NOTÍCIAS

Vale projeta 80% de autossuficiência energética no Brasil em 2020

20 de julho de 2012

rnJoão Coral, diretor de energia, fala ao iG sobre projetos em biomassa, eólica e solar. Ofensiva passa por termelétrica na África e meta é elevar em 150% a autogeração globalrnVilã da composi&c

rn

João Coral, diretor de energia, fala ao iG sobre projetos em biomassa, eólica e solar. Ofensiva passa por termelétrica na África e meta é elevar em 150% a autogeração global

rn

Vilã da composição de custo do minério da Vale, a energia é uma das principais preocupações da mineradora. Somente nos últimos cinco anos, o peso energético no custo dos produtos vendidos (CPV) foi de R$ 26,65 bilhões – sendo R$ 9,52 bilhões em eletricidade. Energia é em média de 3% a 5% do preço final do minério entregue pela Vale. A empresa consome 1,2 mil megawatts-médios por ano. O suficiente para abastecer 4,38 milhões residências com 200 megawatts-hora mensais por 12 meses ou, conforme comparativo da Andrade&Canellas Consultoria, cerca de 70% dos 6 milhões de domicílios da Grande São Paulo.

rn

A autogeração é pequena perto da demanda. Apenas 45% da energia são gerados pela mineradora, apesar do aporte na área ter crescido quase 500% em cinco anos, saltando de US$ 165 milhões, em 2007, para US$ 820 milhões, em 2011. A Vale opera ou participa de nove usinas e quatro pequenas centrais hidrelétricas.

rn

A deficiência no autofornecimento está levando a companhia a estudar o uso da biomassa para geração. A energia solar e a utilização do vapor como fontes energéticas estão na lista das novas tecnologias a serem adotadas para atingir uma meta ousada: 80% de autossuficiência no Brasil até 2020. “A nossa previsão de crescimento orgânico é grande. Considerando projetos que temos, caso não haja aumento no consumo, queremos chegar a 80% [de autogeração] do nosso consumo”, diz afirma ao iG o diretor global de energia, João Coral.

rn

As opções entram na pauta de estudos técnicos da mineradora, cujo desafio é acompanhar o crescimento da produção anual projetado para minérios como ferro (acréscimo de 125 milhões de toneladas), carvão (11 milhões), potássio (5,5 milhões), cobre (200 mil) e níquel (58 mil). Os investimentos nesse projetos podem atingir US$ 23,5 bilhões nos próximos anos. “Energia tem estar três ou quatro anos à frente de um investimento [em produção]”, afirma o executivo. “Com os projetos [em andamento], vamos continuar precisando ter energia contratada bilateralmente”, observa.

rn

Somente a instalação da mina de ferro S11D, no Pará, irá elevar em 87 MW-médio o consumo até 2020, quando deve produzir 90 milhões de toneladas por ano. O reforço na oferta própria para atender o projeto virá da Hidrelétrica de Belo Monte, após aporte de R$ 2,3 bilhões para ficar com 9% do consórcio que constrói a usina. Belo Monte colocará 435 MW na rede da Vale, atendendo projetos de níquel e ferro na região Norte.

rn

O gráfico abaixo mostra quanto a energia pesou no CPV dos últimos cinco ano em bilhões de reais, oscilando entre R$ 4,927 bilhões, em 2007, e R$ 5,514 bilhões, em 20011.

rn

Meta global: 150% mais energia

rn

Paraense de Bélem, aos 52 anos, Coral assumiu o desafio de equilibrar a área de energia da Vale há quase um ano, quando voltou à mineradora após uma temporada na Camargo Corrêa. O engenheiro elétrico havia trabalhado por 15 no antigo braço de alumínio da empresa, a Albrás, em Barcarena (PA), entre 1984 e 2000.

rn

Na virada do milênio, migrou para a área de desenvolvimento de negócios, o que o levou a viajar pelo mundo para desenhar projetos de carvão, siderurgia, alumínio e energia. A experiência de três anos o credenciou para o posto de diretor de projetos de níquel no Brasil e, posteriormente, para a presidência Mineração Onça Puma – ex-divisão de níquel no Norte do país.

rn

Em 2009, Coral saiu da Vale para comandar a área global de energia da Camargo Corrêa. Voltou a viajar em busca de oportunidades para empreiteira até agosto de 2011, quando o presidente da Vale, Murilo Ferreira, repatriou o engenheiro para uma missão específica: suprir a demanda por energia, incluindo a ampliação da autogeração energética em 150% até 2020 na África, América Latina, Oceania e Oriente Médio.

rn

Biomassa e solar

rn

A mineradora pretende reduzir em 5% milhões de gases causadores do aquecimento global, como o gás carbônico – o CO2 vilão da camada de estufa que protege a terra dos raios solares. A redução pode representar 1,7 milhão de toneladas de CO2.

rn

O primeiro passo foi iniciar uma plantação de palma em Moju, no Pará, onde irá extrair óleo de dendê para produzir biodiesel para uso de locomotivas e caminhões. O projeto também é um importante redutor de custos. A Vale irá deixar de comprar 20% do diesel que utiliza hoje.

