obrigado a interromper as atividades até a análise e parecer dos entes reguladores sobre o relatório final de pesquisa.

O texto do novo código traz ainda a atualização de conceitos, para que as práticas da indústria mineral, com a definição de recursos e reservas com base em padrões internacionais, aproximem a realidade da mineração nacional ao que se pratica no mundo inteiro. As normas vão contribuir para a atratividade do setor, imprimindo maior transparência, agilidade e segurança jurídica ao setor mineral brasileiro.

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



LITOTECA DA CBPM É REABERTA

5 de outubro de 2015

Os interessados em fazer consultas em amostras de testemunhos de sondagem de projetos pesquisados pela Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM) já podem programar visitas à Litoteca da empresa.

LEIA MAIS

Venda interna de aço cresce 2,3% em 2017

23 de janeiro de 2018

As vendas internas cresceram 2,3% em 2017 e atingiram 16,9 milhões de toneladas, de acordo com dados do Instituto Aço…

LEIA MAIS

MINÉRIO DE FERRO: Preço tem leve alta no mercado futuro

1 de novembro de 2017

O contrato mais negociado no mercado futuro de minério de ferro, na China, com vencimento em janeiro de 2018, passou de 428 para 429,5 iuanes, ou US$ 65,09 a tonelada, de acordo com o câmbio.

LEIA MAIS