NOTÍCIAS

Vale está otimista, diz José Carlos Martins em entrevista à Folha

23 de janeiro de 2013

rnMaior produtora mundial de minério de ferro, a Vale antevê perspectivas melhores em 2013, apesar de prever um período de “grande volatilidade” no preço do minério.Passado o momento crítico que derrubou a c

rn

Maior produtora mundial de minério de ferro, a Vale antevê perspectivas melhores em 2013, apesar de prever um período de “grande volatilidade” no preço do minério.

Passado o momento crítico que derrubou a cotação para US$ 90 a tonelada, em setembro passado, a previsão da Vale é que o preço de seu principal produto oscile na faixa de US$ 110 a US$ 180, embora tenda a ficar mais perto do limite inferior.

O produto é o maior gerador de receitas da Vale, que, por isso, tem uma forte dependência do vaivém das cotações. Tal cenário foi traçado pelo diretor-executivo de Ferrosos e Estratégia da empresa, José Carlos Martins, em entrevista à Folha.

Considerado o segundo executivo mais poderoso da empresa, depois do presidente, Martins vê uma retomada da China e ao menos uma estabilidade nas demais regiões, o que tende a sustentar os preços.

Com a liderança na produção de minério de ferro ameaçada pela anglo-australiana Rio Tinto, que tem investido pesado na Austrália, a Vale sofre, diz ele, com a obtenção de licenças ambientais, o que manteve a extração praticamente estagnada desde 2007.

Isso começou a mudar no ano passado, quando a mineradora conseguiu destravar cem licenciamentos parados.

Folha – Qual é a previsão para o preço do minério neste ano? A atual fase de retomada se manterá?

José Carlos Martins – Há uma volatilidade, mas dentro de uma banda. E essa banda flutua de acordo com o custo dos produtores menos competitivos, na faixa de US$ 100 e US$ 110 a tonelada. Toda a vez que a oferta aumenta, o preço desce abaixo desse nível e os produtores de alto custo saem do mercado. Daí, o preço se ajusta para cima.

Nos últimos três anos, o preço máximo no trimestre foi de US$ 180, e o mínimo, de US$ 110. A tendência do preço é ficar nessa faixa.

Quando chega a US$ 180, o movimento é o inverso: as siderúrgicas de alto custo reduzem a demanda, e o preço é reduzido. Depois, o preço volta. Mas há uma média de US$ 130 a tonelada.

No ano passado, também foi essa média. A nossa expectativa é que o preço vá continuar muito volátil, mas com tendência a se localizar na parte inferior dessa faixa.

Mesmo com a possível recuperação da economia chinesa?

A China está bem. Nunca teve problema. Quem tem são os outros. No ano passado, apesar de tudo, a produção de aço na China cresceu 3%, e a importação de minério, 8%. A Vale atingiu níveis recordes de venda de minério para China no ano passado.

Eles anunciaram crescimento de 7,8% [do PIB em 2012], com aceleração [no último trimestre], o que indica que o comportamento deve ser melhor em 2013.

Fora a China, o cenário não melhorou, mas, ao menos, não piorou. A gente está com um viés melhor de desempenho da economia global. Isso tende a se refletir no mercado de aço e de minério de ferro.

Estamos moderadamente otimistas. Do ponto de vista da empresa, fizemos ajustes e esperamos um desempenho operacional melhor.

O sistema de preços baseado no mercado de oportunidade (“spot”) da China e com ajuste trimestral [em vez de anual] foi bom para a Vale?

Existe mais volatilidade dos preços, mas nossa avaliação é que o sistema de preço móvel permite ajustes mais rápidos. Faltou minério, o preço subiu. É um mecanismo mais fiel à economia de mercado. Há um ajuste rápido da produção à demanda, embora introduza mais volatilidade e incerteza.

A nova mina de Carajás que está em instalação pode trazer uma superoferta de minério e derrubar os preços?

Temos de colocar isso dentro do aspecto de competitividade. Esse nosso projeto tem custo muito competitivo. A nossa estratégia é manter a liderança nesse mercado.

Desde 2007, não conseguimos aumentar a produção, que está estável na faixa de 300 milhões de toneladas ao ano. A gente perdeu mercado nesse período. Então, nada mais natural do que tentar recuperar esse mercado.

Nessa faixa de preço de US$ 110 a US$ 180 a tonelada, o nosso produto é muito competitivo. A gente acredita que não tem problema de mercado e rentabilidade. Não estamos preocupados com o lado da oferta.

A preocupação é manter baixo custo e competitividade. Temos absoluta certeza de que esse minério encontra mercado.

Na crise de 2008 e 2009, não tivemos problema em colocar o minério de Carajás. Não acredito que irá haver superoferta nos próximos anos.

O mercado cresce de 50 milhões a 60 milhões de toneladas por ano. Mais 60 milhões a 70 milhões toneladas se esgotam a cada ano [em minas obsoletas]. Todos os anos são necessários, portanto, de 100 milhões a 120 milhões de toneladas de nova capacidade.

Ou seja, o S-11D [nova mina de Carajás] atende só um ano de crescimento do mercado.

Qual é a situação atual?

Hoje estamos próximos do equilíbrio porque a China está crescendo menos. É um fato. E a situação fora da China não está brilhante. Caiu a demanda de aço na Europa e no Japão, e os EUA andam de lado. Mas, mesmo num ano que não foi uma maravilha, a demanda cresceu.

rn

 

rn

 

rn

 

Fonte: Folha de S. Paulo

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Vale anuncia a venda dos seus ativos de nitrogenados e fosfatado em Cubatão à Yara

21 de novembro de 2017

A Vale informa que celebrou um acordo de compra de cotas com Yara International ASA, empresa listada na Bolsa de…

LEIA MAIS

Abertas inscrições do Programa Aprendiz da AngloGold Ashanti em Nova Lima (MG)

8 de agosto de 2019

São 60 vagas, das quais 20 exclusivas para pessoas com deficiência (PCD). Os cursos disponíveis são de operador de mina…

LEIA MAIS

Desafio MinerALL traz propostas de negócios a partir do aproveitamento do rejeito da mineração

17 de dezembro de 2018

Uma solução de negócio que propõe a pavimentação de baixo custo foi a vencedora do Desafio MinerALL, iniciativa que tem…

LEIA MAIS