NOTÍCIAS

Roger Agnelli e BTG Pactual criam mineradora de US$ 500 milhões

12 de julho de 2012

Empresa nasce com projetos de cobre no Chile, titânio, fosfato e potássio no Norte e Nordeste e negocia áreas em AngolarnrnPouco mais de um ano depois de deixar a presidência da Vale, Roger Agnelli anuncia hoje sua volta &ag

Empresa nasce com projetos de cobre no Chile, titânio, fosfato e potássio no Norte e Nordeste e negocia áreas em Angola

rn

rn

Pouco mais de um ano depois de deixar a presidência da Vale, Roger Agnelli anuncia hoje sua volta à mineração, desta vez como empresário e em parceria com o banco BTG Pactual. Os novos sócios devem investir cerca de US$ 500 milhões na criação de uma empresa para explorar minas no Brasil, na América Latina e na África, apurou o ‘Estado’.

rn

 

rn

A maior parte dos recursos sairá do BTG, do banqueiro André Esteves. Agnelli entrará com a equipe que vai tocar a mineradora e com um punhado de ativos: opções de compra de projetos para exploração de cobre no Chile, e de titânio, fosfato e potássio no Norte e no Nordeste. Segundo fontes que acompanharam a negociação, Agnelli está discutindo também projetos de cobre e de minério de ferro em Angola, em parceria com grupos locais.

rn

O nome mais provável da nova empresa é B&A Mineração, que tanto pode significar Brasil e África como BTG e Agnelli. Mas o martelo não estava batido até o final desta edição. Procurados, BTG e Agnelli não quiseram se pronunciar.

rn

A criação da mineradora é a primeira operação concreta da AGN, holding aberta por Agnelli no começo deste ano. Além de mineração, o ex da Vale montou também uma empresa na área de logística, com interesse principalmente na construção e operação de portos, e outra para atuar na produção de biomassa destinada à geração de energia.

rn

Time. As especulações a respeito do destino profissional de Agnelli corriam o mercado desde que ele deixou a Vale, em maio do ano passado, por pressão do governo. Primeiro ele tirou uma espécie de período sabático e sumiu de cena até o começo do ano, quando começou a montar sua equipe, com nomes experientes do mercado: Eduardo Ledsham (mineração) e Ivo Fouto (energias renováveis) saíram da Vale, e Davi Cade (logística), que estava na CSN.

rn

O desenho societário da holding ainda não está definido. Segundo fontes envolvidas no processo, Agnelli já tem como sócia minoritária Carolina Menezes, que era do banco de investimentos Goldman Sachs, e deverá ter também o advogado Fábio Spina, ex-diretor jurídico da Vale, que cumpre um período de quarentena até agosto.

rn

O detalhe curioso na parceria entre Agnelli e o BTG é que eles estiveram em lados opostos no passado. Em 2009, Esteves assessorou Eike Batista em sua tentativa de comprar a participação do Bradesco na Vale, o que levaria o empresário ao grupo de controle da mineradora. Na ocasião, Eike disse que, se o negócio fosse concretizado, gostaria de tirar Agnelli da presidência da Vale.

rn

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



27 de novembro | Dia do Engenheiro e Técnico de Segurança do Trabalho

27 de novembro de 2018

Claudia Pellegrinelli, engenheira de segurança do trabalho, está à frente do Programa de Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração (MINERAÇÃO) desde…

LEIA MAIS

III Semana de Engenharia de Minas da Universidade Federal da Bahia ocorre em novembro

29 de outubro de 2018

A Universidade Federal da Bahia (UFBA) promove em novembro, entre os dias 12 a 14, a III Semana de Engenharia de Minas…

LEIA MAIS

Belo Horizonte receberá seminário sobre Barragens de Rejeitos

22 de outubro de 2018

As barragens de rejeito estarão em foco na segunda edição do Seminário UK-Brazil Mining Forum. O evento será realizado em Belo…

LEIA MAIS