NOTÍCIAS

Sondagem aponta áreas com alto teor de potássio em projeto em MG

4 de setembro de 2015

A Harvest Minerals informou que a campanha de sondagem de trado no prospecto Maximus, que faz parte do projeto de potássio Arapuá, em Minas Gerais, identificou grandes áreas com rochas ricas em alta mineralização de

A Harvest Minerals informou que a campanha de sondagem de trado no prospecto Maximus, que faz parte do projeto de potássio Arapuá, em Minas Gerais, identificou grandes áreas com rochas ricas em alta mineralização de potássio. Um dos oito furos da campanha interceptou 13 metros com 7,24% de óxido de potássio (K2O) e 3,6% de pentóxido de fósforo (P2O5).

rn

Os procedimentos da preparação de amostras incluíram secagem, britagem e peneiramento, com granulometria de cinco milímetros. Também foram feitas pulverização, clivagem, com granulometria de um milímetro, homogenização e separação para gerar uma amostra de 200 gramas para análise, mais uma amostra de um quilo para ser arquivada.

rn

A análise foi realizada pela da Harvest no site do projeto com a ajuda de um analisador portátil XRF Delta, da Olympus. As informações são de comunicado enviado ao mercado nesta quinta-feira (3).

rn

Um alvo inicial de exploração foi estabelecido pela equipe de gestão da mineradora com base nos resultados dois oito furos de sondagem de trado, que variaram de oito a dez metros, com teor entre 5% e 8% de K2O. A Harvest disse que a quantidade e teores potenciais do alvo de exploração são conceituais e insuficientes para fazer uma estimativa de recursos minerais. A mineradora afirmou que vai realizar os trabalhos necessários para converter o alvo em recursos Jorc nos próximos meses.

rn

A composição do produto testado, obtido no prospecto Maximus, é de entre 6% e 10% de K2O; de 39% a 43% de sílica (SiO2); mínimo de 1,5% de P2O5 e máximo de 3,6%; 6,4 de óxido de manganês (MgO); 8,9 de óxido de cálcio (CaO); e 0,46% de óxido de sódio (Na2O). A Harvest disse que os testes confirmaram o baixo nível de contaminantes nas rochas com mineralização de K2O.

rn

A mineradora australiana afirmou que produtos similares têm sido comercializados entre US$ 70 e US$ 100 por tonelada, chamados de fonólito, com a seguinte composição: 8% de K2); 54% de SiO2; 0% de P2O5; 1,5% de CaO; 0,2% de MgO; e 7% de Na2O.

rn

A Harvest Minerals, antiga Triumph Tin, possui ainda os projetos de potássio Sergi e Capela, ambos no Estado de Sergipe.

rn

Clique aqui e acesse a matéria.

rn

 

rn

 

 

Fonte: Notícias de Mineração Brasil

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Royalty: mineradoras recolhem mais CFEM em 2018

5 de abril de 2018

A arrecadação da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), considerada o royalty da mineração, totalizou R$ 211 milhões no mês…

LEIA MAIS

Alcoa comemora 9 anos ajudando a transformar a vida das pessoas em Juruti

24 de setembro de 2018

Desde a chegada em Juruti, a empresa já investiu mais de R$ 9,5 milhões em iniciativas voluntárias em comunidades e…

LEIA MAIS

Desafio MinerALL traz propostas de negócios a partir do aproveitamento do rejeito da mineração

17 de dezembro de 2018

Uma solução de negócio que propõe a pavimentação de baixo custo foi a vencedora do Desafio MinerALL, iniciativa que tem…

LEIA MAIS