NOTÍCIAS

Rio Tinto investe US$ 4,2 bi em minério

21 de junho de 2012

rnA Rio Tinto anunciou ontem que vai investir US$ 4,2 bilhões em minério de ferro. Os recursos serão destinados às operações da Austrália e da Nova Guiné.rn rnO valor inclui US$ 3,7 bilh&ot

rn

A Rio Tinto anunciou ontem que vai investir US$ 4,2 bilhões em minério de ferro. Os recursos serão destinados às operações da Austrália e da Nova Guiné.

rn

 

rn

O valor inclui US$ 3,7 bilhões da parcela da Rio Tinto nos custos de expansão de suas operações mineradoras no Oeste da Austrália, na região de Pilbara. Na região, a empresa vai expandir a área portuária e ampliar a estrada, como parte de um plano para ampliar a produção 353 milhões de toneladas por ano até 2015. Outros US$ 501 milhões serão investidos para desenvolver a infraestrutura do projeto africano de Simandou.

rn

 

rn

“Nós estamos direcionando os investimentos para projetos que vão gerar os melhores retornos para os acionistas e são mais resistentes aos prováveis cenários macroeconômicos”, afirmou o presidente executivo global da empresa, Tom Albanese.

rn

 

rn

Os investimentos totais no desenvolvimento dessas operações de minério de ferro, incluindo os gastos dos parceiros da Rio Tinto, totalizarão US$ 6,2 bilhões.

rn

 

rn

O plano de investimentos na Austrália e África se soma à iniciativa na área do cobre, anunciada na terça-feira. A Rio Tinto informou que vai investir US$ 660 milhões, nos próximos sete anos, para estender o fim da vida útil da mina de cobre de Bingham Canyon, em Salt Lake City, EUA, de 2018 para 2029.

rn

 

rn

O orçamento inclui infraestrutura e novos equipamentos, que ofereçam suporte para estender a parede sul da mina, que está em operação há mais de 100 anos. Conforme a mineradora, investimento permitirá produção média de 180 mil toneladas de cobre, de 185 mil onças de ouro e de 13,8 mil toneladas de molibdênio por ano entre 2019 e 2029. O executivo responsável pela área de cobre da mineradora, Andrew Harding, afirmou que o investimento mostra como a companhia é capaz de criar valor a partir de ativos já existentes.

rn

 

rn

Esses anúncios estão sendo feitos em meio a um programa mundial em que a empresa se foca, na verdade, na redução de custos e prioriza aplicações e setores mais rentáveis.

rn

 

rn

Na área de alumínio, alguns projetos estão sendo revisados. Na Austrália, a companhia anunciou a “racionalização” de seus ativos. Seis ativos na Oceania estão sendo transferidos para uma nova unidade de negócios chamada Pacific Aluminium para posterior venda. Esses projetos “non-core”, ou seja, fora do foco estratégico da empresa, se somam a operações na França, Alemanha, EUA e Reino Unido.

rn

 

rn

Em reuniões em Sydney, no mês passado, Albanese afirmou que a empresa vai se concentrar apenas em projetos com altas margens de lucro e já tinha citado a possibilidade de expansão das operações de minério de ferro na Austrália Ocidental. O executivo falou em encolher ou mesmo adiar outros novos projetos.

rn

 

rn

Um dos planos sob ameaça seria o projeto de carvão Mount Pleasant, de cerca de US$ 2 bilhões, em Nova Gales do Sul, cuja decisão de construir a mina será tomada neste ano. Entre outros projetos que poderiam ser adiados está a ampliação da mina de bauxita Weipa, em Queensland, na Austrália.

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



CBMINA: submissão de trabalhos pode ser feita até 13 de abril

5 de abril de 2018

Para reforçar a importância de mão de obra qualificada e garantir o crescimento responsável da atividade minerária no País, o…

LEIA MAIS

Produção de minério de ferro da BHP cai 4% no trimestre

20 de outubro de 2017

Os números levam em consideração o minério de ferro produzido pela BHP e em parcerias em joint ventures

LEIA MAIS

Estão abertas inscrições para treinamento sobre Apreciação de Risco em Máquinas da Schmersal

22 de outubro de 2018

Multinacional alemã líder mundial em sistemas de segurança para máquinas industriais, a Schmersal divulga o inicio das inscrições para o…

LEIA MAIS