NOTÍCIAS

Pedras coradas em MT

11 de maio de 2012

rnA mineração de Mato Grosso tem atraído cada vez mais empresas a investirem em pesquisa, extração e transformação no setor mineral, sendo o 4º estado brasileiro com maior número de requeri

rn

A mineração de Mato Grosso tem atraído cada vez mais empresas a investirem em pesquisa, extração e transformação no setor mineral, sendo o 4º estado brasileiro com maior número de requerimentos de áreas de pesquisa. Desses requerimentos, 40% são destinados a prospecção de ouro. Juntamente com os setores de telecomunicações, mídia e tecnologia e bens de capital, a mineração foi avaliada, por uma corretora financeira de renome, como um dos setores mais atrativos para investimentos da bolsa brasileira. 

rn

 

rn

Para visualizar o crescimento, os gráficos do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) demonstram a evolução do volume lavrado de ouro em Mato Grosso: em 2003 foi de 173 kgs, passando para 1.843 kgs em 2005, atingindo 8.092 kgs em 2011. Atualmente, as áreas mato-grossenses que concentram a extração de ouro estão no norte do estado (Aripuanã, Alta Floresta e Peixoto de Azevedo), na região de Pontes e Lacerda e na Baixada Cuiabana. De 2014 a 2020, estão previstas a expansão dos projetos de mineração em Pontes e Lacerda, Porto Esperidião, Nova Xavantina e Guarantã do Norte. 

rn

 

rn

No ano passado, o governador Silval Barbosa firmou um compromisso entre o governo de Mato Grosso, o federal, as empresas mineradoras e as cooperativas dos garimpeiros, definindo três pontos básicos: o ordenamento e regularização da área a ser explorada, a licença ambiental e o compromisso de controle ambiental, aliado à recuperação das áreas degradadas. Por meio da Companhia Mato-grossense de Mineração (Metamat), o governo vem dando apoio às cooperativas para o equilíbrio social, minimizar conflitos, dar orientação e apoio técnico aos pequenos mineradores. 

rn

 

rn

Paralelo ao setor de mineração, a extração de pedras coradas, inicialmente considerado rejeito da mineração, hoje, reconhecidamente valorizada e comercializada, poderá colocar Mato Grosso na formação da Cadeia Produtiva de Gemas, Jóias e Bijuterias (extração, lapidação e produção de jóias e bijuterias), integrando o processo de exportações previstas pelo Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos (IBGM). Segundo a entidade, a divulgação e participação em Feiras nacionais e internacionais, ajudará a expandir o programa de exportação previsto para os próximos anos, cujos compradores em potencial de jóias de ouro são os Emirados Árabes, Estados Unidos, Rússia e Peru e o mercado de pedras coradas e preciosas: China, Estados Unidos, Alemanha e Japão. Para as jóias folheadas e bijuterias estão: Estados Unidos, França, México, Argentina, Colômbia, Angola e Itália. 

rn

 

rn

No Brasil, em comparação à 2010, o setor de pedras teve um aumento de 30% nas exportações, em 2011. Somente nos dois primeiros meses deste ano, as exportações da cadeia produtiva já alcançaram 38% a mais no mesmo período do ano passado. 

rn

 

rn

Desde o ano de 1674, quando o bandeirante Fernão Dias partiu de São Paulo liderando uma expedição para descobrir esmeralda, encontrando turmalinas em Minas Gerais, abriu caminho para descoberta de ouro e diamante. Tornou, assim, o Brasil como o maior produtor mundial do século XVIII. Importante para o desenvolvimento do país, a mineração provocou um aumento populacional e a reorganização da vida política, econômica e administrativa no período colonial. Regulou, também, o comércio juntamente à urbanização, expandindo as fronteiras do Tratado de Tordesilhas. 

rn

 

rn

Hoje, o Brasil realiza intercâmbio comercial de produtos de origem mineral envolvendo mais de 200 países. O setor de mineração representa 3% do PIB nacional, segundo relatório do IBGE de 2011. Apesar de parecer uma parcela reduzida do PIB, é considerado pelos analistas econômicos como um elevado efeito multiplicador na economia nacional, provocando um círculo virtuoso na geração de emprego e renda. 

rn

 

rn

As pedras coradas – também denominadas gemas coradas – é considerada uma atividade empresarial como o ouro e diamante, com crescente desenvolvimento e melhoria dos níveis organizacionais. A capacitação e a qualificação em relação à melhoria da gestão estratégica, associado ao aumento do valor agregado dos produtos brasileiros no mercado externo são as orientações para o sucesso do empreendimento dadas pelo setor organizado. Mato Grosso está nesse caminho. 

rn

 

Fonte: Diário de Cuiabá

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Samarco: os três anos do rompimento de Fundão

5 de novembro de 2018

O rompimento da barragem de Fundão completa 3 anos. Uma realidade que faz parte da jornada da Samarco. O dia…

LEIA MAIS

AngloGold Ashanti realiza simulado de emergência de barragem na comunidade de Barra Feliz

19 de novembro de 2018

Terceiro evento em Santa Bárbara mobiliza moradores. Mais de 240 se envolveram na ação, 60% do público-alvo. Próximo treinamento ocorrerá…

LEIA MAIS

As conexões entre os fatos de hoje e as tecnologias de amanhã

14 de janeiro de 2019

Revista Época Negócios destacou a “A extração da Inovação”. A iniciativa surgiu de uma parceria entre as principais mineradoras brasileiras…

LEIA MAIS