NOTÍCIAS

Setor de mineração resiste à desaceleração chinesa

19 de abril de 2012

rnMesmo com crescimento econômico menor, o país asiático manteve o ritmo de comprasrn rnO setor de mineração manterá um forte ritmo de produção e vendas neste ano, mesmo com o cenário

rn

Mesmo com crescimento econômico menor, o país asiático manteve o ritmo de compras

rn

 

rn

O setor de mineração manterá um forte ritmo de produção e vendas neste ano, mesmo com o cenário de redução no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da China, maior comprador de minério de ferro do mundo. Os resultados do primeiro trimestre de gigantes do segmento, como a brasileira Vale e a anglo-australiana BHP Billiton, apontam queda nas operações e nas vendas, mas estão influenciados pela sazonalidade do período, como chuvas no Brasil e ciclones na Austrália.

rn

“Somente um cenário inesperado, de queda acentuada do PIB chinês, ou uma quebra geral na Europa, pode desaquecer o segmento. O nível de atividade é muito alto e repetir 2011 já seria um ótimo negócio, mas ainda vai crescer”, diz o analista-chefe da SLW Corretora, Pedro Galdi.

rn

O PIB da China apresentou nos três primeiros meses do ano avanço de 8,1%, a menor taxa trimestral dos últimos três anos. A importação do insumo siderúrgico cresceu 6%, mantendo a produção de minério de ferro no topo da capacidade das companhias.

rn

O preço da tonelada de minério de ferro saiu de US$ 138 no primeiro dia útil de 2012, para fechar nesta quarta-feira (18), a US$ 148,50, com tendência de chegar a US$ 160 no segundo semestre, de acordo com analistas de mercado consultados.

rn

Em Minas, o efeito das chuvas culminou em embarques de minério de ferro 2,6% menores no primeiro trimestre desse ano em relação ao ano anterior. Saíram de 35,130 milhões de toneladas para 34,205 milhões de toneladas. No Brasil, a queda foi de 0,6% no mesmo intervalo. A Vale apresentou produção trimestral 2,2% menor.

rn

A produção da BHP no Brasil, que ocorre via Samarco, em uma joint venture com a Vale, se manteve praticamente estável, mas os embarques tiveram leve recuo, de 2,5 milhões de toneladas para 2,4 milhões de toneladas.

rn

Para o analista de siderurgia e mineração do banco Geração Futuro, Rafael Weber, a China deve encerrar o ano com uma alta de 5% na importação de minério. “As mineradoras vendem tudo o que produzem e compram minério de terceiros para vender. As entrantes no mercado estão com dificuldades de desenvolver seus projetos, muitas vezes por questões ambientais, ou seja, há muita demanda e pouca oferta nova”, observa.

rn

Os analistas lembram que a economia é cíclica e que o movimento de alta na demanda e nos preços tem um limite, mas que o cenário que se desenha é de valorização. No ano passado, a tonelada do minério chegou ao pico de US$ 190 e começou a cair em decorrência da menor atividade econômica mundial, especialmente na Europa.

rn

Hoje, a conjuntura ainda é de recuperação dos preços, e Brasil e Austrália estão em boa posição por terem um preço maior em virtude de explorarem um minério de melhor qualidade.

rn

 

Fonte: Hoje em Dia

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



RMB firma parceria para desenvolver projeto inovador de manganês no Pará

3 de novembro de 2020

Acordo firmado entre a RMB e o grupo Sabes, vai proporcionar investimentos de aproximadamente US$ 200 milhões nos próximos três…

LEIA MAIS

Soluções inovadoras para mineração são apresentadas no Mining Hub

10 de dezembro de 2020

4º ciclo do M-Start – crédito: dviulgação 13 startups apresentaram suas provas de conceito (POCs) no ‘DemoDay’, realizado na tarde…

LEIA MAIS

Instituto Alcoa promove formação de professores em escolas públicas de Juruti

10 de setembro de 2018

Em busca de conhecimentos, experiências e avanços nas atividades escolares, cerca de 40 professores de escolas públicas de Juruti e…

LEIA MAIS