NOTÍCIAS

Projeto Serra Azul pode aumentar investimento da Vale para US$ 54,5 Bi

10 de abril de 2012

rnProblemas com a obtenção das licenças ambientais adiou o projeto de 90 milhões de toneladas de minério de ferro no Pará.rnAs dúvidas sobre o ritmo de crescimento da China não mudaram os p

rn

Problemas com a obtenção das licenças ambientais adiou o projeto de 90 milhões de toneladas de minério de ferro no Pará.

rn

As dúvidas sobre o ritmo de crescimento da China não mudaram os planos de expansão da Vale. Até junho, a mineradora espera obter o aval do Conselho de Administração para tirar do papel o projeto Serra Sul, no Pará, orçado em US$ 19,5 bilhões. Se aprovado, o investimento da Vale programado para os próximos quatro anos sobe para um total de US$ 54,5 bilhões.  

rn

“Em um ‘chute’ só, vamos adicionar mais de 90 milhões de toneladas (à nossa capacidade de produção)”, afirmou o presidente da Vale, Murilo Ferreira, ao lembrar que a companhia levou 16 anos para conseguir ampliar a produção na região para cerca de 100 milhões de toneladas.  

rn

Maior projeto da Vale e da indústria de minério de ferro, o Serra Sul era previsto inicialmente para entrar em operação no segundo semestre de 2014. Mas, desde o fim do ano passado, a companhia já trabalha com um novo cronograma para o empreendimento: o segundo semestre de 2016. O atraso teve como pano de fundo dificuldades na obtenção do licenciamento ambiental.  

rn

Em palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro, o executivo descartou uma desaceleração no ritmo de crescimento da China. “A demanda por minério na China cresceu 6% no primeiro trimestre, quando todos achavam que viria  abaixo. Essa é a China que nos surpreende a cada dia”, afirmou. E completou: “Não estamos preocupados com o que acontece neste trimestre, no semestre e nem no ano seguinte.” 

rn

O dinamismo da gigante asiática, lembrou, é que vem sustentando os ambiciosos planos de expansão da mineradora. Sozinha, a China respondeu  por 32% da receita da companhia no ano passado. Por importar mais de 60% do minério de ferro que consome, Ferreira acredita que a China está cada dia mais dependente do insumo produzido no Brasil e na Austrália.  

rn

Um cenário que reforça os planos de expansão da companhia e exige estratégias para minimizar a desvantagem geográfica frente aos concorrentes australianos. Uma delas é construir centros de distribuições no Oriente Médio e no Sudeste Asiático. Segundo ele, o importante é pensar na demanda por insumos básicos no longo prazo. “Não posso estar preocupado com a visão do jornal de amanhã. Temos que estar preparados para produzir os produtos que a China, o Japão e a Coreia vão precisar no futuro”, disse.  

rn

Potássio e fosfato. Em sua palestra, o presidente reafirmou o interesse da mineradora em se tornar uma das quatro maiores produtoras de potássio e fosfato. A estratégia tem como pano de fundo atender o crescimento da demanda chinesa, que lidera o ranking de consumidores de fertilizantes no mundo. “Estamos fazendo grande esforço para ficarmos entre os quatro maiores produtores de potássio e fosfato, através dos projeto de carnalita, em Sergipe, e Rio Colorado, na Argentina.”  

rn

Em fevereiro, depois de anos de negociação, a Vale conseguiu fechar com a Petrobras um contrato de arrendamento de 30 anos para explorar as reservas de carnalita, minério do qual se extrai o cloreto de potássio. Com o acerto, a mineradora consegue tirar do papel um megaprojeto de produção de fertilizantes, estimado em US$ 4 bilhões. 

rn

 

Fonte: Estadão

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Votorantim Cimentos mobiliza população de Nobres (MT) a incentivar a leitura

5 de novembro de 2018

O programa Parceria Votorantim pela Educação (PVE) chega ao quarto ciclo de atividades em Nobres (MT). A iniciativa, inédita no…

LEIA MAIS

Alcoa comemora 9 anos ajudando a transformar a vida das pessoas em Juruti

24 de setembro de 2018

Desde a chegada em Juruti, a empresa já investiu mais de R$ 9,5 milhões em iniciativas voluntárias em comunidades e…

LEIA MAIS

ArcelorMittal Tubarão lança projeto para dessalinizar água do mar

21 de janeiro de 2019

O projeto demandará investimentos em torno de R$ 50 milhões, gerará cerca de 220 vagas de emprego (no pico da…

LEIA MAIS