NOTÍCIAS

Vendas de minério de ferro caem 20% em 2012

17 de julho de 2012

rnPrincipal produto exportado para a China, no último ano, sofre com a queda de preçornAo precificar a desaceleração da economia chinesa, a depreciação do minério de ferro no mercado internacional j&aa

rn

Principal produto exportado para a China, no último ano, sofre com a queda de preço

rn

Ao precificar a desaceleração da economia chinesa, a depreciação do minério de ferro no mercado internacional já ocasionou uma queda de 20,4% no valor das exportações brasileiras do produto para o gigante asiático.

rn

A queda de 20% no preço médio entre o primeiro semestre de 2012 e o de 2011 já levou até mesmo o governo brasileiro a discutir a situação do setor com os chineses. Na pauta da reunião realizada na última semana entre o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, e o vice-primeiro-ministro da China, Wang Qishan, estava o volume de vendas da Vale para o seu principal cliente.

rn

Segundo José Fernando Coura, presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), a desaceleração chinesa pode ser determinante para o futuro próximo do setor. Contudo, os planos de investimento e a demanda pela commodity estão garantidos pelos próximos anos.

rn

“A China demanda quase 1 bilhão de toneladas de minério de ferro por ano. Falta produção no mundo para atender o mercado”, afirma Coura. “Pode acontecer uma variação negativa, que traga números menores para o setor, mas com o preço acima de US$ 130 a tonelada, as perspectivas são ótimas.” Até o sexto mês deste ano, o valor médio do minério de ferro se manteve em torno de US$ 140. O presidente do Ibram aposta no volume de investimentos
das companhias brasileiras para que o setor volte a figurar como o principal exportador para a China. “Esperamos produzir 510 milhões de toneladas este ano, e com os investimentos de US$ 75 bilhões até 2016, vamos elevar muito esta produção. Há demanda e haverá oferta para
crescermos”, diz.

rn

Em contraponto, José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), projeta um futuro mais turbulento para a mineração. Segundo Castro, as ações de algumas siderúrgicas chinesas, para estimular a economia do país, acabarão por depreciar ainda mais a cotação da commodity. “A Baosteel, maior produtora de aço no mundo, já decretou que o preço de seu aço cairá 6% a partir de agosto. Isso recairá sobre o minério de ferro, que ainda está apreciado”, assinala o executivo.
De acordo com suas projeções, as vendas de minério de ferro cairão 22% neste ano. “É um mercado que a China controla e impõe seu preço”, diz.

rn

 

Fonte: Brasil Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Juristas e empresários vão debater nova legislação do setor mineral

28 de outubro de 2019

A legislação da indústria da mineração, tanto a brasileira quanto a de outros países mineradores, será amplamente debatida durante a…

LEIA MAIS

Alcoa comemora 9 anos ajudando a transformar a vida das pessoas em Juruti

24 de setembro de 2018

Desde a chegada em Juruti, a empresa já investiu mais de R$ 9,5 milhões em iniciativas voluntárias em comunidades e…

LEIA MAIS

IBRAM promove em agosto a 9ªedição do CBMINA

28 de fevereiro de 2018

As inscrições para submissão de trabalhos podem ser feitas até o dia 13 de abril O Instituto Brasileiro de Mineração…

LEIA MAIS