NOTÍCIAS

Qualidade, produtividade e custo pautarão a indústria da mineração

10 de outubro de 2017

Esta é a tendência para o mercado mundial de minério de ferro, apresentada pelo diretor da consultoria britânica CRU, Paul Robinson, no 17º Congresso Brasileiro de Mineração

Com a maturação de grandes empreendimentos, o foco da indústria da mineração não deverá ser apenas no volume de produção, mas na qualidade do produto, na produtividade e em custos mais competitivos. Esta é a tendência para o mercado mundial de minério de ferro, apresentada pelo diretor da consultoria britânica CRU, Paul Robinson, no painel “Mercado Global de Preços das Commodities Minerais: perspectivas e tendências”, no 17º Congresso Brasileiro de Mineração.
 
Paul Robinson disse que grandes projetos de mineração de minério de ferro estão em curso e serão suficientes para atender à demanda global pela commodity. “Com esses projetos, a oferta de minério de ferro no mundo tenderá a aumentar. Depois disso, a qualidade da produção, custos e produtividade serão fator de competitividade”, acredita Paul Robinson. No Brasil, dois grandes empreendimentos contribuirão para esse aumento da oferta mundial: o projeto S11D, da Vale, em Carajás (PA), inaugurado recentemente, e o projeto Minas Rio, da Anglo American, em Conceição do Mato Dentro (MG).
 
O consultor não descarta, inclusive, uma situação de sobreoferta, especialmente se for confirmada a redução do consumo pelo mercado chinês, em função da conclusão de grandes empreendimentos de infraestrutura – movimento que pode influenciar, também, a política de preços, como salientou o consultor.
 
Considerando esse cenário, o Brasil tende a se destacar, por conta da qualidade de suas commodities, como afirmou Paul Robinson: “o Brasil é um importante produtor de commodities de qualidade”. A opinião é compartilhada pelo também consultor John Mothersole, diretor da norte-americana IHS Markit, para quem a qualidade das commodities coloca o Brasil numa posição privilegiada.
 
Contudo, Mothersole alerta para um outro risco, motivo de preocupação dos executivos da mineração presentes ao 17º Congresso Brasileiro de Mineração e a Exposição Internacional de Mineração: o excesso de regulação da atividade de mineração. “Nos últimos dez anos percebemos alterações nas diretrizes”, observa o consultor. “O Brasil de hoje, comparado com o Brasil de 2007, está menos atrativo para investimentos no setor mineral”, disse.
 
A médio prazo, a exemplo de Paul Robinson, John Mothersole também disse que o consumo de minério de ferro pela China tende a arrefecer, por conta da conclusão dos grandes projetos de infraestrutura.
 
Para ambos, eventos como 17º Congresso Brasileiro de Mineração são fundamentais para se compreender a dinâmica do mercado de mineração. “É importante para conhecermos a visão do Brasil sobre a indústria da mineração”, observou Paul Robinson. “Neste momento de expansão global, eventos como este são muito bem-vindos”, observou John Mothersole.
Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Alubar prioriza fornecedores do Pará

10 de abril de 2018

Em 2017, a maior parte dos investimentos da Alubar com compras e serviços foi aplicada no Pará. A fábrica, líder…

LEIA MAIS

As conexões entre os fatos de hoje e as tecnologias de amanhã

14 de janeiro de 2019

Revista Época Negócios destacou a “A extração da Inovação”. A iniciativa surgiu de uma parceria entre as principais mineradoras brasileiras…

LEIA MAIS

III Semana de Engenharia de Minas da Universidade Federal da Bahia ocorre em novembro

29 de outubro de 2018

A Universidade Federal da Bahia (UFBA) promove em novembro, entre os dias 12 a 14, a III Semana de Engenharia de Minas…

LEIA MAIS