NOTÍCIAS

Rio Tinto investe US$ 4,2 bi em minério

21 de junho de 2012

rnA Rio Tinto anunciou ontem que vai investir US$ 4,2 bilhões em minério de ferro. Os recursos serão destinados às operações da Austrália e da Nova Guiné.rn rnO valor inclui US$ 3,7 bilh&ot

rn

A Rio Tinto anunciou ontem que vai investir US$ 4,2 bilhões em minério de ferro. Os recursos serão destinados às operações da Austrália e da Nova Guiné.

rn

 

rn

O valor inclui US$ 3,7 bilhões da parcela da Rio Tinto nos custos de expansão de suas operações mineradoras no Oeste da Austrália, na região de Pilbara. Na região, a empresa vai expandir a área portuária e ampliar a estrada, como parte de um plano para ampliar a produção 353 milhões de toneladas por ano até 2015. Outros US$ 501 milhões serão investidos para desenvolver a infraestrutura do projeto africano de Simandou.

rn

 

rn

“Nós estamos direcionando os investimentos para projetos que vão gerar os melhores retornos para os acionistas e são mais resistentes aos prováveis cenários macroeconômicos”, afirmou o presidente executivo global da empresa, Tom Albanese.

rn

 

rn

Os investimentos totais no desenvolvimento dessas operações de minério de ferro, incluindo os gastos dos parceiros da Rio Tinto, totalizarão US$ 6,2 bilhões.

rn

 

rn

O plano de investimentos na Austrália e África se soma à iniciativa na área do cobre, anunciada na terça-feira. A Rio Tinto informou que vai investir US$ 660 milhões, nos próximos sete anos, para estender o fim da vida útil da mina de cobre de Bingham Canyon, em Salt Lake City, EUA, de 2018 para 2029.

rn

 

rn

O orçamento inclui infraestrutura e novos equipamentos, que ofereçam suporte para estender a parede sul da mina, que está em operação há mais de 100 anos. Conforme a mineradora, investimento permitirá produção média de 180 mil toneladas de cobre, de 185 mil onças de ouro e de 13,8 mil toneladas de molibdênio por ano entre 2019 e 2029. O executivo responsável pela área de cobre da mineradora, Andrew Harding, afirmou que o investimento mostra como a companhia é capaz de criar valor a partir de ativos já existentes.

rn

 

rn

Esses anúncios estão sendo feitos em meio a um programa mundial em que a empresa se foca, na verdade, na redução de custos e prioriza aplicações e setores mais rentáveis.

rn

 

rn

Na área de alumínio, alguns projetos estão sendo revisados. Na Austrália, a companhia anunciou a “racionalização” de seus ativos. Seis ativos na Oceania estão sendo transferidos para uma nova unidade de negócios chamada Pacific Aluminium para posterior venda. Esses projetos “non-core”, ou seja, fora do foco estratégico da empresa, se somam a operações na França, Alemanha, EUA e Reino Unido.

rn

 

rn

Em reuniões em Sydney, no mês passado, Albanese afirmou que a empresa vai se concentrar apenas em projetos com altas margens de lucro e já tinha citado a possibilidade de expansão das operações de minério de ferro na Austrália Ocidental. O executivo falou em encolher ou mesmo adiar outros novos projetos.

rn

 

rn

Um dos planos sob ameaça seria o projeto de carvão Mount Pleasant, de cerca de US$ 2 bilhões, em Nova Gales do Sul, cuja decisão de construir a mina será tomada neste ano. Entre outros projetos que poderiam ser adiados está a ampliação da mina de bauxita Weipa, em Queensland, na Austrália.

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



5 dicas para manutenção eficaz em mineradoras

3 de dezembro de 2018

Manter o maquinário em bom estado de funcionamento é um dos maiores desafios das mineradoras. Instalados em ambientes extremos e…

LEIA MAIS

Exportação de pelotas aumenta 14,2% de janeiro a setembro

23 de novembro de 2017

Foram exportadas 22,5 milhões de toneladas de pelotas nos nove meses deste ano A exportação de pelotas, feita pela Vale,…

LEIA MAIS

Sindirochas e Abirochas juntos no MME para discutir a CFEM

3 de dezembro de 2018

Os presidentes do Sindirochas, Tales Machado, e Abirochas, Reinaldo Sampaio, se reuniram com a Secretária de Geologia e Mineração e…

LEIA MAIS