NOTÍCIAS

Parceria entre CNI e Apex-Brasil ajudará 1,3 empresas a atuarem no comércio exterior

30 de junho de 2017

Convênio entre as instituições buscará formar 1 mil novas exportadoras e apoiará a consolidação de mais de 300 empresas no mercado internacional

A Confederação Nacional da Indústria (CNI), por meio da Rede Brasileira de Centros Internacionais de Negócios (Rede CIN), e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) renovaram a parceria para promover a inserção de empresas brasileiras no comércio internacional. Ao longo de dois anos, serão investidos R$ 14 milhões em missões prospectivas, comerciais, encontros de negócios no Brasil e no exterior, além de apoio ao investidor estrangeiro. A meta é atender 1,3 mil empresas, sobretudo de pequeno e médio portes. As ações devem resultar em R$ 900 milhões em negócios.
 
A expectativa do convênio é fortalecer a atuação de mais de 300 empresas no exterior e contribuir para a internacionalização de cerca de 1 mil indústrias. “A cooperação entre CNI e Apex-Brasil tem buscado a promoção de negócios, a ampliação da base de empresas brasileiras exportadoras e o fortalecimento da imagem do Brasil como um player de relevância nos mercados internacionais”, afirma o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi.
 
Em 2017, estão previstas 27 ações – 15 no Brasil e 12 no exterior. A iniciativa prioriza o desenvolvimento de oito setores industriais: alimentos e bebidas, têxtil e calçados, máquinas e equipamentos, móveis e madeira, construção, químicos e farmoquímicos, além de tecnologias da informação e comunicação.
 
RESULTADOS – A CNI e a Apex-Brasil mantêm a parceria para apoiar a internacionalização desde 2008. Na última edição do convênio, entre 2015 e 2016, foram investidos R$ 10,5 milhões em ações que beneficiaram 1,6 mil empresas. Dessas, 300 se tornaram exportadoras e movimentaram R$ 1 bilhão em negócios no exterior.
 
Desde 2008, mais de 6 mil empresas foram beneficiadas pela parceria entre a CNI e a Apex-Brasil. Entre elas estão a Caleidoscópio, marca alagoana de joias artesanais, e a Maryne, indústria paraense de alimentos. A Maryne produz alimentos congelados como pão de queijo, pão francês, salgados, biscoito três queijos e Chipa Paraguaia. A empresa existe há 23 anos e foi fundada pela mãe do empresário Délcio Sá, Maryanne Mendes, que começou vendendo pão de queijo caseiro.
 
O negócio cresceu e ela alugou um salão para aumentar a produção, contratou funcionários e depois fundou a indústria. Hoje, a fábrica vende para as regiões Norte e Nordeste e está em negociação para começar a vender para a região Centro-Oeste. Em 2015, a empresa começou a desenvolver o plano de exportação com a Federação das Indústrias do Estado do Pará (FIEPA), amparada pelo convênio entre CNI e Apex-Brasil . O empresário fez cursos e treinamentos. Aprendeu sobre merchandising, marca, embalagem e o passo a passo para exportar. No começo de 2016, começou a vender para os Estados Unidos. Agora, a empresa está em negociação para vender para México, Paraguai e países da África.
Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Gerdau apoia workshop do projeto Gustavo Penna 73/23

19 de novembro de 2018

Hoje e amanhã (19 e 20 de novembro), a Escola de Arquitetura e Urbanismo da PUC Minas – Poços de…

LEIA MAIS

Estão abertas inscrições para treinamento sobre Apreciação de Risco em Máquinas da Schmersal

22 de outubro de 2018

Multinacional alemã líder mundial em sistemas de segurança para máquinas industriais, a Schmersal divulga o inicio das inscrições para o…

LEIA MAIS

Belo Horizonte receberá seminário sobre Barragens de Rejeitos

22 de outubro de 2018

As barragens de rejeito estarão em foco na segunda edição do Seminário UK-Brazil Mining Forum. O evento será realizado em Belo…

LEIA MAIS