NOTÍCIAS

Valorização do dólar aumenta a receita do setor de commodities

17 de maio de 2012

Apesar de os custos dos produtores também subirem, saldo é positivo, segundo analistasrnGanho com alta da moeda dos EUA é limitado pelos preços das commodities no mercado internacional. rnEnquanto a aceleraç&at

Apesar de os custos dos produtores também subirem, saldo é positivo, segundo analistas

rn

Ganho com alta da moeda dos EUA é limitado pelos preços das commodities no mercado internacional. 

rn

Enquanto a aceleração do dólar preocupa parte da economia, o setor de commodities a vê com bons olhos.

rn

Ao romper a barreira dos R$ 2, o dólar sinaliza mais ganhos para os produtores, pois os contratos de venda têm como base a moeda dos EUA.

rn

Quanto mais elevado o dólar, mais reais o produtor recebe pela commodity.

rn

Esse ganho, no entanto, tem limites e depende do ritmo do preço das commodities no mercado internacional, que está em queda.

rn

No patamar de ontem, o dólar teve alta de 22% em relação ao valor de maio do ano passado. Nesse mesmo período, o algodão teve queda de 49% em Nova York. O café recuou 33%; o suco de laranja, 38%; e o açúcar, 5%. Já em Chicago, a soja subiu 7%, mas o milho caiu 11%.

rn

Além da queda de preços, parte dos custos de produção é em dólar e a alta da moeda pesa no bolso do produtor.

rn

“A alta do dólar tem seu lado negativo, com certeza, mas o saldo é positivo”, diz Marcelo Duarte, da Aprosoja (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso).

rn

Daniele Siqueira, analista da AgRural, de Curitiba (PR), confirma esse ganho.

rn

Tomando como base os valores médios de negociação dos contratos de abril em Chicago, os produtores de Cascavel (PR) que negociaram contratos para entregar a soja em 2013 receberiam R$ 51,66 por saca com o dólar médio de R$ 1,86 de abril. O dólar a R$ 2 permitirá uma renda de R$ 54,63 por saca.

rn

METAIS

rn

Os metais também amargam queda em 12 meses: o níquel perde 30%, o alumínio, 23%, e o cobre, 11% na Bolsa de Londres.

rn

No setor de mineração, a alta do dólar tem impacto menor sobre os custos, que são concentrados em mão de obra, energia e transportes. Ao mesmo tempo, as mineradoras têm grande parte da receita com exportações.

rn

“A alta da dólar impacta diretamente e de forma positiva o resultado das empresas”, diz o presidente do Ibram (Instituto Brasileiro de Mineração), José Fernando Coura.

rn

Segundo ele, o dólar a R$ 2 retoma a competitividade de segmentos que há anos operavam com dificuldade, como o de ferro-gusa, metal obtido na transformação do minério de ferro em aço.

rn

 

 

Fonte: Folha de S. Paulo

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Participe do I Seminário de Extensionismo Técnico Mineral

15 de outubro de 2018

Estão abertas as inscrições para o I Seminário de Extensionismo Técnico Mineral. O evento, promovido pela Agência Nacional de Mineração (ANM),…

LEIA MAIS

BH recebe 2º edição do evento “Fornecedores de Tecnologias para gestão e manejo de rejeitos de mineração”

28 de outubro de 2019

Empresas brasileiras e também companhias com atuação internacional que atuam no desenvolvimento de soluções para a gestão e o manejo…

LEIA MAIS

Anglo American divulga resultados de produção do terceiro trimestre

24 de outubro de 2017

A Anglo American reportou um aumento de 6% na produção total em base equivalente de cobre, em comparação com o mesmo período em 2016.

LEIA MAIS