rn

O passo seguinte será reutilizar o bagaço da palma para gerar 11 MW de eletricidade. A equipe de energia da companhia, formada por 190 profissionais no globo desenha o modelo a ser implantado.

rn

A investida deverá ser a primeira de uma série sobre biomassa. “Estamos trabalhando fortemente para viabilizar algumas iniciativas e projetos de biomassa no Brasil”, antecipa Coral.

rn

A Vale também começa a flertar com a energia solar para ampliar seu portfólio no futuro. “Temos um time que olha a questão solar, discutindo algumas alternativas de tecnologia. Podemos desenvolver mais à frente projetos pilotos em energia solar e outros [energéticos] como o hidrogênio”, afirma o executivo.

rn

“Tinha um time olhando eólica há quatro, cinco anos. Vínhamos aprendendo o negócio. A solar está desse mesmo jeito”, diz o diretor, em referência à parceria com a australiana Pacific Hydro para construir parque eólico de R$ 650 milhões no Rio Grande do Norte.

rn

O modelo para projetos futuros deve seguir o praticado com a Hydro. Segundo Coral, a parceria prevê 50% de participação para cada sócio na empresa que será criada para administrar o parque eólico. “A linha é sempre buscar parceiros estratégicos para desenvolver projetos”, afirma.

rn

As inovações compõem parte dos investimentos energéticos executados pela mineradora – como mostra o gráfico abaixo. A previsão para 2012 é aplicar de 3,6% dos US$ 21 bilhões de investimentos globais, podendo atingir US$ 756 milhões. “A tendência é termos um investimento sempre maior, dependendo do crescimento orgânico da Vale”, indica.

rn

Termelétricas na África

rn

A mina de carvão de Moatize, em Tete, província de Moçambique, pode receber uma termelétrica a base de carvão para atender a demanda da mina da mina de Moatize. A unidade consome 32 MW por ano, contratados de fornecedores locais. Em 2020, serão 137 MW-médios anuais – alta puxada pelo aumento da produção de carvão em 11 milhões de toneladas de carvão metalúrgico (usado na produção de aço) e térmico (energético), após um aporte de US$ 2 bilhões.

rn

A oferta própria do insumo usado em fornos termelétricos justifica a opção pelo uso do carvão, apesar da meta de redução de CO2, tendo em vista a segurança energética do projeto moçambicano. “As opções energéticas e a vocação da África é o carvão. O continente tem um problema gigantesco de energia e estamos estudando projetos para lá”, diz Coral.

rn

Contrato na Argentina

rn

A nacionalização da petrolífera YPF pelo governo Cristina Kirchner na Argentina tirou o sono da diretoria da Vale no primeiro momento. Agora, a mineradora diz confiar no sócio para explorar bloco de gás natural vital para abastecer de energia a extrassão do potássio de Néuquem, no norte do vizinho sul-americano.

rn

O contrato com a YPF prevê 50% da produção de gás para a Vale, na quantidade suficiente para atender 100% da demanda da mina do insumo usado na produção de fertilizantes. “Temos uma cláusula que prevê que caso nosso consumo ou a produção da nossa concessão [50%] seja menor que a demanda, temos o direito de preferência pela parte da YPF”, afirma.

rn

As empresas discutem neste momento o preço que será pago pelo excedente demando pela Vale. O debate central é se será um preço pré-definido agora, antes da conclusão da pesquisa de exploração para medir o tamanho da reserva, ou se valerá o valor de mercado da época com algum desconto. “O preço está sendo discutido no acordo de concessão”, diz o diretor.

rn

O que ainda não está confirmado é a tecnologia necessária para abastecer a demanda prevista de 57 megawatts-médio para o projeto Rio Colorado em 2015 e a ampliação para 79 MWmédio a partir de 2020.

rn

Vapor elétrico

rn

A incerteza do modelo energético para Argentina pode fazer a solução desenhada para a mina de potássio de Carnalita, em Sergipe, cruzar a fronteira.

rn

O gás natural será injetado no solo sergipano para facilitar a retirada do mineral. O processo feito gerando vapor, que será reutilizado para produzir eletricidade. “A tendência é não termos impacto em energia elétrica [com o projeto], porque vamos produzir lá”, diz João Coral.

rn

 

Fonte: iG

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Programa de melhorias eleva produtividade e reduz custos operacionais

15 de outubro de 2018

Engajamento dos colaboradores, aumento da produtividade e otimização de custos. Esses são os diferenciais que a Imerys, detentora da maior…

LEIA MAIS

Fabio Schvartsman participa de evento corporativo em São Paulo

16 de abril de 2018

O diretor-presidente da Vale, Fabio Schvartsman, participou, no dia 10 de abril, do Itaú Macro Vision, evento voltado para o…

LEIA MAIS

AngloGold Ashanti aprimora frota de subsolo

14 de janeiro de 2019

Dois novos jumbos, com investimento de R$ 10 milhões, foram adquiridos para operações de Minas Gerais Cerca de R$ 10…

LEIA MAIS