NOTÍCIAS

UMA MINA DE DINHEIRO: A compra da Xstrata pela Glencore cria a maior mineradora do mundo e uma das dez maiores empresas do planeta, com receitas de US$ 210 bilhões.

15 de fevereiro de 2012

Durante décadas, a empresa de negociação de commodities Glencore foi um dos segredos mais bem guardados do capitalismo suíço. Com receita de US$ 145 bilhões em 2010, ela supera em musculatura suas m

Durante décadas, a empresa de negociação de commodities Glencore foi um dos segredos mais bem guardados do capitalismo suíço. Com receita de US$ 145 bilhões em 2010, ela supera em musculatura suas muito mais badaladas conterrâneas Nestlé, Novartis e o banco UBS. Apesar disso, historicamente preferia adotar uma postura mais reservada, que só era interrompida pela revelação de alguns escândalos esporádicos, como a condenação e depois anistia de seu fundador, Marc Rich, processado pelo governo americano por evasão fiscal e por furar o embargo contra o Irã, nos anos de 1970. 

rn

 O sigilo, porém, começou a ruir com a abertura de capital em maio do ano passado, quando levantou US$ 11 bilhões. Agora, suas entranhas foram completamente expostas, com a empresa submetida de uma vez por todas aos holofotes. Na terça-feira 7, a Glencore anunciou a aquisição da mineradora anglo-suíça Xstrata, da qual já detinha  34%. Ela pagará US$ 41 bilhões pelos 66% restantes, em uma operação de troca de ações. A Glencore Xstrata International, nome com que foi batizada a nova empresa, já nasce como uma das dez maiores corporações globais.  

rn

Será a maior mineradora do planeta em receitas, devendo atingir US$ 210 bilhões, em 2011, e a quarta do setor em valor de mercado, com US$ 90 bilhões, atrás da australiana BHP-Billiton, da brasileira Vale e da britânica Rio Tinto. Seus negócios, no entanto, se estendem para além da mineração. A Glencore é acima de tudo uma negociadora de metais e de outras commodities, como as agrícolas e as de combustíveis. Sua lista de clientes parece um compêndio das maiores empresas do mundo, incluindo BP, Total, Exxon Mobil e as brasileiras Petrobras e Vale. Seu interesse pela Xstrata é facilmente explicado. A Glencore não extrai nada por conta própria.  

rn

 Ao contrário da empresa que pretende integrar, que possui reservas de carvão, cobre e níquel. “A Glencore se beneficiará das matérias-primas da Xstrata e esta, por sua vez, da nossa rede de vendas, com oito mil fornecedores e 54 escritórios no mundo todo”, disse Ivan Glasenberg, CEO da Glencore.O casamento entre a Glencore e a Xstrata já era esperado. Quando a Glencore abriu o seu capital, os US$ 11 bilhões levantados pareciam  ter a vizinha como um destino certo. Mas o caminho ficou aberto, de fato, em 2008. Foi no primeiro semestre daquele  ano que a Vale tentou comprar a Xstrata – e, para sua sorte, não conseguiu.  

rn

O negócio exigiria da brasileira um desembolso de até US$ 70 bilhões na época e era defendido por Roger Agnelli, o então CEO da Vale. Se tivesse levado a mineradora anglo-suíça, poderia ter amargado um prejuízo na sequência. Com a crise internacional, o valor da Xstrata caiu para US$ 18 bilhões. O interesse da Vale tinha origem na diversificação que a aquisição traria a suas operações, com reforço em zinco, chumbo e carvão. Até por esse motivo, o negócio da semana passada não deve afetar em médio prazo a brasileira. “A Vale tem intenção de se reforçar cada vez mais em minério de ferro, que já representa 57% de sua receita operacional”, afirma o analista Marco Aurélio Barbosa, da corretora Coinvalores.

rn

 

 

Fonte: Revista Istoé Dinheiro, ano 15, n° 749

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



LITOTECA DA CBPM É REABERTA

5 de outubro de 2015

Os interessados em fazer consultas em amostras de testemunhos de sondagem de projetos pesquisados pela Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM) já podem programar visitas à Litoteca da empresa.

LEIA MAIS

Fabio Schvartsman participa de evento corporativo em São Paulo

16 de abril de 2018

O diretor-presidente da Vale, Fabio Schvartsman, participou, no dia 10 de abril, do Itaú Macro Vision, evento voltado para o…

LEIA MAIS

Alubar prioriza fornecedores do Pará

10 de abril de 2018

Em 2017, a maior parte dos investimentos da Alubar com compras e serviços foi aplicada no Pará. A fábrica, líder…

LEIA MAIS