NOTÍCIAS

Polêmica taxa de carbono entra em vigor na Austrália

3 de julho de 2012

rnEmpresas estão obrigadas a pagar R$ 47,58 pela emissão de cada tonelada métrica de CO2, uma medida que promete incentivar a busca por uma economia mais limpa, mas que divide o país e acirra a disputa entre partidos pol&i

rn

Empresas estão obrigadas a pagar R$ 47,58 pela emissão de cada tonelada métrica de CO2, uma medida que promete incentivar a busca por uma economia mais limpa, mas que divide o país e acirra a disputa entre partidos políticos

rn

A Austrália começa esta semana vivendo um acalorado debate político, ambiental, ideológico e econômico. O governo colocou em prática o que foi batizada de ´taxa de carbono´, medida que obriga 294 companhias a pagar R$ 47,58 (A$23) pela tonelada métrica de dióxido de carbono (CO2) que emitirem. A taxa é o primeiro passo para a criação de um mercado de carbono, que deve ser formado em 2015. 

A decisão, que já vem alimentando discussões há meses, divide empresas, que informaram que repassarão os custos para os consumidores, cidadãos e partidos políticos. 

De acordo com uma pesquisa do Instituto Lowy, 63% dos eleitores se opõem à nova política. Além disso, 57% dos australianos apoiam a promessa do líder da oposição, Tony Abbott, de abandonar o esquema se ele ganhar a próxima eleição, prevista para o final de 2013. (Veja outras pesquisas de opinião)

Para tentar mudar esse quadro, a primeira-ministra, Julia Gillard, está realizando uma maratona de entrevistas e utilizando inclusive redes sociais na Internet, como o Twitter, para esclarecer algumas dúvidas e dissipar o temor de que o custo de vida na Austrália irá aumentar.

“A partir de agora as pessoas poderão julgar por elas mesmas, sem serem induzidas a acreditar nas teorias de que será a ruína econômica do país. O céu não está caindo e muitos lares estão recebendo cortes de impostos para lidar com possíveis aumentos na conta de luz, por exemplo”, afirmou Gillard, mencionando os A$ 10,10 semanais a que pessoas de baixa renda terão direito como compensação. 

O governo também tentou acalmar os ânimos das empresas e liberou A$ 300 milhões para os setores de exportação que serão afetados pela taxa. Além disso, Gillard salienta que nesta primeira fase, 94,5% dos créditos serão distribuídos gratuitamente. Essa porcentagem cairá em 1,3% ao ano.

Segundo o plano, o valor da taxa de A$23 vai aumentar 2,5% anualmente antes de se transformar em um preço flutuante sujeito às necessidades do mercado em 2015. 

Empresas

As companhias sob o esquema, responsáveis por cerca de 60% das emissões australianas, não apresentam uma opinião consensual sobre a taxa.

Enquanto associações e grupos que reúnem grandes emissores, como o setor da mineração, são totalmente contra a medida e fizeram campanha para que ela não entrasse em vigor, uma coalizão chamada ´Empresas para uma Economia Limpa´ está apoiando a primeira-ministra.

Em uma declaração pública, a entidade, que possui 300 empresas afiliadas, reconhece a importância de um preço sobre o CO2 e defende a taxa como um mecanismo para ajudar a transição para uma economia de baixo carbono.

“Um preço para o carbono e medidas complementares ajudarão a Austrália a permanecer competitiva e vão incentivar o crescimento de setores como energia limpa, eficiência energética e tecnologias de baixo carbono”, afirma a declaração.

Oposição Política 

O líder do partido liberal, Tony Abbott, é a principal voz contrária à nova taxa e vem angariando apoio de outros partidos e de eleitores conservadores para sua candidatura ao cargo de primeiro-ministro.

“Esta medida aumentará o custo de vida das famílias, deixará os empregos mais vulneráveis e não ajudará em nada o meio ambiente”, afirmou Abbott durante uma conferência nacional do partido Liberal neste domingo (1).

Ele reforçou que se for eleito em 2013 vai abolir a medida. “Vocês podem ter certeza que não haverá taxa de carbono em um governo que eu lidere.”

Em Sidney, mais de duas mil pessoas marcharam nesta segunda-feira (2) contra a taxa, pedindo que as eleições sejam antecipadas.

O ministro de Mudanças Climáticas, Greg Combet, afirmou que a história vai provar que a ´taxa de carbono´ é uma reforma econômica necessária e que foi a “coisa certa a ser feita”. 

“Está sendo difícil para o governo, mas é o caminho a ser seguido. A taxa encorajará os maiores emissores desse país a buscar melhores maneiras de produção e novas tecnologias mais eficientes”, declarou Combet.

A Austrália é o maior emissor per capita do planeta e possui 75% de sua geração elétrica baseada no carvão. A taxa sobre o carbono deve representar um corte de 160 milhões de toneladas nas emissões até 2020.

rn

 

Fonte: Carbono Brasil

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Belo Horizonte é o terceiro mercado de coworking no Brasil

27 de novembro de 2018

Maior empresa do setor no mundo lança espaço de seis andares na cidade Terceiro maior mercado de coworkings do Brasil…

LEIA MAIS

IBRAM promove em agosto a 9ªedição do CBMINA

28 de fevereiro de 2018

As inscrições para submissão de trabalhos podem ser feitas até o dia 13 de abril O Instituto Brasileiro de Mineração…

LEIA MAIS

Brasil terá 1º hub de inovação para a indústria mineral

19 de novembro de 2018

Inédita no setor em nível global, iniciativa de mineradoras brasileiras em parceria com a WeWork pretende impactar positivamente a competitividade…

LEIA MAIS